sexta-feira, 22 de maio de 2009

A caridade
(c1556)
Francesco Salviati


BALAIO PORRETA 1986
n° 2669
Rio, 22 de maio de 2009

Toda a gente diz que a Sagrada Escritura é a palavra de Deus que ensina aos homens a verdadeira beatitude ou caminho de salvação; na prática, porém o que se verifica é completamente diferente. ... Boa parte, inclusive, dos teólogos está preocupada é em saber como extorquir dos Livros Sagrados as suas próprias fantasias e arbitrariedades, corroborando-as com a autoridade divina.
(Baruch de SPINOZA. Tratado teológico-político, 1670)


O LIVRO DOS LIVROS
(30)

Texto estabelecido por Moatidatotatýne, o Escriba

A conquista do Seridó

E Josué dos Santos Oberdadan, filho de Manedidim, amigo e compadre de Moysés Sesyom do Sertão, perguntou-se: "Os primitivos tapuias já foram exterminados; será necessário eliminar a população nativa para que tenhamos apenas seridoenses puros?" E o próprio Josué dos Santos Oberdadan respondeu-se: "Acredito que não, há lugar para todos, e todos viveremos em paz, e o Senhor das Alturas há de concordar comigo". Assim é. Assim foi. Assim será. E tudo começou a acontecer. E começou a acontecer tudo e póstudo, na vastidão do Seridó(¹).

E lá se estabeleceram - sob as bênçãos de Josué dos Santos Oberdadan - Teodósio Leite de Oliveira, Teodósia dos Prazeres, Manuel Gonçalves Diniz, Pedro de Albuquerque da Câmara e mais os membros das mais variadas famílias: os Araújos, os Medeiros, os Dantas, os Batistas, os Costas, os Azevedos, os Pereiras, os Britos, com seus 12, 15, 20 ou 26 filhos e filhas. E foi construída a Casa Forte do Cuó(²). E foi fundada a Irmandade do Santíssimo Sacramento. E foi criada a Irmandade dos Negros de Nossa Senhora do Rosário. E foi construído o templo denominado Castelo de Engady, para guardar para todo o sempre os originais dos Dez Mandamentos. E foi erguido, em Queicuó, o Cinema Pax, para que fossem glorificadas as imagens em movimento de Tarzan, Durango Kid, Humphrey Bogart e Ava Gardner.

E em sonho o Senhor das Alturas disse para Josué dos Santos Oberdadan: "O Seridó é uma terra mística; é preciso honrá-la como se honrará a veneração à Nossa Senhora de Sant'Ana, à lembrança do Cinema Pax, à Serra de Samanaú, à sangria do Gargalheiras, à Serra de Mulungu, à Passagem das Traíras, à poesia feita em Currais Novos, à beleza de Maria Félix, Teresinha Morango e Ava Gardner". E disse mais, no mesmo sonho: "O Seridó é uma terra mágica; é preciso amá-la como se amará a coragem de seus desbravadores, a personalidade de suas mulheres, a inteligência de seus anciãos, a musicalidade de sua gente e a beleza de Rejane Medeiros, Joana d'Arc de Caicó e Ava Gardner(³)".

E a fé do povo aumentou. E o consumo de carne de sol, queijo de coalho, macaxeira e arroz da terra duplicou. E a Festa de Sant'Ana carnavalizou-se. E o seridoense mais e mais tornou-se trabalhador, hospitaleiro e acolhedor. E o Itans passou a pegar água(ª¹) cada vez mais, provocando sangrias místicas, etílicas e cabalísticas. E a cultura do algodão triplicou. E as auroras se tornaram mais barrocas. E as cruvianas(ª²), mais suaves. E as lendas e os mistérios contribuíram para a formação do seridoísmo. Como a lenda da Moça Bonita(ª³):

"Sua pele era aveludada e tinha a cor, os mistérios e a quentura de uma noite estrelada do Seridó. Era uma jovem bonita, bonita de arrepiar, a mais bela da região, a mais bela a povoar os sonhos de vaqueiros, pescadores e caçadores de onças. Os pássaros da quase-manhã, quando o sol, solene e solitário, desenhava mais uma aurora sertaneja com cheiro de capim molhado, cantavam em sua homenagem. As cores alegres do dia pintavam de azul e negrume aquela beleza nascida do inesperado vento barroco da saudade. Sim, sim. Era uma bela e candente mulher. E tinha um hábito salutar: gostava de se banhar nua, sozinha, nas primeiras horas da manhã, no poço do rio que ela tanto amava, quando o inverno chegava: o rio de suas esperanças, o rio de suas mais doces alegrias. O rio de seu santo protetor - São José por nome, São José por devoção.

