terça-feira, 3 de abril de 2007

POR VOCÊ
Maria José Gomes
(RN)
[ in Espartilho de Eme ]

Meu tesão por você
está na língua,
nas dobradiças corpóreas,
nas entrelinhas das mãos.
Meu tesão
(por você)
vive na linguagem,
no arremate da frase,
no ambíguo toque das mãos.
Meu tesão por você
(às vezes)
em estado de morte,

vive na expectativa:
na esperança viva de gozar,
na volúpia, na tensão
de seu mastro em riste...
meu tesão por você
(ás vezes)
é triste.


BALAIO PORRETA 1986
nº 1987
Rio, 3 de abril de 2007


ZINGU! NAS PARADAS ELETRÔNICAS

Cinéfilos e cinemaníacos do cinema alternativo brasileiro: o número de abril da Zingu! já se encontra nas bancas virtuais do planeta eletrônico mundial. Cuma assim, ainda não conhece a Zingu!? Trata-se de “Revista mensal de internet dedicada ao cinema, especialmente o paulista. Dirigida pelo pesquisador Matheus Trunk, e com muitos colaboradores”. Neste número, destacamos: o ótimo artigo de Daniel Salomão Roque sobre o clássico Rip Kirby, HQ de Alex Raymond. Destacamos igualmente a análise de Gabriel Carneiro do filme A morte cansada (Lang, 1921). E o artigo de Marcelo Carrard sobre o assim nomeado Cinema Exploitation, realçando que “A dicotomia Sagrado/Profano sempre propocionou interessantes desdobramentos na Produção Artística”, envolvendo, eroticamente, o universo de freiras & religiosas em geral.


Poema/Processo
POEMA PARA SER QUEIMADO
[ de Moacy Cirne ]
Projeto inaugural: 1968
Versão: 2004


Ao som de músicas palestinas,
na manhã de abril,
queimemos uma, duas, três, mil
bandeiras norte-americanas.
No fogaréu das bandeiras em chamas,
joguemos
uma, duas, três, mil fotos
do maior criminoso da atualidade,
um tal de W.C. Bushit,
escrotojento
entre escrotojentos,
feladaputoso entre feladaputosos,
símbolo maior
do verdadeiro Império do Mal:
os Estados Unidos da América da Morte,
América sem
Norte.
O poema em chamas,
com fotos, bandeiras e o diabo,
será consumido
lenta lenta lentamente,
apesar do ótimo Mel
representado por alguns de seus
escritores
escultores
pintores
cineastas
arquitetos
poetas
jazzeiros
blueseiros
quadrinheiros
-- que não serão atingidos
pelo fogo da indign
ação
mundial.
Nem pela fúria
dos cabas da peste
de Caicó Sertão Seridó.


DEU NO BLOGUE DE SUERDA MEDEIROS (Caicó, RN)

Mentira faz perder a loteria

Um sujeito entra na casa lotérica para jogar, mas estava em dúvida sobre os números que deveria escolher. Vendo a moça no guichê, pergunta:
- Olha, estou a fim de jogar, mas estou em dúvida dos números que devo escolher... você poderia me ajudar?
- Claro - responde ela. - Vamos lá... por exemplo: me diz quantas vezes você já viajou?
- Quatro vezes.
- Perfeito, agora me diz: quantos filhos você tem?
- Dois.
- Ótimo. Quantos livros leu esse ano?
- Cinco livros.
- Certo, agora me diz:quantas vezes você fez amor com sua mulher?
- Caramba, isso é uma coisa muito pessoal, sabia?
- Mas você não quer ganhar na loteria?
- Tá bom... Duas vezes por mês.
- Bom... agora que já temos confiança um no outro... me diz: quantas vezes você deu a bundinha?
- Qual é a sua? - brada o homem. - Sou macho!
- Tá bom, não fique chateado... então zero vezes. Com isso já temos o número: 4 2 5 2 0.
O sujeito faz o jogo e no dia seguinte a primeira coisa que ele faz é conferir no jornal o número sorteado. Nisso vê que o ganhador é 4 2 5 2 1 e, cheio de raiva, comenta:
- Sacanagem! Por causa de uma mentirinha não sou milionário!”

Gutemberg Marcos de Oliveira (Natal RN)

8 comentários:

Suerda Medeiros disse...

Moacy, meu caríssimo, indiquei seu blog no meu e coloquei nos favoritos para que o povo do seridó veja vida inteligente na rede ( sem ser só a de balanço né? ). Um grande beijo.
Suerda Medeiros

Francisco Sobreira disse...

Moacy.
Muito boa a anedota. E é muito importante você dar essas dicas, como, p ex, a "Zingu", em que já andei dando uma olhada. Mudando de papo. Não sei se você está notando, mas , há dias, voltaram a aparecer aqueles estranhos caracteres no seu blogue. Um abraço.

Moacy Cirne disse...

Meu caro Sobreira: Aqui, na tela do meu computador, está tudo em ordem. Mistérios do mundo eletrônico-virtual, não? Um abraço.

sandra camurça disse...

Moacy, meu caro,

o Balaio de hoje está transbordando vida. Beleza teu poema: YA BASTA, Bushit!

Um beijo.

Gabriel Carneiro disse...

Ah, Moacy, fico feliz com a divulgação do Zingu! e com o destaque para o meu texto.

Obrigado.

Bosco Sobreira disse...

Meu caro Moacy,
Um poema pra ser lembrado. Muito bom.
Muito oportuno...
Forte abraço.

Mulher na Janela disse...

Moacy, meu querido...como sempre, o seu balaio vem furnido de coisas boas e (in)decentes...
O poema de Maria é um exemplo disso. Ah...e o achado do blog de Suerda é um dos que quero compartilhar...mentira tem perna curta e outras coisas tamb´me, né não?
Um cheiro!

Ericsson disse...

Caro amigo Moacy,
Como profundo admirador que sou de blogues dos nossos sertanejos, fiquei muito feliz de através de um deles encontrar este que tenho certeza, enriquecerá meu acervo cultural. O poema do W.C Bushit tá uma maravilha assim como a piada da mentira (coisas de seridoenses).
Um forte abraço,
Ericsson Aquino.