sábado, 24 de novembro de 2007

BALAIO PORRETA 1986
nº 2171
Natal, 24 de novembro de 2007



ENCONTRO DE ESCRITORES EM NATAL

Pelo segundo ano consecutivo, a Fundação Cultural Capitania das Artes, sob a presidência do poeta Dácio Galvão, promove o ENE - Encontro Natalense de Escritores, desta vez em homenagem aos 70 anos do Livro de poemas de Jorge Fernandes e aos 40 anos do lançamento nacional do poema/processo. Como em 2006, além de autores locais, tivemos ou ainda temos entre nós, discutindo com os muitos e muitos interessados nas várias mesas-redondas instaladas, a presença de Lau Siqueira, Jorge Salomão, Helóisa Buarque de Holanda, Chacal, Ruy Guerra, Moacyr Scliar, José Nêumanne Pinto, Zuenir Ventura, Luís Fernando Veríssimo. Se houve algumas frustrações, muitos foram e ainda estão sendo os pontos positivos. Além do mais, a apresentação de grupos folclóricos e de músicos consagrados deu e dá um colorido especial ao evento.


CONTATOS PESSOAIS

Entre os vários contatos que fizemos, além de velhas e queridas amizades (Paulo de Tarso Correia de Melo, Jarbas Martins, Tácito Costa, Nei Leandro, Abimael Silva, Candinha Bezerra, Bartolomeu Correia de Melo), destacamos o gaúcho-paraibano Lau Siqueira, excelente poeta, e o natalense Mário Ivo Cavalcanti, responsável por um dos melhores blogues do Estado, o Cidade dos Reis.


LIVROS E REVISTAS

Como sempre, aproveitamos a estadia em Natal para enriquecer a nossa biblioteca. De volta para o Rio (na próxima quinta), levaremos Vozes e reflexões (os anais do I ENE), Coco Zambê (com fotografias de Candinha Bezerra e organização de Dácio Galvão), Texto sentido (de Lau Siqueira), O Menino da Paz (auto natalino de Paulo de Tarso), Um intérprete dos Tapuios (de Alfredo de Carvalho, o nº 9 da revista Brouhaha, 12 folhetos de cordel (entre os quais, curiosamente, por Antônio Queiroz de França, cearense, O Manifesto Comunista em cordel). Mas como o evento só se encerra hoje, à noite, ainda pretendemos adquirir outros títulos. Alguns deles merecem ser comentados, o que faremos na primeira oportunidade. É o caso do Auto natalino de Paulo de Tarso.

2 comentários:

Jens disse...

Foi bonita a festa, pá!

Poesia Sim disse...

Moacy, grande prazer conhecê-lo pessoalmente, amigo. Pena que eu estava agoniado para voltar, cheo de compromissos em João Pessoa. Um grande abraço. Lau