segunda-feira, 10 de março de 2008


Cidades potiguares:
Parelhas,
na região seridoense,
em foto de
Hugo Macedo


BALAIO PORRETA 1986
n° 2256
Rio, 10 de março de 2008



FALHA
Jeanne Araújo (RN)

Faltou um detalhe. Eu sei.
E é da cor ocre do espanto.
É que faltou-me encanto
Talvez coragem, talvez...
Bem sei que faltou um detalhe.
Mas não me incrimine.
Nem espalhe.


O OLVIDO E O OUVIDO
Carito (RN)
[ in Os Poetas Elétricos ]

não dê olvido
à cabeça.
ao contrário, lembre-se
não se esqueça
e tire de letra:
uma letra muda,
faz uma diferença
gritante!
disso eu não duvido
sou todo ouvido.


A BIBLIOTECA DOS MEUS SONHOS

Teorias da arte moderna [1968], de Herschel B. Chipp (org.). São Paulo : Martins Fontes, 1988, 676p. [] Documentos, manifestos, cartas, depoimentos, artigos: uma boa coletânea de textos que marcaram os principais movimentos artísticos dos séculos XIX e XX, a partir do pós-impressionismo, até os anos 60: simbolismo, fauvismo, expressionismo, cubismo, futurismo. E mais: neoplasticismo, construtivismo, dada (provavelmente, o mais radical de todos), surrealismo. E outros, que discutem a relação arte/política. Textos de Paul Gauguin, Hen ri Rousseau, Wassily Wandinsky, Paul Klee, Kasimir Malevich, Piet Mondrian, Tristan Tzara, Max Ernst, Leon Trotsky (sobre literatura e revolução). Mas os brasileiros estão ausentes. Neste caso, contamos com o livro de Gilberto Mendonça Teles: Vanguarda européia e modernismo brasileiro (Petrópolis : Vozes, 1971). Uma curiosidade em relação à obra de Chipp: o prefácio da edição original foi escrito em Paris em maio de 1968. Quando os estudantes, os professores e muitos cineastas, poetas e artistas estavam nas ruas da capital francesa: A imaginação no poder!

9 comentários:

Romário Gomes disse...

Ótima foto. Ótimos poemas (o de Jeanne, então...). Bem selecionados, como sempre.

Francisco Sobreira disse...

Bons poemas, Moacy, especialmente, o de Carito. Um abraço.

Mme. S. disse...

como sempre, um aglutinador de boas letras e idéias. Ler o Carito aqui e lá é sempre um presente. Vir aqui, nem se fala!
beijos, Sheylinha

Anônimo disse...

caríssimo moacy, teu caderno é arranhão, infiltra-se. é como um pedaço de terra, que ampara

Anônimo disse...

Eu adoro a maneira como Carito brinca com as palavras!
E lindo, lindo o poema de Jeanne.

Moacy, a poesia tá de mal de mim... Não consigo escrever, mas também não forço. Também ando muito cheia de tarefas, então, tive que dar um tempinho no blog. Mas ele vai continuar lá, um dia eu posto, hehehe.

Grande abraço!

Ada Lima

Jacinta disse...

Faltou um detalhe. Eu sei. N�o sei escrever poesia, apenas rabisco umas palavrinhas cotidianas...Mas, admir�-la, sei bem.
Nem espalhe. Sou todo ouvido, para chegar aqui e escutar suas escolhas por poemas t�o bonitos.
Um beijo
Jacinta

sandra camurça disse...

Ah, Moacy! É isso aí:
"A imaginação no poder!".
Ótimos poemas.
Um beijo.

Anedanca disse...

Oi!
Seguidamente estou por aqui, gosto MUITO das fotos! E sobre os poemas..eu?..gosto de poemas? será?
:D
Obrigada a visita no palavras!!
Grande beijo!!
Ane

Marco disse...

Gostei do poema. Gosto de jogos de palavras. Carpe Diem