quarta-feira, 24 de setembro de 2008


Clique na imagem
para ver o
ótimo curta/animação
Surogat
(Dusan Vukotic [Iugoslávia], 1961),
a partir de uma dica do
Homo Luddens

Atenção:
no blogue do
Poema/Processo
uma pequena obra-prima de McLaren:
Begone dull care


BALAIO PORRETA 1986
n° 2434
Rio, 24 de setembro de 2008


Tem duas coisas que eu não gosto:
mulher gelada e cerveja quente.
(Pára-choque de caminhão)


"FILOSOFIA" DE CAMINHÃO

As mulheres perdidas são as mais procuradas.

Deus é a resposta. Mas qual é a pergunta?

Gosto das rosas, mas prefiro as trepadeiras.

Na calada da noite, a população se multiplica.

Não sou sapo, masa gosto de perereca.

Nas curvas do teu corpo capotei meu coração.

Os últimos serão desclassificados.

Quando tenho razão, a culpa é minha.

Antes eu sonhava. Agora nem durmo mais!

Quem muito escolhe pouco come.

[ in Dualibi das citações, 2000 ]


TEXTO
Marcelo F. Carvalho
[ in Resumo da Chuva ]

Queria alcançar o instante que nunca aconteceu, aquele que ensaiamos e que ventos mais fortes carregaram pro quando. Queria, neste momento, dizer o que nunca foi dito, a palavra descoberta, úmida, ainda por gritar, carregada de regionalismo. Queria a música tocada há dez anos, quando eu não era um covarde acomodado, quando ainda acreditava no amor, no peito aberto, no olhar carregado de clichês e sonhos.
Queria a sensibilidade do meu próximo de ontem, quando ele ainda não pensava em dinheiro, dinheiro e sexo, dinheiro e dinheiro.
Queria parar esse tempo tanto.
Queria tirar essa tristeza sem como.
Queria estancar esse querer tanta coisa.

[][][][][]

"Vocês sabem que eu fico pouco à vontade na televisão. É porque, ao contrário dos profissionais de TV, eu sou meio tímida, não sei fingir. Sei apresentar meu trabalho, minhas propostas e sei que vocês têm consciência do mais importante: uma prefeita precisa mais do que saber falar. Ela precisa saber fazer."
(FÁTIMA 13, em Natal )

7 comentários:

Francisco Sobreira disse...

Moacy,
Existe muita sabedoria, além do elemento humorístico, nas frases inscritas nos caminhões. O problema da candidata do PT, na tevê, me parece mais ligado à sua voz. Um abraço.

Mme. S. disse...

Post bom do início ao fim. Beijos, S.

Anônimo disse...

Surogat é muito bom!
Valeu,Douglas Thomaz.

Marco disse...

Olá, caro mestre Moacy, ainda por terras potiguares? Como foi o lançamento do livro?
Nesta semana começa o Festival de Cinema do Rio. Tem coisas interessantes...
Gosto muito de frases de pára-choque de caminhão. Certa vez comprei um livro com várias.
Carpe diem. Aproveite o dia e a vida.

Marcelo F. Carvalho disse...

Ô, Moacy, honrado pelo carinho! Obrigado pelo incentivo!
Abraço forte!

Carito disse...

Oi Moacy! Lembrei da música dOs Novos Baianos CAIA NA ESTRADA E PERIGAS VER:

"Caia na estrada e perigas ver
Estamos nos últimos dias de outrora
Caminho em linhas tortas divertidamente
Caia na estrada e perigas ver
A mulher que andou na linha o trem matou
E seu Oscar largou a mulher e foi morar defronte

O pai achou 1/2
A mãe rezou 1/3
E eu vou levar é lá pra 1/4
Adão não se vestiu, porque Adão não tinha sogro
Meus pára-choques para você
Deus dá o frio e o freio conforme a lona
Meus pára-choque pra você
Caia na estrada e perigas ver
Ser como o poeta do tabaris que é mais alegre
que feliz
E o mundo é oval e a vida é uma ..."

SAM disse...

Adoro os dizeres de caminhões. Me divirto na net vendo em sites de humor...Até de carroças! É dito popular que representa bem nosso povão brasileiro.

O texto é maravilhoso. De forma simples, valoriza a nostalgia dos bons tempos. E não tão remoto assim! Mas que hoje nos parece. E para a juventude, desconhecida...Pena!

"carregado de clichês e sonhos.
Queria a sensibilidade do meu próximo de ontem, quando ele ainda não pensava em dinheiro, dinheiro e sexo, dinheiro e dinheiro.
Queria parar esse tempo tanto."


Beijo