quarta-feira, 21 de novembro de 2007


Foto de autoria não-identificada
em
ArtNude


BALAIO PORRETA 1986
n° 2169
Rio, 21 de novembro de 2007



POEMA de
MARIO CEZAR (CE)
[ in Coivara ]

o desgosto é de nascença. nenhuma dor é fugidia.


POEMA de
LUMA CARVALHO (RN)
[ in Casarão de Poesia ]

de olhos vendados
hoje
a lua
nem flagrou
minha alma nua


POEMA de
ACANTHA (SP)
[ in La Vie Bohème ]

Sede

Me abro
e me deixo
e me entrego
e me esvaio,
enquanto teus dedos falam coisas
no meu corpo,
com urgência e desordem,
exaurindo em mim o gozo e a voz...
incisiva-mente.


POEMA de
ADA LIMA (RN)
[ in Menina Gauche ]

Não sei falar, por isso escrevo.
Mas estou desaprendendo a escrever.


A BIBLIOTECA DOS MEUS SONHOS

Dicionário do pensamento marxista, de Tom Bottomore (ed.). Rio de Janeiro : Jorge Zahar, 1988, 454p. [] Ótima obra de referência que conta, para essa edição brasileira, com a consultoria de Antonio Monteiro Guimarães (org.), Maria da Conceição Tavares, Miriam Limoeiro Cardoso, Yedda Botelho Sales, José Américo Motta Pessanha e Sérgio Tolipan. Verbetes claros, objetivos, e com boas indicações bibliográficas. Um exemplo: "Islã - De um modo geral, os marxistas têm mantido silêncio com relação às origens e ao papel histórico do Islã. Os comentários de Marx e de Engels sobre o Islã são tentadoramente sugestivos, mas igualmente incompletos. Numa carta a Engels em que discute a natureza das sociedades asiáticas, Marx formulou a pergunta fundamental, para a qual ainda não foi encontrada nenhuma resposta adequada: Por que a história do Oriente aparece como uma história das religiões?" (p.200). O verbete continua, discutindo, inclusive, o "êxito inicial da expansão do Islã [que] é, em parte, explicado pela fraqueza militar dos impérios vizinhos (sassânida e bizantino) e, em parte, pelo sistema protecionista que o Islã criou em relação às populações protegidas e decadentes de tribos cristãs e judias num sistema de comunidades chefiadas por um líder religioso" (p.200).

8 comentários:

ada disse...

Que surpresa ao entrar aqui.

Abraço!

mario cezar disse...

moacy, agradeço, imensamente estas lascas (do meu sangue). olhe cabra: um convite. eu organizo num buteco um baião de 2. isso mesmo, é comida de fazer bosta. pois bem. esse evento acontece desde 2001 e o que vai ocorrr no dia 9 de zdezembdo é o déciomo sexto. dessa vez será uma homenagem a PEDRO OSMAR , digo, ao jaguaribe carne. com a presença de pedro que tá lançando o disco FARINHA DIGITAL. disco estupendo. VENHA, se não puder , avise os cabrueras daqui de são paulo

Claudia Perotti disse...

Asim como Ada fiquei surpresa de entrar aqui!

Letras e e muita arte de boa qualidade!

Agradeço-te a visita em minhas páginas.

Não o perderei de vista!

Beijinhossssss

Jens disse...

Poesia e marxismo? Excelente, Moacy. Como sempre.
Um abraço.

Acantha disse...

Estou muito bem acompanhada, MOACY! Obrigada. De novo e sempre!

Bosco Sobreira disse...

Excelentes os poemas de hoje.
Um abraço.

flâneur desvairado disse...

Moacy, é meu primeiro contato com o seu blog. Parabéns! Adorei os poemas deste post. Principalmente os da talentosa Ada!

luma disse...

olá moacy...é sempre um prazer visitar teu balaio!, e que surpresa gostosa encontrar-me por aqui!

beijos na alma
com sabor de "hoje é lua cheia"

luciana
luma
lua