sábado, 26 de maio de 2007

A MULHER VERDE
invadiu o meu espaço.
Não sei o seu nome.
Não sei a sua origem.
Não sei quem a fotografou.
Não sei quem a enviou.
Não sei se amou alguém.
Ou se foi amada.
Não sei se viajou
para a Lua
ou para São Saruê.

Se gosta de Elomar e Pixinguinha.
Se gosta de poesia e arribaçã.
Se já esteve em Caicó.
Ou em Jardim do Seridó.
Só sei que é azul.
Azul e violeta.
Azul e crepúsculo.
Sempre azul e outubro.
Azul, como em Carlos Pena Filho.
Azul, como no poema que não escrevi.
Azul, como no filme que não filmei.
Azul, como no livro que não sonhei.
((( Moacy Cirne [2004-2007] )))

9 comentários:

Marcos A. Felipe disse...

O corpo dela é maravilhoso.

Marcos A. Felipe disse...

O corpo dela é maravilhoso.

ॐ Elora Rafaela ॐ disse...

Num só espaço tantas referências maravilhosas, como de costume. Elomar, Pixinguinha, Poesia, Caicó, arribaçã... se a mulher verde gosta, não o sei;tomara que sim, pois do contrário muito perde...
Grata pela visita ao meu blogue e, principalmente, pelas gentis e imerecidas referências elogiosas, Moacy.
Um ótimo final de semana com aroma de jurema florando no sertão.

Blogue. Sempre

Fugu disse...

A mulher verde é azul. E tem uma barriguinha de quem já fez filho. E é tão linda. Como o seu poema.
beijo você

Espartilho de Eme disse...

Poema lindo, doce e cheio de efervescências! Adorei, Moacy
Beijos maria Maria

Marco disse...

Belo poema, caro mestre, belo poema... E bela imagem também.
Então, vai para Natal? Ah, como eu o invejo!
Sim, Natal é um dos lugares NO MUNDO em que eu adoraria morar. Aquilo lá é bom demais! Espero que a especulação imobiliária não acabe com aquele paraíso.
Boa semana, boa viagem. Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

Bosco Sobreira disse...

Meu caro Moacy,
Belíssima a postagem de hoje; belíssimo poema.
Parabéns!
Forte abraço.

sandra camurça disse...

A moça é bonita mas teu poema marciano é muito mais...

Beijos daqui, de Vênus.
Té sexta.

Jens disse...

Putz, cara, muito legal! (O poema e a moça).