domingo, 14 de outubro de 2007


Lanterns,
de Dmitry Chebotarev
[ in Meu Porto ]


BALAIO PORRETA 1986
nº 2136
Rio, 14 de outubro de 2007


DOIS POEMAS
de Adelaide do Julinho (MG)
[ in Controversos ]

Aurora

de quatro
papaimamãe
chupeta
oh! que saudades que tenho
da minha infância querida

Esperando Godot

Pela última vez, filhinha: quem é o pai?
Não sei, mãe, tava escuro


GLOSSÁRIO SERIDOENSE: MAIS ALGUNS EXEMPLOS (2)
de Max Antonio Azevedo de Medeiros (RN)
[ in Palavreado cá de nós. Caicó, 2007 ]

Apiolado : Doido; Desmiolado.
Apocado : Acanhado; Envergonhado.
Apragatado : Achatado; Esmagado.
Aprochegado : Chegado; Aproximado; Amigo íntimo.
Arataca : [Armadilha para capturar pequenos animais]
Arengar : Brigar; Discutir.
Arenzê : Barulho; Zoada; Alarido.
Arisia : Conversa fiada; Mentira; Papo furado.
Aritica : Coisa nenhuma.
Arretado : Legal; Bacana; Bonito; Elegante.
Arromba-peito : [Cigarro de palha, feito com fumo forte]
Arroz-de-festa : [Indivíduo assíduo freqüentador de festas]
Arrudião : [No futebol, o drible da vaca]
Atochar : Fazer entrar de qualquer maneira; Apertar.
Atubibar : Perseguir; Aporrinhar; Importunar.
Azucrinar : Atananazar; Aborrecer; Aperrear.
Baixa-da-Égua : Lugar indeterminado.
Baixio : Terras de boa qualidade no sertão.
Bate-saco : O ato sexual; Cópula; Coito.
Beradeiro : Matuto; Simplório; Otário; Caipira.
Bife-do-oião : Ovo estrelado.
Bode : Confusão; Complicação [Indivíduo namorador]
Bololô ; Desordem; Briga; Confusão; Arruaça.
Brechar : Espiar; Olhar escondido; Olhar pelas brechas.
Bucho-furado : [Indivíduo que não guarda segredos]
Buchuda : Grávida.
Bunda-cagada : [Indivíduo insignificante, sem importância]
Buceta : Bacurinha; Bandeirinha; banguela; Barbuda; Beloncha; Buçanha; Cara-preta; Florzinha; Gaveta; Giribel; Gloriosa; Passarinha; Perseguida; Porta-jóia; Prexeca; Priquita; Priquito; Tabaca; Tabaco; Talhada; Tareco; Xana; Xaranha; Xereca; Xiba; Xibiu; Xota; Xoxota.

Três expressões porretas:

Bambolê de otário : Aliança de casamento.
Beleza de Creuza : Tudo bem; Tudo legal; Numa boa.
Besta de cagar rodando : Indivíduo inconveniente; Bobo; Babaca.


A BIBLIOTECA DOS MEUS SONHOS

Interpretação do Brasil, de Gilberto Freyre. Int. & trad. Olívio Montenegro. Rio de Janeiro : José Olympio, 1947, 324p. [] Reunião das conferências pronunciadas na Universidade de Indiana, Estados Unidos, em 1944. Trata-se de um livro curioso, com a marca antropológica de GF. Algumas opiniões chamam a atenção. Por exemplo: José Lins do Rego é considerado uma espécie de Faulkner brasileiro (p. 293). Já Getúlio Vargas ora seria o Dr. Jekyll, ora seria Mr. Hide; ora seria jesuíta, ora seria índio (p.170). Enfim, embora pareça superficial em algumas passagens menos brilhantes, deve ser contextualizado levando em consideração o público-alvo: o norte-americano dos anos 40. Um público que, supostamente, já conhecia o cinema de Orson Welles, John Ford e Howard Hawks e, claro, a literatura de William Faulkner.

3 comentários:

Fernanda Passos disse...

Então....descobri a Adelaide a pouco tempo, ela é fantástica. Irreverente e certeira em sua ludicidade poética.
Quanto às expressões, acho o máximo. Identifico-me com algumas pois fazem parte de nosso vocabulário tb.
Muito bom te ter de volta no Balaio e no meu canto. Senti muita falta de seus comentários. Eles são importantes pra mim.
Beijo.

Jens disse...

Moacy: hoje vi uma reportagem arretada sobre a dessalinização dos rios de São José do Seridó, no Globo Rural. Bonita a terrinha.
Já a Adelaide do Julinho é porreta.
Um abraço e uma boa semana.

gilbert disse...

Oi Moacy! Estou de volta! Vou conferir o blog da Adelaide. Ótima dica!