segunda-feira, 18 de agosto de 2008


Ponte da Pedra Lavrada,
em Jardim do Seridó

Foto de
Joaquim Júnior
in
Grande Ponto


BALAIO PORRETA 1986
n° 2402
Natal, 18 de agosto de 2008


É muito difícil saber pecar com profundidade.
(Murilo MENDES. O discípulo de Emaús, 1945)


A MESMICE
política, intelectual, artística e literária
que assola o Brasil
precisa e deve ser combatida por todos aqueles
que acreditam
no sonho, na poesia, no socialismo, na arte,
na aventura libertária.
"Ver com olhos livres"
- de origem oswaldiana -
continua sendo o lema do Balaio.
Contra o preconceito, o racismo e o fascismo
continuamos na luta.
E a luta é o nosso norte, o nosso nordeste,
a nossa paixão mais constante,
o nosso gesto mais arrebatado,
a nossa esperança mais ousada.
Não somos ratos;
somos seres humanos,
com nossas fraquezas e nossas grandezas.
E como seres humanos
combateremos
qualquer tipo de preconceito,
qualquer manifestação de racismo,
qualquer forma de fascismo.
Ou qualquer empulhação chamada neoliberalismo.
No Balaio,
sempre e sempre,
continuaremos privilegiando
o choro, o samba, o frevo, o baião,
o jazz, a música erudita, o humor, o cinema,
a poesia alternativa, a poesia revolucionária,
a cultura popular, o poema/processo,
o socialismo, o erotismo, o Brasil.
E a aventura libertária.

[ in Balaio, n° 931. Rio, 14/03/1997 ]


O IMPORTANTE É NÃO PARAR DE QUESTIONAR
(Albert Einstein)

Apesar de todas as dificuldades, é preciso ousar;
apesar de todos os desencontros, é preciso amar;
apesar de todos os pesadelos, é preciso sonhar;
apesar de todas as incertezas, é preciso lutAR.

[ in Balaio, n° 276. Rio, 12/04/1991 ]

12 comentários:

Mme. S. disse...

Uma ponte para a beleza.

Magui disse...

Pois é, mas mais do que protestar é preciso participar.Eu tentei.Desisti.Falta de fígado.

Vais disse...

Saudações,
conte comigo, querido Moacy, nestas lutas, mesmo com toda incompletude de que somos feitos.
Linda a foto e me fez lembrar de uma música do Lenine e Lula Queiroga, A Ponte, vai um pedacinho

'Mas como é que faz pra sair da ilha?
Pela ponte, pela ponte

A ponte não é de concreto, não é de ferro
Não é de cimento
A ponte é até onde vai o meu pensamento
A ponte não é para ir nem pra voltar
A ponte é somente pra atravessar
Caminhar sobre as águas desse momento'
beijo grande

adelaide amorim disse...

É por essas e outras que eu gosto do Balaio ;)
Beijo, Moacy.

Jacinta Dantas disse...

Eita que eu estava com saudade de parar por aqui e , eis que chego, e vejo essa verdadeira "convocação" para o exercício da cidadania. Já fui mais atuante, mas mesmo não estando à frente, a Jacinta guerreira pulsa, pulsa, pulsa.
Abração

Jens disse...

Estupendo, Moacy. Belo manifesto. Longa vida ao Balaio, mais vermelho do que nunca.
Um abraço.

Bosco Sobreira disse...

Atualíssimo, o Manifesto, meu caro Moacy.
Bom saber de que a lucidez ainda existe.
Forte abraço.

Eliene Dantas disse...

Olá Moacy, passei para desejar uma ótima semana, cheia de inspiração. bj

Marco disse...

É bom saber que teremos sempre o Balaio por aqui para defender o que merece ser defendido. Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

Cláudia Magalhães disse...

Parabéns pelo manifesto, Moacy!

Dez eternidades e meia ao Balaio!

Beijos, querido!

Delia disse...

Vida longa ao Balaio!!!
Boa semana.

=)


Encantada com a ponte,

Délia

Polion Torres disse...

O Balaio um blog realmente direcionado a quem pensa o Brasil popular, arteiro, vibrante e com interação na arte do cinema. viva o Balaio..