domingo, 24 de janeiro de 2010

OBRAS-PRIMAS DO CINEMA
Clique na imagem
para verouvir o trêiler de
Le chagrin et la pitié
(Marcel Ophuls, 1971)
Entre o desgosto e a piedade, a desconstrução de um mito: ao contrário do que muitos pensam, ou pensavam, os franceses, em bom número, durante a ocupação germânico-nazista apoiaram os invasores. Às vezes de forma aberta, muitas vezes de forma passiva. Mais do que um documentário com cenas de época - magistral, em todos os sentidos -, com suas quatro horas e lá vai fumaça, Le chagrin et la pitié "é um filme sobre a memória". E o que seria um filme herético, "não-heróico" (Georges Sadoul) - proibido na própria França durante muito tempo -, mesmo levando em conta o seu tom ora amargo, ora deprimente, revelou-se uma verdadeira obra-prima.


BALAIO PORRETA 1986
n° 2910
Rio, 24 de janeiro de 2010

A Arte verdadeira tem a capacidade de nos deixar nervosos.
(Susan SONTAG. Contra a interpretação, 1966)


PARA UMA BIBLIOTECA PORRETA
( 18 / 43 )
Moacy Cirne

Le siècle du cinéma (Pinel, 2002)
O lobo da estepe (Hesse, 1927)
A montanha mágica (Mann, 1924)
O rei Lear (Shakespeare, 1594)
Paraíso perdido (Milton, 1667)
O retrato de Dorian Gray (Wilde, 1891)
O grande Gatsby (Fitzgerald, 1925)
Eugénie Grandet (Balzac, 1833)
Contra a interpretação (Sontag, 1966)
Lance de dardos (Iracema Macedo, 2000)


O CÃO DENTRO DA NOITE
Iracema Macedo
[ in Lance de dardos, 2000 ]

O cão dentro da noite exagera
em seu lamento primitivo
eu seria mais sã
se o permitisse
se o construísse
com minha risada perfeita
com minha fala sem rumo
O cão me quer
como se eu gerasse um filho
como se eu trouxesse me pai para o mundo
como se eu me abrisse e ele me atravessasse
como se eu me devorasse
O cão me quer voraz
e triste como um exegeta
Visa decifrar-me
colher para mim um nome amplo
Viu-me aqui quieto, parado
deu-me água e comida
lambeu meus pés com sua língua ferida


DESTINO PERSECUTÓRIO
Henrique Pimenta
[ in Bar do Bardo ]

E quem me persegue
Será que me alcança?
Quero que me cegue
Aos olhos a lança.

Lanceia também
O peito sem crença,
Os homens sem bem,
Seus bens e despensa.

Eu, negro judeu,
Branco muçulmano,
Nem mesmo por Deus
Seria hum... humano.


Cinema
FILMES FUNDAMENTAIS
Uma seleção sujeita
a revisões/variações mensais ou anuais
segundo
Moacy Cirne

Anos 20

1. O homem da câmera (Vertov, 1929)
2. Aurora (Murnau, 1927)
3. A paixão de Joana d'Arc (Dreyer, 1928)
4. Sherlock Jr. (Keaton, 1924)
5. Um cão andaluz (Buñuel, 1928), curta
6. Em busca do ouro (Chaplin, 1925)
7. O encouraçado Potemkin (Eisenstein, 1925)
8. A caixa de Pandora (Pabst, 1928)
9. O homem das novidades (Sedgwick/Keaton, 1928)
10. A General (Keaton & Bruckman, 1927)
11. Sete amores (Keaton, 1925)
12. A última gargalhada (Murnau, 1924)

E mais, por ordem cronológica:

A carruagem fantasma (Sjostrom, 1920)
O garoto (Chaplin, 1921)
Uma semana (Keaton, 1921), curta
Nosferatu, o vampiro (Murnau, 1922)
Nanook, o esquimó (Flaherty, 1922)
Cine-verdade (Vertov, 1922-)
A rua (Grüne, 1923)
Marinheiro por descuido (Keaton & Crisp, 1924)
Greed / Ouro e maldição (Stroheim, 1924)
Cinema-olho (Vertov, 1924)
Nossa hospitalidade (Keaton & Blystone, 1924)
Entr'acte (Clair, 1924), curta
Variedades (Dupont, 1925)
A sexta parte do mundo (Vertov, 1926)
Ménilmontant (Kirsanoff, 1926)
Outubro (Eisenstein, 1927)
O fim de São Petersburgo (Pudóvkin, 1927)
Napoleão (Gance, 1927)
Metrópolis (Lang, 1927)
Berlim, sinfonia de uma cidade (Ruttmann, 1927)
Tempestade sobre a Ásia (Pudóvkin, 1928)
Vento e areia (Sjostrom, 1928)
Steamboat Bill Jr. (Keaton & Reisner, 1928)
A turba (Vidor, 1928)
Solitude (Fejos, 1928)
Um chapéu de palha da Itália (Clair, 1928)


