terça-feira, 6 de março de 2007

Dos 8 aos 12 anos, em Caicó, fui apaixonado pela atriz Esther Williams. Reconheço: na mesma época, início dos 50, eu era um amante volúvel: Dorothy Lamour, Maria Félix, Hedy Lamarr e Ava Gardner também faziam parte dos meus delírios amorosos. Dos meus devaneios infanto-juvenis. Mas Esther Williams era a preferida, naquele momento. Ela e uma certa Gracinha. De carne, osso e morenidade. E por que estou me lembrando, agora, da "rainha das piscinas" hollywoodianas? Por conta de um filme que revi ontem, na tv: Numa ilha com você (Thorpe, 1948). O filme é medíocre, mas me emocionou. E aqui não vai nenhuma contradição: rever a bela nadadora (se não estou enganado, a atriz, antes, foi campeã olímpica de saltos ornamentais aquáticos) significou revisitar Caicó e o Cinema Pax. Significou revisitar a Praça da Liberdade e a Avenida Seridó. Significou revisitar, em termos memorialísticos, uma parte importante de minha infância. (MC)


BALAIO PORRETA 1986
nº 1967
Natal, 6 de março de 2007
Poema/Processo, 40 anos


A VAGABUNDA IDIOTA
por Sandra Camurça
[ in O Refúgio ]

Faltou-lhe a gula
Suculenta
Faltou-lhe o tesão
Suado
Faltou-lhe o olhar
Úmido
Faltou-lhe o cheiro
No cangote
Faltou-lhe a secreção
Leitosa
Faltou-lhe a mão
Carinhosa
Faltou-lhe a boca
Nos seios
Faltou-lhe a língua
No grelo
Faltou-lhe a mordida
Na carne
Faltou-lhe a foda
Obscena
Faltou-lhe a paixão
Desmedida...
E ainda levou um chute no estômago:
Faltou-lhe amor
Sobrou a dor...
Poema de
GILBERT DANIEL (MG)
uma poesia
fácil
uma poesia
simples
uma poesia
assim
uma poesia
aqui
[ da série A ESCOLA DO VERSO MÍNIMO, de 2005, in Narrarte ]


COMO ALGUNS FILMES SÃO INTITULADOS EM PORTUGAL

Por simples curtição -- ou simples curiosidade --, passamos a mencionar, mais uma vez, os títulos de alguns filmes conforme são conhecidos na pátria lusitana. E se Psicose não é mais O filho que era mãe (e sim Psico, no relançamento), ainda há muitas diferenças que, eventualmente sendo gaiatas, precisam ser registradas. E assim o faremos, na seguinte ordem: TÍTULO ORIGINAL / TÍTULO BRASILEIRO / TÍTULO PORTUGUÊS.

