sexta-feira, 16 de fevereiro de 2007

Natal, Natal: o reencontro, a gente e o cheiro da terra, as figuras populares, a Capitania das Artes, o Sebo Vermelho, a Livraria da Cooperativa, as emoções de sempre. Uma boa notícia: chove no interior. Outra boa notícia: Cartas de Iwo Jima, de Clint Eastwood, entrou em cartaz no Cinemark do Medeimal. E o carnaval? Dizem que o de Caicó promete ser animadíssimo. O de Jardim do Seridó, também. Enquanto isso, algumas amigas preparam-se para ver o Galo da Madrugada, em Recife. Carnaval, Carnaval: é hora de brincar e ouvir Capiba, Nelson Ferreira, Lamartine Babo, o potiguar Dosinho. É hora de.


BALAIO PORRETA 1986
nº 1956
Natal, 16 de fevereiro de 2007
Poema/Processo, 40 anos


Repeteco do Balaio Vermelho

Sábado, 30 de abril, 2005


10 FOLHETOS DE CORDEL com títulos curiosos:

[] A menina que morreu em Caicó e depois de 20 horas enviveceu - falou contra o comunismo e o protestantismo,
de José Gomes da Silva
[] A mulher que o diabo surrou ou A espera da vingança,
de Hermes Gomes de Oliveira
[] A discussão da gripe asiática com o atum,
de Cuíca de Sto. Amaro
[] História em versos de um jegue que matou um homem, a porca comeu a criança e a mulher morreu de choque, no Município de Santana de Ipanema, Estado de Alagoas,
de José Honório Oliveira
[] História da menina, ou seja, o Padre Cícero Romão,
de Genário Vieira Barreto
[] A moça que mordeu o travesseiro pensando que fosse Vicente Celestino, de Cuíca de Sto. Amaro
[] O barbeiro que fez a barba do jegue, de Aristeu Guerra Moreira
[] Como Antonio Silvino fez o diabo chocar, de Leandro Gomes de Barros
[] História do burro que matou seu próprio dono de faca e o homem que matou a vaca e a vaca matou o homem com a mesma faca, de Moisés Matias de Moura
[] História do casamento do Tigre ou O cavalo do Mestre Coelho, de Luís da Costa Pinheiro

4 comentários:

Mulher na Janela disse...

Moacy, fantásticos os títulos do Cordel!
Beijos...

P.S.: Ei, quando aparece por aqui?!

sandra camurça disse...

Rararararará. Adorei os títulos de Cordel, Moacy. Olha, tô escrevendo um mini-conto em cinco (ou quatro, ainda não sei) micro partes lá no Refúgio. Ele é um tanto sombrio mas quero um final feliz pra ele. Afinal de contas, o Carnaval contagia, não? O Jens tá gostando, mas eu não tenho muita auto-crítica. Sabe como é: arquiteta metida a contista e poetisa. Se tiver tempo dá uma olhada lá. Gosto da tua crítica. Beijos. E Feliz Carnaval!

Bosco Sobreira disse...

Caro Moacy,
Fico feliz com tua felicidade de estar entre os seus.
Aproveite bem o carnaval.
Forte abraço.

Jens disse...

ÊÊÊÊÊÊÊHHHHHHHHHHHH, VIDÃO!!! Aproveite!!!!