terça-feira, 16 de outubro de 2007


Marilyn Monroe
em foto de Bert Stern para a revista Vogue (1962),
incluída no álbum Marilyn, de Norman Mailer


BALAIO PORRETA 1986
nº 2138
Rio, 16 de outubro de 2007



(IN)COERÊNCIAS
de Sheyla Azevedo (RN)
[ in Bicho Esquisito ]

eu te amo
porque não te amo mais
e porquê não te amo mais
te amo tanto assim


COMO REALMENTE ACONTECERAM AS COISAS
de Marinella Grosa (Itália, 1996)
Tradução: Mário Ivo D. Cavalcanti
[ in Cidade dos Reis ]

A serpente
da inocência
encontrou o pecado
e o comeu.


A BIBLIOTECA DOS MEUS SONHOS

Marilyn, de Norman Mailer. Trad. Fernando de Castro Ferro. São Paulo : Círculo do Livro, 1974, 124p. /Com fotos de Bert Stern & outros/ [] Provavelmente, o mais belo ensaio poético, em forma de biografia, já escrito sobre uma atriz de cinema, deslumbrante em filmes como O pecado mora ao lado e Quanto mais quente melhor, ambos dos anos 50 e ambos dirigidos por Billy Wilder. Jornalismo-poesia-verdade sobre aquela que "Era o nosso anjo, o carinhoso anjo do sexo - e o açúcar do sexo vinha dela como a ressonância do mais puro acorde de um violino" (p.1). Na página seguinte, com perfeição: "Marilyn Monroe era o último dos mitos a florescer na longa noite do sonho americano".

6 comentários:

Manoel Carlos disse...

Sem recursos de Photoshop, vê-se por que Marilyn era encantadora.

Mme. S. disse...

Além da sua ilustre visita lá no meu canto, ainda posso vir aqui, bebericar um cafezinho, ter dois dedos de prosa e me sentir importante... muito obrigada, caro senhor. para mim é sempre uma honra!
Sheyla

sandra camurça disse...

Eita, postagem arretada!
...Mas como eu tava dizendo, Marilyn
dormia usando apenas Chanel nº5, enquanto eu uso colônia de alfazema. Preciso me proteger...Eparrê Iansã! Saravá Ogum!
Beijos.

ACANTHA disse...

Adoraria ter a coragem de Sandra e dizer que também uso só duas gotas de perfume para dormir, mas mentiria..
Uso quatro...
E, concordo plenamente com Manoel Carlos MOACY querido: Marilyn era perfeita, unia o sagrado e o profano de uma forma lúdica - sem photoshop...

Jens disse...

O iconoclasta das letras e a diva do sexo: dupla explosiva. Bela e oportuna lembraça, Moacy.
Um abraço.

Natália Nunes disse...

Vish, de novo, apreciei demais!

Agora fiquei em dúvida se a culpa é minha ou sua por eu ter gostado especialmente desses posts rs. Talvez ambas as coisas.


É, foi-se os anos das mulheres deslumbrantes por natureza, sem a malhação exagerada e photoshop para compensações...