domingo, 9 de setembro de 2007


Grandes momentos do cinema:
Pickpocket (Robert Bresson, 1959)
"O cinema antinarrativo [apesar de sua semioticidade narracional], desdramatizado, enxuto, seco de Bresson: o anti-espetáculo por excelência. Despojado de qualquer recurso formalista, suas afinidades estéticas podem se voltar, entre poucos outros, para os cinemas de Dreyer e Straub [& Huillet], o primeiro em sendo espiritualista, o segundo em sendo materialista: a interiorização do estar-no-mundo. Mesmo que seja através de um batedor de carteiras, como aqui". (Moacy Cirne. Luzes, sombras e magias. Natal : Sebo Vermelho, 2005, p.105)


BALAIO PORRETA 1981
nº 2117
Rio, 9 de setembro de 2007



POEMA de
JOSÉ ANTONIO
[ in Verbo e Devaneio, de Giovanna ]

Vende-se sol.
Negócio de ocasião.
Aceito troca por noites sem lua.


DA FALTA DE INSPIRAÇÃO
Poema de
LINALDO GUEDES
[ in Zumbi Escutando Blues ]

às vezes
a dificuldade do poema
está
no olhar que não surge

na blusa
que a musa
teima em usar


POEMA de
MÁRIO COIVARA
[ in Faca de Fogo ]

não sei das possibilidades do beijo. só alcancei a infância.


ZINGU! ZINGU!

Mais um número nas bancas virtuais da blogosfera:
Costinha / Antonioni / O Amigo da Onça.
Mais um número polêmico.
Para ser visto, sim.
Com atenção.


UM BLOGUE PORRETA

Pickpocket, de Lucian Chaussard.
Críticas breves e inteligentes.
Um olhar penetrante voltado para o cinema.

||||||||||||||||||

Nossos agradecimentos àqueles que, ontem e sempre, nos prestigiaram nestes 21 anos de Balaio: o Balaio Incomun cujo início se deu no interior da UFF, em Niterói, no já distante 8 de setembro de 1986, em sua fase xerográfica, e que, a partir de 29 de outubro de 2003, como blogue, transformou-se em Balaio Vermelho / Balaio Porreta.

12 comentários:

Natália Nunes disse...

Eu gosto das seleções dos textos que você faz.
Parece uma bricolagem.
:D

Bosco Sobreira disse...

Parabéns por hoje e por sempre. Sempre.
um forte abraço, meu caro Moacy.

Lucian Chaussard disse...

Muito obrigado, Moacy!

Dilberto disse...

Caro Moacy: só há pouco terminei a composição do 'post' dos Morcegos, infelizmente, depois da tua ponte (afinal, o povo virtual só lê o atual...), mas em tempo de dares uma nova conferida no bojo completo!

Mais uma vez parabéns pela estrada real/virtual do Balaio! Bela lembrança cinematográfica e ótimas citações poéticas (sempre que puderes, dá uma olhada naquele 'blog' em conjunto, Miscelânea, onde leste aquele 'blues')! Abração, cabra!

Ronald disse...

Pickpocket é mesmo um grande filme, Moacy! O meu favorito do Bresson, apesar de ter um grande carinho por Um Condenado a Morte Escapou...

Abraços!

mario cezar disse...

sim moacy. teu balaio
é como
um caçuá . aqui cabe o encontro do orvalho, o cheiro da terra repartida,
o estaLo do beijo. aqui
cabe o vagir
do poema, outrora esquecido
aqui, teu nome consagra
o rumor dos
pássaros e toda estrela
clandestina é parte da festa. inté, viu ( e gradecido)

Anônimo disse...

obrigado , amigo. uma satisfação receber seu comentário. Belos poemas curtos! um grande abraço
Benno

sergio andrade disse...

Pickpocket é um dos filmes da minha vida!
Valeu por mais um destaque dado a "polêmica" Zingu! :)
E parabéns pelos 21 anos de Balaio, um endereço imprescindível da blogosfera!
Abração.

Francisco Sobreira disse...

Moacy,
Vi Pickpocket numa sessão do saudoso Cineclube Tirol, quando você já morava no Rio. Não me lembro quase nada dele, mas sei que, na época, gostei, sem muita empolgação. Bresson e´, de fato, um cineasta incomum, seu cinema não é fácil de ser "digerido". E aproveito o ensejo para parabenizar você por mais um aniversário do Balaio. Um abraço.

adelaide amorim disse...

Se é aniversário do Balaio, todos nós estamos de parabéns!
Beijo grande e boa semana.

Fernanda Passos disse...

Todas as poesias são excelentes. Poemas pílulas, adoro. pena n ter poder de síntese assim.
bjssssssssssssssssssss

Maria Helena disse...

Moacy
Achei muito poético "Vende-se sol
Negócio de ocasião! Aceito troca
por noites de Lua"
Maria Helena