domingo, 22 de julho de 2007


"Aquilo que o fogo iluminou conserva uma cor indelével. Aquilo que o fogo acariciou, amou, adorou, adquiriu recordações e perdeu a inocência. ... Com o fogo tudo se modifica. Quando queremos que tudo se modifique apelamos para o fogo". (Gaston Bachelard: A psicanálise do fogo)

[ Foto de José Lopes, in Teia de Palavras ]


BALAIO PORRETA 1986
nº 2069
Rio, 22 de julho de 2007



COLECCIÓN
de Lado B

Eu coleciono palavras
mas elas me escapam


EPÍGRAFE
de Adelaide Amorim
[ in Inscrições ]

cinzas do tempo
pousam
em todas as histórias


TÁCTIL
de Márcia Maia
[ in Tábua de Máres ]

Num ponto impreciso entre
seda veludo
pêssego e vinho
a (in)exata palavra
que tange sugere
seduz


UM BLOGUE PORRETA

Tábua de Marés, de Márcia Maia.
Poesia e produtividade:
a produção de poemas que primam pela qualidade.
Poesia = Nordestinidade.

||||||||||||||||||||||||

Antes de ser filho da madeira, o fogo é filho do homem. (Gaston BACHELARD. A psicanálise do fogo [1938]. Lisboa: Estúdio Cor, 1972, p.53)

5 comentários:

Márcia disse...

Olha eu feliz! ;)))
Obrigada e um enorme beijo, meu querido.

adelaide amorim disse...

Hoje vou dormir toda contente...
Beijo grande, Moacy.

Marco disse...

Tem uma frase de que gostou muito: a paixão é como fogo; queima mas ilumina. Admiro o fogo, como admiro todos os elementos.
Bela postagem. Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

Lado B disse...

Coleciono....e "troco"...rs

Bosco Sobreira disse...

Meu caro Moacy,
Infelizmente, uma doencinha me impediu de visitar os amigos como desejo.
Agora, espero voltar com a freqüência desejada e ler as postagens anteriores.
A de hoje está uma maravilha de poemínimos fantásticos!
Forte abraço;