terça-feira, 13 de janeiro de 2009


Foto
de
Re Melitieh Jozwik

in
Poema/Processo


BALAIO PORRETA 1986
n° 2535
Rio, 13 de janeiro de 2009


Israel diz que está lutando em Gaza por nós, pelos ideais ocidentais, pela nossa segurança, pelos nossos padrões ocidentais. Então também somos criminosos, cúmplices da selvageria que desabou sobre Gaza.
(Robert FISK, in The Independent,
reproduzido em Substantivo Plural)


PARAÍSO
Mariana
[ in Suave Coisa ]

aqui temos todas
as horas do
dia

prata escorre dos
lajedos
depois da
chuva

lágrimas engrossam o
canto dos pássaros o
uivo dos
cães

estar só é
dádiva

Nota:
O poema refere-se à cidade de Padre Paraíso,
hoje com uma população estimada em 20 mil habitantes,
no Vale do Jequitinhonha, MG


POEMA
Rita Marucia

levo a caneta no pescoço
escrevo nas mãos, no rosto

este corpo mal armado


TUA BOCA/ABISMO
Margarida Finkel
[ in Carne viva, 1984 ]

tua boca/abismo
caminho de todas as quedas
de onde,
fragmentada estrela viva
precipito-me em chamas
por teu corpo iluminado

teu corpo, em cujos mares
navego
e me encontro e me perco
em meio às tuas águas de ressaca


POEMA OBLÍQUO
Marcelo Novaes
[ in O Lugar que Importa, 2007 ]

Oblíqua é a chicotada
de vento, e a saudade
que se inclina como
filamento de
lamparina, a
esmaecer
esmaecer.

Oblíquo é o voo da linha
sem peso, e o choro que
se espreme como uma nota triste,
sem pemissão para aliviar-se.

Obíquo é o fantasma errante
a carregar um fiapo de luz,
no lugar do coração.

[][][]

RECOMENDAMOS ESPECIALMENTE

O manifesto de Gandhi, datado de 1938,
sobre a questão judaico-palestina:

"Não tenho dúvidas de que os judeus estão indo pelo caminho errado. A Palestina, na concepção bíblica, não é um tratado geográfico. Ela está em seus corações. Mas se eles devem olhar a Palestina pela geografia como sua pátria-mãe, está errado aceitá-la sob a sombra do belicismo britânico. Um ato religioso não pode acontecer com a ajuda da baioneta ou da bomba. Eles poderiam estabelecer-se na Palestina somente pela boa vontade dos palestinos. Eles deveriam procurar convencer o coração palestino. O mesmo Deus que rege o coração árabe, rege o coração judeu. Só assim eles teriam a opinião mundial favorável às suas aspirações religiosas. Há centenas de caminhos para uma solução com os árabes, se descartarem a ajuda da baioneta britânica.

Como está acontecendo, os judeus são responsáveis e cúmplices com outros países, em arruinar um povo que não fez nada de errado com eles.

Eu não estou defendendo as reações dos palestinos. Eu desejaria que tivessem escolhido o caminho da não-violência a resistir ao que eles, corretamente, consideraram como invasão de seu país por estrangeiros. Porém, de acordo com os cânones aceitos de certo e errado, nada pode ser dito contra a resistência árabe face aos esmagadores acontecimentos."

(Clique aqui para ler na íntegra o Manifesto de Gandhi,
reproduzido no blogue de Milton Ribeiro
)

11 comentários:

Jens disse...

Oi Moacy.
A lucidez pacífica de Ghandi é um bálsamo extremamente bem-vindo diante da insanidade que assola o Oriente Médio. Quem sabe um dia possamos assistir o triunfo da Razão?
Um abraço.

Adrianna Coelho disse...


Oi, Moa

Este post está tocante por várias razões: boa poesia, reflexão, a foto linda, a guerra...

Me dei conta da viagem (na leitura) do início ao fim. Tbm tenho dois queridos aqui. E vou visitar a Rita.

Bom dia!

líria porto disse...

gosto do balaio - vou linká-lo (?) em meu blog!
besos

Francisco Sobreira disse...

Caro Moacy,
Muito boa a sua postagem. Começando pela belíssima foto (de rosto de mulher, provavelmente a mais expressivamente bela que você já colocou), seguindo com os poemas e rematando com o texto de Ghandi, de grande lucidez e atualíssimo. Um abraço.

Adriana Monteiro de Barros disse...

OI Moa, este poema é lindo! Boa poesia, boa refexão. Que o Planeta e nós, consigamos resistir! Axé !
E obrigadfa pela visita. Também gosto muito "Destas Margens", cada vez mais longínquoas.....

bjs grande e quem sabe até breve!

sandra camurça disse...

belos poemas, belo manifesto... enfim, bela postagem...

Marcelo Novaes disse...

Oi, Moacy!


Bela postagem como um todo. Obrigado por resgatar meu poema oblíquo, de 2007, do fundo do balaio...






Abração,







Marcelo.

Mulher na Janela disse...

poesias, que belas Moacy!

que saudades!

beijos...

Vais disse...

Saudações Moacy,
que possamos fazer deste 2009 um ano com muitos momentos que valham seguir seguindo.
É, e como todos acima, muito bela a imagem e toda a postagem.
O Jens usou uma palavra, insanidade, que venho pensando nestes últimos dias, pra dizer das ações de seres humanos, fico vendo que hoje com toda a nossa evolução, a tecnológica, e muito, mas às custas de muita luta, nas relações, o que é contrário à racionalidade, no ser humano, penso não ser mais a irracionalidade, pois esta é dos animais irracionais, mas uma insanidade, um troço que fico procurando uma palavra ou palavras que expressem esta violência toda.
E o Gandhi é um mestre, um guru, um exemplo
beijos e tudo de bom

Milton Ribeiro disse...

Cheguei a este texto de Gandhi meio que por acaso. Fiquei estarrecido ao lê-lo. Parece ter sido escrito há meia dúzia de anos. As guerras não permitiram que acontecesse nenhuma evolução na região?

Uma coisa, Moacy. Ontem, passeava meio dormindo pelos canais de TV quando ouvi alguém falar -- lucas Mendes? -- que os americanos lançaram 6 filmes sobre a Segunda Guerra Mundial neste fim de ano. Para quê? Quem financia a manutenção da Grande Culpa Ocidental em relação aos judeus? Eles próprios?

Grande abraço.

Marco disse...

Olá, caro mestre Moacy
Coincidentemente, eu escrevi sobre o conflito Israel-Palestina. Pelo ponto de vista histórico.
A sua postagem está deliciosa. Bela imagem, belas poesias, muita lucidez nos textos. Muito bom. Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.