terça-feira, 30 de setembro de 2008


Clique na imagem
para ver o trêiler de
A viagem do balão vermelho
(Hou Hsiao-hsien, 2007),
inspirado em Albert Lamorisse,
com Juliette Binoche,
no Festival do Rio
(Espaço de Cinema 1: 16:30 e 20:45h)


BALAIO PORRETA 1986
n° 2440
Rio, 30 de setembro de 1986

O que um ser literário como eu tem a ver com Paulo Freire? A resposta é: acho que tenho muito a ver com a poeticidade de Paulo Freire. ... Quando falo em poeticidade de Paulo Freire me refiro a um conjunto de exemplos que ele deixou. A poeticidade das suas convicções inabaláveis em torno da justiça social. A poeticidade de sua ação transformadora e democrática. A poeticidade de fazer o povo entender os conceitos de natureza e de cultura. A poeticidade da rebeldia amorosa.
(Marcius CORTEZ, autor de O golpe na alma,
in A poeticidade de Paulo Freire. São Paulo, 19/09/08)


A crise do capitalismo
Parte final de uma
ENTREVISTA COM O HISTORIADOR ERIC HOBSBAWM
[ in Carta Maior ]

Marcello Musto: Para terminar, uma pergunta final. Por que é importante ler Marx hoje?

Eric Hobsbawm: Para qualquer interessado nas idéias, seja um estudante universitário ou não, é patentemente claro que Marx é e permanecerá sendo uma das grandes mentes filosóficas, um dos grandes analistas econômicos do século XIX e, em sua máxima expressão, um mestre de uma prosa apaixonada. Também é importante ler Marx porque o mundo no qual vivemos hoje não pode ser entendido sem levar em conta a influência que os escritos deste homem tiveram sobre o século XX. E, finalmente, deveria ser lido porque, como ele mesmo escreveu, o mundo não pode ser transformado de maneira efetiva se não for entendido. Marx permanece sendo um soberbo pensador para a compreensão do mundo e dos problemas que devemos enfrentar.

Tradução para Carta Maior (espanhol-português): Marco Aurélio Weissheimer

7 comentários:

Jens disse...

Oi Moacy.
O barbudo alemão, uma das antenas da raça, está de volta, mais atual do que nunca. A História não acabou.( Já Wall Street está na boca da caçapa).
Um abraço.

marilia disse...

Pois é, Moacy.
Mas Marx é uma das minhas leituras interrompidas... comecei, claro, pelo manifesto comunista, há uns dez anos. E parei por aí.
Mas um dia eu volto a ser gente - e a ler tudo que me der na telha...

abç

Senhora D. disse...

Saudações. Recém ingresso no mundo dos blogs, ainda um pouco inexperiente, sigo o rumo do título: das bagunças...Um pouco de fotografia, história, poesia, literatura, enfim, bom saber que gostas.
Eu, Conheci o Balaio por intermédio e recomendação de Douglas, passeio por este universo e me inspiro. Agora mais o poema...Gostos que se entrecruzam.

Grande Abraço
M

Ana Camarra disse...

O filme despertou-me o interesse.

beijocas deste lado do mar

homoluddens disse...

Balaio é vermelho.
E porreta!
abraços, douglas.

Cláudia Magalhães disse...

Fiquei um pouquinho longe dos blogs, mas voltei, começando pelo teu balaio que é bom demais!
Beijos, cheios de carinho e admiração, Moacy.

Marco disse...

Eu estava pronto para ver este filme hoje, mas apareceu um imprevisto e não vai dar. espero que ele volte em circuito normal. Até agora já vi dois filmes e gostei de ambos.
Sobre Marx, definitivamente seus escritos são parte importante da história da civilização mundial. Sempre serão debatidos. Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.