domingo, 25 de janeiro de 2009


Maputo, Moçambique:
Estação Ferroviária

Cartão postal de 1982


BALAIO PORRETA 1986
n° 2548
Rio, 25 de janeiro de 2009

O que sabemos de Moçambique? Bastaria dizer José Craveirinha e saberíamos muito. O poeta é um país, um jeito de silenciar, uma mistura explosiva entre oceano, nativismo negro, furor da terra e n'goma (tambores ressoando). Mas poucos conhecem Moçambique e Craveirinha, apesar do multiculturalismo e africanidade ostentados pelos brasileiros.
(STACARCA, in Luso-Poemas)


GUERRA
José Craveirinha (1922-2003)
[ in Kaningana un kaningana, 1974, via LusoVox ]

Aos que ficam
resta o recurso
de se vestirem de luto

... ... ... ... ...

Ah, cidades!
Favos de pedra
macios amortecedores de bombas.


NÁUFRAGOS
Marcela Ortolonan
[ in Metamorfose Pensante ]

Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada. *
E meus últimos sonhos
morreram afogados no mesmo naufrágio
que matou a namorada chinesa
de Camões.
* Os três primeiros versos são de Fernando Pessoa/Álvaro de Campos.


TIRO DE BAIXO
Celso da Silveira
[ in Tempo de rir. Natal, 1984 ]

Em Caicó, um homem enfurecido, dizia para outro:
- Desça desse caminhão que eu quero dar seis tiros na sua cara.

E o outro, trepado na carroceria:
- Que merda de revólver é esse que só atira se eu descer?

[][][]

Amanhã, no Balaio:
A torre de Caicó,
mais um capítulo d'O Livro dos Livros:
a Bíblia revisitada por Moacy Cirne

6 comentários:

romério rômulo disse...

moacy:
a torre de caicó é esperada com
ansiedade.certamente vai contribuir para desvendar os segredos da terra.
romério

_Maga disse...

Craveirinha. Desconhecia-o por completo. Hai-kais moçambicanos de muita sensibilidade e ceticismo. Muito bom.

A irônia de Celso da Silveira também fez meu cérebro estalar. Muito bom.

Obrigada pela honra de aparecer aqui em tão genial companhia.

Um abraço

Anônimo disse...

Já ouvi falar muito de Gilda, mas até hoje não o vi. Anda meio sumido da tv. Bom domingo. .........Carlos Medeiros.......http://grandeonda.blogspot.com

adelaide amorim disse...

Sabemos muito pouco sobre a África e seus países. Talvez por falta de apelo - pobreza, doenças, a exploração demolidora dos colonizadores nunca dão muito ibope, como bem sabe a tv globo.
Mas vale a pena saber e conhecer também a poesia que reflete a terra africana.
Beijo!

Vlademir disse...

Rita Hayworth era mesmo uma deusa! Uma musa insubstituivel nos dias de hoje.

Um abraço!

adrianna coelho disse...


moa,

gosto de tudo o que escolhe para colocar no balaio.

tô rindo aqui com o "tiro de baixo" e
já estou rindo com o capítulo novo que ainda vou ler... rsrsrs

beijos