terça-feira, 8 de dezembro de 2009



BALAIO PORRETA 1986
nº 2863
Natal, 8 de dezembro de 2009

O sexo é uma das nove razões para a reencarnação.
As outras oito não têm importância.
(Henry MILLER, cf. O melhor do mau humor,
ed. Ruy Castro, 1989)


VERSOS DE ZÉ LIMEIRA
segundo Orlando Tejo

Zé Limeira quando canta
Estremece o Cariri.
As estrela trinca os dentes
Leão chupa abacaxi,
Com trinta dias depois
Estora a guerra civi.

O meu nome é Zé Limeira
Cantor que não é pilhérico
Mas já sofreu de alguns males,
Foi atacado de histérico,
Chame logo a junta médica
Faça o exame cadavérico.

Um dia, no Paraíso,
Na velha casa de Adão,
Jesus, que fez um sermão,
Foi um Dia de Juízo.
São Pedro, que tava liso,
Ali vendeu um jumento
Por vinte e quatro e quinhento
Pra comprar cumidoria...
Foi muito pão nesse dia
Diz o Novo Testamento.


A FORTALEZA DOS VENCIDOS
Celso Japiassu


Um belo romance que trata do amor, da paixão, da política e de outros fortes sentimentos da vivência humana. E tudo com humor e agilidade, num estilo ao mesmo tempo leve e forte e de grande criatividade. É o novo romance de Nei Leandro de Castro, a história de Marionália e Esmeraldino, um desencontro existencial que segura com firmeza a atenção do leitor e o conduz no fio da narrativa até o final surpreendente, enquanto Nei aproveita para exorcizar alguns fantasmas pessoais.

Sua obra até agora compõe-se de 11 livros de poesia, um ensaio sobre Guimarães Rosa e quatro romances, com este último. É tão bom poeta quanto romancista, o que comprova mais uma vez com este A Fortaleza dos Vencidos, editado pela Saraiva, um texto extremamente bem escrito, cuja fonte encontra-se no universo do expressivo linguajar nordestino.

Marionália e Esmeraldino, Romeu e Julieta às avessas, passam a figurar na galeria dos grandes personagens da literatura brasileira, principalmente ela, Marionália. Sua loucura e sua obsessiva busca de vingança contra o homem que amou fazem dela um personagem que não se consegue esquecer. Nem nós nem Esmeraldino, cujo nome foi inspirado por O Caçador de Esmeraldas, de Olavo Bilac, poeta que o seu pai venerava.

ANÁFORAS DE MINHA CARTOLA
Altino Caixeta de Castro, MG / 1980
[ in Palimpsesto, n° 65. João Pessoa, 30/10/1996 ]

Você tirou o pombo de meu adejo
Você tirou a face de minha aurora
Você tirou a ganga de minha lavra
Você tirou o umbigo de meu beijo
Você tirou o gume de minha espora
Você tirou a boca de minha palavra

Você tirou o punho de meu ensejo
Você tirou a face de minha estória
Você tirou o galo de minha garganta
Você tirou o trigo de meu despejo
Você tirou o lume de minha glória
Você tirou a boca de meu espanto.


BACANTE
Iracema Macedo
[ in Lance de dardos, 2000 ]

Em meu ninho longínquo
inicio ventos
invento cios
canto e danço em volta do fogo
transformo meu leite em vinho
e ofereço meu corpo para os lobos


FILME ANTIGO
Vivi Fernandes de Lima
[ in Atos da folia. Rio, inédito ]

O amor da gente é tão antigo,
mas tão antigo
que ontem,
ao sonhar com você,
sonhei em preto e branco.


PASTOREIO
Joanyr de Oliveira
[ in Poesia Para Todos.
Rio, n° 2, nov/2000 ]


Fui pastor de destinos
soltos nas ventanias.

Fui pastor de sonhos,
de abismos e insônias.

Fui pastor de ovelhas
enlouquecidas nas noites.

Hoje pastoreio as horas
colho o mel das palavras.

Pastoreio metáforas
na inocência do branco.

Pastoreio murmúrios
diluídos nos ermos.

Pastoreio estribilhos
na memória e nas veias.

Ovelhas não navegam
as águas de meus olhos.

Ovelhas não ruminam
o itinerário de meu verbo.

Ovelhas não burilam
a sofreguidão de meu rosto.

8 comentários:

Mirse Maria disse...

Que bela imagem! Henry Miller era um sábio. em suas máximas!

Todos os poemas belíssimos, mas destaco o Zé Limeira...simplesmente divino!

Preciso ler "A FORTALEZA DOS VENCIDOS", com certeza.

Belo Balaio, Moacy!

Beijos

Mirse

Assis Freitas disse...

Com uma foto dessas no Balaio me recuso a comentar qualquer coisa. Fiquei pasmo.

líria porto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
líria porto disse...

zé limeira - cabra macho
cheio de filosofia
desses homes eu num acho
nem de noite nem de dia
e a moça do retrato
essa deusa sem sapato
é bonita que nem jia

besossss

(jia é com j pô )

líria porto disse...

voltei para falar dos versos - agora que li, estava encantada com a imagem!

beleza os versos!
besos

nina rizzi disse...

eu sou daquela smeninas que se debruçam por horas sobre uma obra de arte. e, uau, todo mundo têm razão: a gente "perde" um bocado de tempo olhando pra foto...

gostei demais desse filme antigo. e quero dançar com um lobo.

um beijo e inté, há um campo enorme esperando meu arado. isso é que é massa

Anônimo disse...

ah, sim, o título do livro "fortaleza dos vencidos", ja é muito sugestivo, vou sair à captura.

um cheiro, nina.

Adriana Karnal disse...

boa seleção de poemas, gostei especialmente desse que sonhou em preto e branco.