segunda-feira, 29 de janeiro de 2007

Balaio Porreta 1986

O Balaio Incomun, lançado em 1986, através da Chefia do Departamento de Comunicação Social da UFF, em Niterói, e que durante três anos foi veiculado pelo blogue Balaio Vermelho, inicia, aqui, uma nova fase. E o faz resgatando um de seus nomes mais populares, já que, na UFF, depois de alguns anos de existência xerográfica quase diária, era conhecido por Balaio Porreta.

Na medida do possível, editaremos postagens antigas do Balaio Incomun/Balaio Vermelho e daremos prosseguimento às séries já iniciadas. É preciso acrescentar, ainda, que continuaremos com nosso lema oswaldiano: Ver com olhos livres. E completamos: a partir de uma leitura crítico-afetivo-libertinária.

De resto, agradecemos publicamente ao escritor e blogueiro Bosco Sobreira, do Ceará, que nos ajudou, por meio de indicações preciosas, a (re)criar o Balaio.

3 comentários:

sandra camurça disse...

Taí, Moacy, curti mais esse modelo, com laranja e creme. O outro tava branco demais, limpo demais, asséptico demais, hehehehe. Agora vai! Beijo Grande.

Celso disse...

Saudações Moacy. Será bom voltar a lê-lo depois de uma longa ausência minha. Convido-o a, através do link neste comentário, retribuir-me a visita. Em breve, voltarei a me arriscar nos textos sobre cinema.

Abraço

Aníbal Bragança disse...

Oi Moacy,
gostei de reencontra-lo depois de tanto tempo, apesar do momento não ser para alegrias.
Muito legal o seu balaio porreta, de tanta história!
Quando puder visite o Ler, escrever e contar http://ler-e-escrever.blogspot.com
Um abraço,
Aníbal