[ No próximo domingo: Filmes fundamentais dos anos 30 ]


PARA UMA BIBLIOTECA PORRETA
( 19 / 43 )
Moacy Cirne

A tempestade (Shakespeare, 1611-12)
Judas, o obscuro (Hardy, 1895)
Édipo Rei (Sófocles, 425aC)
Felicidade & outras histórias (Mansfield, 1920)
O coração das trevas (Conrad, 1906)
Corpo de baile (Guimarães Rosa, 1956)
A cidade e as serras (Eça de Queiroz, 1901)
O relato de Arthur Gordon Pym (Poe, 1838)
Memórias do cárcere (Graciliano Ramos, 1954)
O escritor e seus fantasmas (Sabato, 1963)


PARA UMA BIBLIOTECA PORRETA
( 20 / 43 )
Moacy Cirne

Electra (Sófocles, 420aC)
Anna Karenina (Tolstói, 1877)
Macbeth (Shakespeare, 1605-06)
Admirável mundo novo (Huxley, 1932)
A feira das vaidades (Thackeray, 1847-8)
As aventuras de Tom Sawyer (Twain, 1876)
Por quem os sinos dobram (Hemingway, 1940)
Recordações da casa dos mortos (Dostoiévski, 1861)
A dama do cachorrinho & outros contos (Tchekov, 1898)
Memórias póstumas de Brás Cubas (Machado de Assis, 1881)

10 comentários:

Mirse Maria disse...

Bom dia, Moacy!

Lindas, as imagens do filme. Deve ser maravilhoso.

Henrique Pimenta ABSOLUTO!

Biblioteca Porreta 20/43 - Marquei todos. Aprecio Huxley entre os outros que também são ótimos!

Bom domingo!

Beijos

Mirse

BAR DO BARDO disse...

Senhor da Enciclopédia Contemporânea (ou Pós?), feliz-me por estar dentro do teu Universo.

Obrigadinho!

:)

(Ei, da época da Iracema Macedo, vocês já leram o Eli Celso, filho dos poetas Celso Silveira e Myriam Coeli?)

Francisco Sobreira disse...

Meu caro,
O colaboracionismo de muitos franceses ao invasor nazista é uma nódoa na história da França, que jamais se apagará. E, mais grave, é que dele participaram algumas figuras do meio artístico e literário. Um abraço.

Assis Freitas disse...

Versos precisos do Bardo, a porrada de Iracema, filmes e livros a mancheia. Para sorver. Abraço.

Mme. S. disse...

Moacy & Iracema & Bibliotecas & balaio = satisfação do freguês!

um cheiro meu querido, Saudades.

Pedrita disse...

eu adoro a montanha mágica. beijos, pedrita

Paulo Jorge Dumaresq disse...

Bom demais acordar neste domingo preguiçoso e ser seduzido pelo Balaio. Poxa, Moacy, vou procurar o Le chagrin et la pitié. Tudo da França me interessa. Pra variar, o poema do Henrique é superior. O da Iracema também não fica atrás. Bom, vi vários Filmes Fundamentais dos anos 20 da sua lista, especialmente os de Murnau. Livros? Também li alguns. Os de Shakespeare, todos. Forte abraço.

joyce domingos disse...

para tudo!!!

só de ler ''claplin'' meus olhos já saltam....adoooro chaplin...ele é imortal e obrigatório em qualquer cinemateca...sobretudo 'o garoto',obra-prima se igual^^


um beijooo

líria porto disse...

fim de domingo - o balaio salva!

salve o balaio!! besos pra ti.
besos

Cosmunicando disse...

Moa, sua biblioteca porreta é tão referencial que vou começar a salvar num arquivo único pra ir atrás do que não li.
Estou chapada com o cão dentro da noite, de Iracema... e o destino do nosso bardo Pimenta é tão universalista e tudo a ver com o trailler do filme :)
evoé, Balaio!
um beijo.