quinta-feira, 13 de novembro de 2008


Foto de
Jan Scholz


BALAIO PORRETA 1986
n° 2478
Rio, 13 de novembro de 2008


O sexo é uma das nove razões para a reencarnação.
As outras oito não têm importância.
(Henry MILLER, in O melhor do mau humor,
ed. Ruy Castro, 1989)


ADOLESCÊNCIA AMOROSA
Nei Leandro de Castro
[ in Autobiografia. Natal, 2008 ]

1.
Mulher. Doce mistério.
Fauna. Enigma. Flora.
Não a decifro,
ela me devora.

2.
Úmida faísca, o beijo
acende os raios
dos meus desejos.

3.
Prendam, detenham o pudor.
Ele vive para inibir
minhas doces loucuras do amor.

4.
Amar sem limites, de joelhos,
à beira do abismo,
como um ateu num surto
de misticismo.

5.
O desamado
sem vocação de suicida
sonha com a redenção
de uma bala perdida.

6.
Assim. Abra-me os braços.
Depois recolha o meu desejo
todo em pedaços.

7.
A mulher de blusa branca
banha-se na chuva da tarde.
Em volta dela, gazela,
meu mundo arde.

8.
Por que a mulher seduz?
Porque é dança, contradança,
luz e contraluz.

9.
Menina, não faça assim.
Não sorria inocente
enquanto cruza as pernas.
Ah, essas ciladas, doces cutiladas,
são eternas.

10.
Uma adolescência embriagada,
sem siso. Toda ela pelos ares
pela explosão de um sorriso.

5 comentários:

benechaves disse...

Moacy: linda e sensual foto em concordância direta com a 'adolescência' do Nei. E na postagem anterior, gostei bastante do poema do amigo Charlier.

Um abraço...

Jens disse...

Oi Moacy.
"Prendam, detenham o pudor.
Ele vive para inibir
minhas doces loucuras do amor."
Delícia de foto e beleza de poema.
Aí embaixo o Moysés Sesyom matou a pau (boa de escrita esta turma do sertão).
Um abraço.

Mme. S. disse...

Bela junção de imagem e poesia. e o nei é demais...

Cosmunicando disse...

delícia os poemas do Nei =)

Carito disse...

Bela foto... e esse poema de Ney... adorei!