terça-feira, 27 de fevereiro de 2007

RASGADA NO CAPIBARIBE
por Sandra CAMURÇA
[ in O Refúgio ]
O rio freveu a noiteira e vi ouvi borbulhas doiradas dos metais sonoros - timbres frevendo em jazzeanas canções. Da ponte saltei e mergulhei fundo no fundo das águas do rio que corre na cidade estuário onde deságua nobreza de ritmos, tons, batuques e metais penetrando meus orifícios possíveis impossíveis...Voltei à tona feliz e desnuda de preconceitos: rasgaram-me as vestes de pudores musicais.


BALAIO PORRETA 1986
nº 1961
Natal, 27 de fevereiro de 2007
Poema/Processo, 40 anos


PAGAR O QUÊ?
por Hugo MACEDO
[ in Beco Estreito. Natal, 2006, p.29 ]

Mané Bonitim [de Parelhas, RN] estava "doido" pra tomar uma de cana na festa de Acari [cidade vizinha, em pleno Seridó]. Mas, como não tinha um tostão no bolso, não contou conversa: com sua astúcia, chegou no bar central da cidade, e pediu ao balconista:

- Bota aí um café, cabra!

O inocente homem atendeu de prontidão, mas, antes mesmo do primeiro gole, Bonitim falou:

- Amigo, você poderia trocar o café por uma chamada de cana? Parece que a festa tá boa, né?

- É, posso. Disse o acariense.

Aproveitando a distração do atendente, Mané Bonitim engoliu a cachaça de uma só vez e foi saindo de fininho sem pagar, quando o dono do bar o abordou já na calçada:

- Ei! Pague a cachaça, rapaz!

- Que cachaça? Eu não troquei pelo café?

- Então, pague o café!

- E eu bebi café?

7 comentários:

sandra camurça disse...

Rapaz, eu fico toda abestada quando você publica um texto meu no Balaio. Obrigada, Moacy.

Beijos ;-)

Mulher na Janela disse...

Acho que esse bar é perto aqui de casa...rsrs...
Moacy, querido, um convite: amanhã (01/03) haverá a entrega de prêmios do Concurso Zila Mamede de Poesia, lá na A.S. Livros, às 18h. Estaremos lá e gostaríamos muito, se você ainda estiver em Natal e puder ir, de ver você, te conhecer e trocar idéias. Seria muito bom!
Aguardo resposta pensada com carinho!
Um grande beijo!

Moacy disse...

Caríssima Iara: Puxa vida, lamento profundamente, mas -- através de declaração pública, postada aqui mesmo no Balaio -- só voltarei a freqüentar a A.S. Livros em setembro. Por quê? Em setembro do ano passado, a A.S. prestigiou o livro de um torturador da época da ditadura, ao lançá-lo festivamente. Em sinal de protesto, fiz a declaração em pauta. E pretendo segui-la ao pé da letra. Lamento, mais uma vez. De qualquer maneira, todo o sucesso do mundo pra você. E parabéns, claro. Um beijo.

Mulher na Janela disse...

Tem problema não, Moacy. Admiro a atitude de protesto - da qual não tinha conhecimento - e aprovo em absoluto. Com certeza, teremos outras oportunidades!
Um forte abraço!

Jesus de Miúdo disse...

Essa estória eu conhecia dum moleque acariense, em terras parelhenses, comendo chocolate trocado por dois chicletes. Sem pagar, claro.

Thiago Rachid disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Thiago Rachid disse...
Este comentário foi removido pelo autor.