sábado, 11 de agosto de 2007


Grandes momentos do cinema:
O bandido da luz vermelha (Rogério Sganzerla, 1968).
"Assim era O bandido da luz vermelha: Godard, Welles. Mais o rádio, as manchetes de jornais, a Boca do Lixo, o Brasil berrante e aberrante que se consubstanciava na nova metrópole, São Paulo. Em vez da política, obsessão glauberiana, o banditismo, a revolta inútil, desesperada contra uma vida que, sabe-se, não vai mudar". (Inácio Araújo, in Folha Ilustrada, 9/jan/2004).


BALAIO PORRETA 1986
nº 2087
Rio, 11 de agosto de 2007



ZINGU!, MAIS POLÊMICA DO QUE NUNCA

O mais novo número da revista Zingu! já se encontra nas bancas virtuais da blogosfera. Como sempre, ou mais do que nunca, bastante polêmica. Basta ver, neste sentido, o artigo de Eduardo Aguilar 'Porque não vi e não gostei de Baixio das bestas'. Mas a revista tem outros artigos de igual modo interessantes: o de Judson Ovídeo sobre 'Cassandra Rios: a rainha da literatura erótica', por exemplo. Ou o de Marcelo Carrard sobre 'Crianças assassinas' no cinema. Há mais colaborações: Filipe Chamy, Sérgio Andrade, Gabriel Carneiro, e por aí. É o caso de se afirmar: Zingu! é uma revista soda, como já dizia Fócrates.


POEMA
de Sandra Camurça
[ in O Refúgio ]

ele a chamava de puta... vagabunda...
e linda e santa e nua
ela gritava
e babava
no travesseiro sem dono


A BIBLIOTECA DOS MEUS SONHOS
666 livros indispensáveis (27 / 111)

Dom Quixote de la Mancha [1: 1605; II. 1615], de Miguel de Cervantes. [] O Livro dos Livros: provavelmente, o maior monumento literário de todos os tempos. Não há como definir a sua importância estética e cultural para a história da humanidade. Muitos já o tentaram, poucos realmente se aproximaram de sua magnitude no vasto universo da literatura. Há aqueles que colecionam suas edições (quando podem, naturalmente), assim como outros colecionam canetas, aparelhos de rádio, discos e gibis antigos, e assim por diante. Modestamente, apontamos seis edições que merecem ser vistas ou lidas (e também, no 6º caso, ouvidas):

* Dom Quixote de la Mancha. Trad. Almir de Andrade e Milton Amado. Pref. Luís da Câmara Cascudo. Intr. Brito Broca. Ils. Gustavo Doré. Rio de Janeiro : José Olympio, 1952, 5v., 1862p.

* El ingenioso hidalgo Don Quijote de la Mancha, in Obras completas. Est., rec., pról. y notas Angel Valbuena y Prat. Madrid : M. Aguilar, 1943, p.,995-1511.

* El ingenioso hidalgo Don Quijote de la Mancha. Pref. A. Herrero Miguel. Barcelona : Ramon Sopena, 1976, 718p. /Biblioteca Hispania/

* Dom Quixote de la Mancha. Trad. e notas Miguel Serras Pereira. Ils. Salvador Dalí. Lisboa : Dom Quixote, 2005, 626p.

* Don Quijote de la Mancha. Ed. del IV Centenario. Present. Mario Vargas Llosa et all. Madrid : Real Academia Española ; Asociación de Academias dela Lengua Española, 2005, 1250p.

* Don Quijote de la Mancha - Romances y músicas [ livro (frag.), 263p + cd duplo, 154'27'' ] , por Jordi Savall / Hespèrion XXI ; La Capella Reial de Catalunya ( dramaturgia: Manuel Forcano ), 2005 [AVSA 9843 A+B ]


UM BLOGUE PORRETA

Mondo Paura, de Marcelo Carrard.
Cinema e vídeo. Arte, cultura e coisas outras.
Filmes bizarros. Análises inteligentes.

||||||||||||||||||||||||||

Tens legendas pagãs nas carnes claras,
E eu tenho a alma dos faunos na pupila.
(Raul de LEONI, Nascemos um para o outro depois dessa argila...)
[ in Pedras de toque da poesia brasileira, de José Lino Grunewald, p.162 ]

12 comentários:

Claudio Costa disse...

Um post que parece uma constelação: tantos assuntos, dicas... Li e reli D. Quixote. Trata-se, realmente, de uma obra universal. Cada narrativa é um tratado antropológico-filosófico-trágico ... Vou correndo pra Zingu.

isabella benicio disse...

Concordo com Claudio Costa: tudo de bom este post de hoje. E um fecho de ouro como esse de Raul de Leoni.
Muita coisa boa pra conferir.
Beijo, Moacy.

ro druhens disse...

Muito feliz com sua visita, muito grata pelo comentário. Abraço gde.

sandra camurça disse...

Moacy, grata pela publica�o do poema. Mas � concordo que ela tamb�m gostava mas eu escrevi "gritava"...rs...

lindalinda a foto do filme "o Bandido da Luz Vermelha".

Adorei tamb�m a cita�o de Raul de Leoni.

Beijos.

Fernanda Passos disse...

A Sandra tem um blog fantástico e é uma poeta de mão cheia. Aliás,ela é polivalente nas artes. Esse que você postou eu já conhecia. Gosto do estilo sensual, erótico que ela tem. Identifico-me demais. E a citação do Leoni é belíssima.
Um beijo.

Francisco Sobreira disse...

Moacy,
Pelo seu comentário no "Luzes", está aparecendo para o visitante a minha postagem de hoje, o que não acontece quando eu acesso. Continua aparecendo a postagem sobre Bergman e Antonioni. Logo que fiz a postagem, cliquei no campo ref a ela e, na visualização, apareceu a anterior. Fiz de novo e aconteceu a mesma coisa, daí porque a postagem saiu repetida, mas já excluí a primeira. Comuniquei o fato ao rapaz que fez o meu blogue, ele ficou de dar uma olhada. Esses mistérios da blogosfera, meu Deus... Um grande abraço. EM TEMPO- Ontem revi "Gritos e Sussurros" e há pouco "Jules e Jim". Continuam sendo duas belas obras.

Milton Ribeiro disse...

Uma perguntinha para ti nos comentários do meu blog...

Dom Quixote é o maior dos livros.

Bom findi.

João Quintino disse...

O espaço não deveria ser este, mas não consegui outro contato. Perdão pela ignorância, mas o Poema-processo pode ser incluído na Tropicália? Pergunto porque as datas coincidem. Grato.

sergio andrade disse...

Valeu pela divulgação de mais uma Zingu, Moacy. Grande abraço!

Moacy Cirne disse...

Não, meu caro JOÃO, apesar da coincidência das datas, Poema/Processo e Tropicália sempre foram propostas estéticas diferentes. Um abraço. Em tempo: Há material de/sobre o nosso movimento em poemaprocesso67.blogspot.com /Abraços/.

Pedrita disse...

não me conformo até hoje que não vi o bandido da luz vermelha, imperdoável. beijos, pedrita

Gabriel Carneiro disse...

Meu caro Moacy, obrigado pela divulgação da revista.