sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008


Foto de
Nuno Milheiro
in Olhares


BALAIO PORRETA 1986
nº 2226
Rio, 8 de fevereiro de 2008


CLASSIFICADO AMOROSO
Moacy Cirne
[ in Balaio, n° 328, 31/10/1991,
versão: 13/03/2006 ]

Troca-se um crepúsculo azul, devaneio caicoense dos anos 50, por um sonho barroco, ligeiramente escandaloso, de qualquer época, de qualquer lugar, de qualquer tudo. Tratar com Moacy Cirne, poeta e cangaceiro da anticultura, no Balaio Incomun, em São Saruê dos Delírios Nordestinos.


DE MURILO MENDES
[ in O discípulo de Emaús, 1945 ]

[] Prefiro a nuvem ao ônibus.
[] A poesia é a teoria dos homens e a prática dos deuses.
[] É muito difícil saber pecar em profundidade.
[] Só se aprende o que se precisa saber.
[] O sonho é o pensamento em férias.


A BIBLIOTECA DOS MEUS SONHOS

Grandes clássicos DC: Alan Moore. São Paulo : Panini Comics, 2006, 304p. [] Coletânea de histórias-em-quadrinhos escritas por Alan Moore, publicadas originalmente entre 1985 e 1988, desenhadas, entre outros, por Jim Aparo, Brian Bolland, Klaus Janson e Dave Gibbons. Só a presença de A piada mortal, editada em julho de 1988, com arte de Brian Bolland, verdadeira obra-prima das HQs, já seria suficiente para fazer desse gibi uma preciosidade: o confronte entre Batman e Coringa, aqui, adquire tons expressivos de uma comédia de terror, unindo, no final, os dois personagens numa inesperada e mesma densidade ontológica. Afinal, não há muita diferença entre Batman e Coringa: a loucura dos dois (melhor desenvolvida em outra obra-prima - O Asilo Arkham) surpreende, inclusive, pela eficácia narrativa da história. Registre-se, também, que há outros bons momentos gráficos no volume dedicado a Moore: momentos com Super-Homem, Lanterna Verde, Vigilante, Monstro do Pântano. Além do mais, trata-se de um volume muito bem editado.

[][][]#[][][]

Clique aqui
para ver, através do Kino Kaos (in Via Política),
Sangue, de Moacy Cirne e Luiz Rosemberg Filho:
um vídeo antibelicistapornôpolíticodelirante
(não recomendável para menores).

2 comentários:

Felipe Nobrega disse...

Murilo Mendes, cadsa vez que venho aqui descubro coisas para procurar na net depois. Muito bacana a poesia dele. "... o sonho é o pensamento em férias." Ah...

Senhor F disse...

esse volume do alan moore ficou uma uva mesmo. "piada mortal" é mesmo a história definitiva do batman, mas minha preferida da coletânea é "para o homem que tem tudo", pela impressão pessoal que me deixou. Eu li esta história ainda adolescente e fiquei chocado pois até então imaginava kripton como uma utopia perdida, uma civilização sem as nossas imperfeições e interrompida em sua evolução vertiginosa. No retrato que moore fez do "kripton que nunca explodiu", dei-me conta de que mesmo uma utopia degenerava cedo ou tarde em rancor e intolerância. Depois foi só esperar o muro cair e, como o superman da história, tentar voltar à realidade.