Greed / Ouro e maldição / Aves de rapina (Stroheim, 1924)
The gold rush / Em busca do ouro / A quimera do ouro (Chaplin, 1925)
The General / A General / A glória de Pamplinas (Keaton & Bruckman, 1927)
Duck soup / O diabo a quatro / Os grandes aldrabões (com os irmãos Marx, 1934)
Bringing up baby / Levada da breca / As duas feras (Hawks, 1938)
Stagecoach / No tempo das diligências / A cavalgada heróica (Ford, 1939)
Citizen Kane / Cidadão Kane / O mundo a seus pés (Welles, 1941)
The magnificente Ambersons / Soberba / O quarto mandamento (Welles, 1942)
Les enfants du Paradis / O boulevard do crime / Os rapazes da geral (Carné, 1945)
It's a wonderful life / A felicidade não se compra / Do céu caiu uma estrela (Capra, 1946)
Kind hearts and coronets / As oito vítimas / Oito vidas por um título (Hamer, 1949)
The asphalt jungle / O segredo das jóias / Quando a cidade dorme (Huston, 1950)
Rashomon / Rashomon / Às portas do inferno (Kurosawa, 1950)
Singin' in the rain / Cantando na chuva / Serenata à chuva (Kelly & Donen, 1952)
The bad and the beautiful / Assim estava escrito / Cativos do mal (Minnelli, 1952)
High noon / Matar ou morrer / O comboio apitou três vezes (Zinnemann, 1952)
On the waterfront / Sindicato de ladrões / Há lodo no cais (Kazan, 1954)
Rebel without a cause / Juventude transviada / Fúria de viver (Ray, 1955)
The ladykillers / Quinteto da morte / O quinteto era de cordas (Mackendrick, 1955)
Bigger than life / Delírio de loucura / Atrás do espelho (Ray, 1956)
The wrong man / O homem errado / O falso culpado (Hitchcock, 1957)
Sweet smell of success / A embriaguez do sucesso / Mentira maldita (Mackendrick, 1957)
Paths of glory / Glória feita de sangue / Os caminhos da glória (Kubrick, 1957)
12 angry men / Doze homens e uma sentença / Doze homens em fúria (Lumet, 1957)
An affair to remember / Tarde demais para esquecer / O grande amor da minha vida (McCarey, 1957)
Letjat zhuravli / Quando voam as cegonhas / As garças estão a voar (Kolatozov, 1957)
Touch of evil / A marca da maldade / A sede do mal (Welles, 1958)
Vertigo / Um corpo que cai / A mulher que viveu duas vezes (Hitchcock, 1958)
West side story / Amor, sublime amor / Amor sem barreiras (Wise & Robbins, 1961)
The hustler / Desafio à corrupção / A vida é um jogo (Rossen, 1961)
Dr. Strangelove / Doutor Fantástico / Dr. Estranho Amor (Kubrick, 1964)
A hard day's night / Os reis do iê-ê-iê / Os quatro cabeleiras do após-calypso (Lester, 1964)
The sound of music / A noviça rebelde / Música no coração (Wise, 1965)
Blow-up / Depois daquele beijo / História de um fotógrafo (Antonioni, 1966)
Au hasard Balthazar / A grande testemunha / Peregrinação exemplar (Bresson, 1966)
The graduate / A primeira noite de um homem / A primeira noite (Nichols, 1967)
Il Giardino dei Finzi-Contini / O jardim dos Finzi-Contini / O jardim onde vivemos (De Sica, 1970)
Voskinger och rop / Gritos e sussurros / Lágrimas e suspiros (Bergman, 1973)
One flew over the cuckoo's nest / Um estranho no ninho / Voando sobre um ninho de cucos (Forman, 1975)
Prizzi's honor / A honra do poderoso Prizzi / A honra dos Padrinhos (Huston, 1985)
Down by law / Daunbailó / Debaixo da lei (Jarmusch, 1986)
The dead / Os vivos e os mortos / Gente de Dublin (Huston, 1987)
Drowning by numbers / Afogando em números / Maridos à água (Greenaway, 1988)
La belle noiseuse / A bela intrigante / A bela impertinente (Rivette, 1991)
Da hong deng long gao gao gua / Lanternas vermelhas / Esposas e concubinas (Yimou, 1991)
Reservoir dogs / Cães de aluguel / Cães danados (Tarantino, 1992)

[ Fonte: 1001 filmes para ver antes de morrer, de Steven Jay Schneider, coord. /ed. port./ ]
O BALAIO ADVERTE:
O BIG BOSTA BRAZIL, A BUNDAXÉ MUSIC, O FORRÓ REEIRA
E UM TAL DE DIOGO MAINARDI PROVOCAM DIARRÉIA MENTAL.

6 comentários:

Lex disse...

Oi, professor

Tenho um livro sobre a obra de Hitchcock editado lá nas portugas e tem uns títulos bem interessantes. Depois passo para deixar alguns, mas lembro agora de versão para The Lodger = O Locatário.

Francisco Sobreira disse...

Moacy,
Por incrível que pareça, peguei Esther Williams já na fase de decadência, quando ela já não exibia os seus méritos de nadadora. Embora ainda fosse bonita, não foi das minhas mulheres do cinema preferidas. Agora, a Ava Gardner, a Maria Félix, entre outras, essas sim sempre estiveram entre as preferidas. Não falo aqui de talento interpretativo, tanto que usei a expressão muiheres do cinema. Um abraço. P.S. Pelo que você tem me dito, constato que a programação de filmes do cinema de Caicó dava de dez a zero na programação do Cine Canindé.

sandra camurça disse...

Sinceramente, não acho que meu poema esteja à altura do seu Balaio. Mas vá lá, já foi, né?
Obrigada, Moacy. Beijo.

Theo G. Alves disse...

a advertencia é justa: só de ouvir falar nesse diogo já noto as vísceras cerebrais aqui se retorcendo: ô figurinha nojenta.

mas me diz, moacy: e o itinerário do dia 14? acho que só poderei ficar de parte da manhã até meados da tarde. de manhã sei que devo dar uma passadinha lá na capitania.

abraço!!

Bosco Sobreira disse...

Meu caro Moacy,
O filme é medíocre, mas me emocionou.
Essa tua frase merece uma reflexão. Pensei em dizer que a emoção, talvez, seja o critério maior da beleza. Dito assim, soa demasiado simplório. De todo modo, ela, a frase, me persegue: quem sabe eu não escreva algo, do tamanho de minha pequenez como admirador das artes...
Bem, era isso. A postagem tá beleza pura.
Forte abraço, Mestre.

gilbert daniel disse...

Destaque para o poema da Sandra. Valeu Moacy!