Mas um dia aconteceu o que não estava escrito no firmamento, o que não estava escrito nas cantorias do sertão, o que não estava escrito nem mesmo no Lunário Perpétuo: a nossa jovem, nua como sempre nas águas do poço encantado, sentiu-se observada por olhos grávidos de volúpia e macheza. Tentou cobrir suas vergonhas, inutilmente. Tentou cobrir suas belezuras. Inutilmente. Os olhos eram maiores do que a sua inocência. Maiores do que a sua seridolência. Era um domingo e Domingas era o seu nome. Desesperada, sentindo-se desonrada, correu para um matagal e lá se encantou: tornou-se um pássaro mais azul do que o azul mais brilhante, que voou para o horizonte em busca de seus sonhos. Nunca mais foi vista, nunca mais foi visto. Os moradores da região, deslumbrados com a história, nomearam o lugar de Poço da Moça Bonita.

Mais tarde, bem mais tarde, inícios do século XX da Era Comum, surgiria a povoação, hoje cidade, de São José do Seridó. Ou, simplesmente, São José da (Moça) Bonita. E todos os pássaros da região ainda cantam em homenagem àquela bela e misteriosa mulher.
Que se encantou para sempre".


Próximos capítulos:
31. O livro de Jó
32. Cântico dos Cânticos
33. Sabedorias eclesiásticas

Notas:

(¹) A extensão territorial do Seridó, na Capitania do Ryo Grande, segundo alguns dados estatisticos, atinge 9.332 km².
(²) Origem do Povoado de Queicuó [atual Caicó], em cujas ruínas se encontram, em suas galerias subterrâneas, os originais da Odisseia, d'Os lusíadas, d'A divina Comédia e do Pentateuco hebraico. Contudo - é o que revela o teólogo Muirakytan Macedo -, somente aqueles que mergulharem, no espaço de sete horas e sete minutos, nos pocos de Santana [em Caicó], da Bonita [em São José], da Moça [em Jardim] e no açude Itans [em Caicó] terão acesso aos referidos originais. Sabe-se que o escritor James Joyce conseguiu fazê-lo, quando em Caicó esteve; só depois, então, escreveria Ulysses.
(³) O entusiasmo masculino do Senhor das Alturas por Ava Gardner, manifestado aqui e em outras passagens d'O Livro dos Livros, será amplamente debatido no Concílio Caicó 1748 EC, a partir de uma epístola do monge Sanderson Negreiros.
(ª¹) Pegar água : Tomar água, receber água [dos rios e riachos; no caso do Itans, do Rio Barra Nova].
(ª²) Cruviana : Friagem da madrugada.
(ª³) O Concílio Caicó 1748 EC debateu se a lenda em questão não seria - ou não - um relato apócrifo, já que seu estilo difere, em grande parte, do texto concebido pelo Senhor das Alturas para O Livro dos Livros. Entretanto, os bispos Romário Gomes e Sinval Costa, presentes, sustentaram sua evidência histórico-bíblico-marciano-textual, o que depois seria objeto de estudo metafísico da historiadora Edith Medeiros.

10 comentários:

Lívio Oliveira disse...

O "Livro dos Livros" se superou hoje. Domingas é de uma sensualidade extrema!
Abs.

Lívio Oliveira disse...

O "Livro dos Livros" se superou hoje. Domingas é de uma sensualidade extrema!
Abs.

Jesus de Miúdo. disse...

Magnífico Moacyr! Exulto quando leio a história contada aqui, dessa forma. Oxalá vire um livro, quem sabe contada em quadrinhos, para que nossas crianças possam viajar, também, pos suas páginas.
Estou doido que já chegue o tempo dos escritos alcaçare o Livro de Jó (como se chamará nessa nova literatura?) onde coisas como a gravidade, e o eixo da Terra são discutidas. Talvez eu veja a tese do meu amigo Iruama Soriedem em suas letras, provando que Acry é a cidade mais velha do universo e o centro de todos os sistemas solares.

Pedrita disse...

essa tela é belíssima! beijos, pedrita

Anônimo disse...

oi, moacy!
ode ao seridó e as lendas moacyanas...
a publicação do livro dos livros será um acontecimento ímpar.
abraços, edjane

BAR DO BARDO disse...

viajo na sua bíblia...

Eliene Dantas disse...

Sabe que me encanta esse seu jeito de falar da nossa moça bonita? Eu não teria uma capacidade tão encantadora de retratá-la. Bj cheio de encantamento pra vc moço sertanejo.

Romário Gomes disse...

um poeta é um bispo é um cangaceiro é um historiador/ um seridó é um seridó é um seridó é um seridó/ um capítulo dO Livro dos Livros é uma história é um lenda é um poema

adelaide amorim disse...

Que o Senhor das Alturas lhe conserve e lhe faça brotar ainda mais narrativas assim geniais nesta cabeça inspirada, Moacy!
Beijo e ótimo fim de semana.

Beti Timm disse...

Querido Mestre,

"Olhos grávidos de volúpia e macheza"!
Perfeita essa descrição, de uma poesia ímpar. Belissímo está ficando o Livro dos livros, cada vez mais interessante!

Beijos carinhosos