terça-feira, 27 de outubro de 2009

Fotografia:
RetroAtelier


BALAIO PORRETA 1986
n° 2824
Natal, 27 de outubro de 2009

Queimei os meus vestidos.
Quero vestir-me apenas de palavras.
(Sônia BRANDÃO. Vestimenta, in Pássaro Impossível)



O OLHO TRIDIMENSIONAL
João Melo
[ in Angola: Os Poetas ]

vejo: a suave abóbada celeste,
a gangrena vermelha
no alto da cabeça

vejo: a ave incorruptível
no intervalo dos espigões
de aço branco e dourado

vejo: o néon sedutor
das rútilas noites urbanas,
a mítica paz dos campos

vejo: as bunganvílias definhantes
da história podre do tempo,
os homens de olhos vazios

vejo: a face gorda da fome
nos vorazes baús
de estômago electrónico

vejo: a mulher de pernas
de negro veludo
e fina penugem trémula

vejo: a bomba cirúrgica
e seus dentes cegos,
a esperança clandestina dos mortos

vejo: a canção ardente
na esquina sombria da cidade
onde jaz o mendigo surdo

vejo: a branca lua enamorada,
o misterioso oceano
e seus peixes indefesos

vejo: a alma das breves tragédias,
os tristes tambores furiosos
e a magia da poesia


METÁFORA FAUSTÍNICA

Artur Gomes

[ in A Cigarra, nº 33. Santo André, SP, agosto 1998 ]


o mundo que venci deu-me uma flor

de lótus

que desfio incontinente de malícias

faíscas na linguagem relâmpagos no meu falo

por cima de qualquer sonho grego

por dentro de qualquer fosso complexo

o mundo que venci deu-me uma flor

de cactus

troféu perigoso esse vassalo

em chão de céus infernos meus cavalos

amando a fátria que fariu língua senhora


VESTIBURRADAS
(Fonte: 500 anos de outras burradas)
[in Balaio n° 1283, 25/5/2000]

[] As glândulas salivares só trabalham
quando a gente tem vontade de cuspir.


[] Os estuários e os deltas foram
os primitivos habitantes da Mesopotâmia.


[] O ateísmo é uma religião anônima.

[] O petróleo apareceu há muitos séculos,
numa época em que os peixes se afogavam dentro d´água.

[] Antes de ser criada a Justiça, todo mundo era injusto.


Repeteco
10 FOLHETOS DE CORDEL com títulos curiosos:

[] A menina que morreu em Caicó e depois de 20 horas enviveceu - falou contra o comunismo e o protestantismo,
de José Gomes da Silva

[] A mulher que o diabo surrou ou A espera da vingança,
de Hermes Gomes de Oliveira

[] A discussão da gripe asiática com o atum,
de Cuíca de Sto. Amaro

[] História em versos de um jegue que matou um homem,
a porca comeu a criança e a mulher morreu de choque,
no Município de Santana de Ipanema, Estado de Alagoas,
de José Honório Oliveira

[] História da menina, ou seja, o Padre Cícero Romão,
de Genário Vieira Barreto

[] A moça que mordeu o travesseiro
pensando que fosse Vicente Celestino,
de Cuíca de Sto. Amaro

[] O barbeiro que fez a barba do jegue, de Aristeu Guerra Moreira

[] Como Antonio Silvino fez o diabo chocar, de Leandro Gomes de Barros

[] História do burro que matou seu próprio dono de faca
e o homem que matou a vaca e a vaca
matou o homem com a mesma faca,
de Moisés Matias de Moura

[] História do casamento do Tigre
ou O cavalo do Mestre Coelho,
de Luís da Costa Pinheiro

10 comentários:

Francisco Sobreira disse...

Bela foto, bela mulher. E que títulos interessantíssimos de folhetos de cordel você escolheu! Um abraço.

Assis Freitas disse...

Putz que foto...

Gabi disse...

"O ateísmo é uma religião anônima"

ahhh, eu ri!

nina rizzi disse...

nossa, belíssima foto, vi estrelas...

das vestiburradas bem que podia ser verdade esta: "Antes de ser criada a Justiça, todo mundo era injusto." então agoar seríamos justos?

gosto dos cordéis. por aqui há de tudo.

beijo.

Fatima disse...

Oi Moacy!
Infelizmente não sei o nome do autor do desenho. Fiz a pesquisa no Google e eles não citaram a fonte.
Bjs.

Jens disse...

Sábias as observações dos vestibulandos. A partir delas dá pra entender um pouquinho mais o Brasil.

Um abraço.

Marcelo Novaes disse...

Moa,


As vestiburradas são muito inteligentes.





Abração,










Marcelo.

BAR DO BARDO disse...

os cordelistas merecem o meu dez

10

Dilberto L. Rosa disse...

Esses cordeis são mesmo o supra-sumo da inventividade rica de nosso Nordeste! E que mulher... Que foto... Belos poemas... Falando nisso, caro Mestre: deste uma olhada, ainda que de soslaio, nos que te pedi vez passada? Abração!

Beti Timm disse...

Mestre querido,

como sempre o bom gosto aqui se faz presente. A foto adorei em conjunto com as palavras ficou perfeito.

Beijos carinhosos