quarta-feira, 12 de novembro de 2008


Lagoa de Piató, em Açu - RN
Foto de
Aureliano Nóbrega


BALAIO PORRETA 1986
n° 2477
Rio, 12 de novembro de 2008


Quero apenas uma tarde ausente
Um campanário
Um cais
E um galo arrotando auroras.
(Charlier Fernandes. Poema letífero, anos 60)


GLOSA de
Moysés Sesyom
(Caicó, 1883 - Açu, 1932)

Mote:
Bebo, fumo, jogo e danço,
Sou perdido por mulher!

Glosa:
Vida longa não alcanço
Na orgia ou no prazer.
Mas, enquanto não morrer
Bebo, fumo, jogo e danço!
Brinco, farreio, não canso,
Me censure quem quiser...
Enquanto eu vida tiver,
Cumprindo essa sina venho,
E, além dos vícios que tenho,
Sou perdido por mulher!

POEMA
Afonso Henriques Neto
[ in Tudo nenhum, 1985 ]

nada a desenhar
sob o diamante do olhar
poeta no abismo
medular

nem há no fundo
do coração do mundo
sonho ou vento demiurgo
que tudo venha explicar

carne ou metáfora - não importa -
sendo nada tudo alcança:
o poeta é a viagem
mesmo contra a esperança


CATEDRAIS EM RUÍNAS
Maykson de Sousa
[ in Café Mosaïque ]

Eles cantavam enquanto os deuses dormiam.


POEMA DE MAX MARTINS

O amor ardendo em mel

Morder
! morder o
hímem adocicado
- frêmito de lâmina
entre duas coxas
do polo ao pólem.
E o apolo laminar morder
Morder os bicos dos figos
antes que murchos
antes dos dentes
sempre morder
e jamais sugar
da lua a sua ferrugem.
Morder somente a sua semente
antes de agora
antes da aurora
morder
e arder em mel
o amor.

[ in
Anti-retrato
/Belém, 1960/,
republicado em Não para consolar /1992/ ]


7 comentários:

Delia disse...

Que lindo começar meu dia vendo esse espetáculo de lagoa de Piató, e do poema do Charlier Fernandes, bom dia pra mim, então. =) Já tem beleza, então vale a pena.
Boa quarta-feira, Moacy.

Francisco Sobreira disse...

Moacy,
Bom o poema do nosso Charlier. E mais uma bela foto que você nos oferece. Aliás, muito bom isso de você divulgar, aos olhos de outras regiões do país, as belezas do RN. Abraço.

homoluddens disse...

Putz, gostei também da Lagoa de Piató! Adorei! Quero conhecer, nunca tinha visto nada igual! Max Martins é sensacional!

Maykson disse...

Que bacana esse poema "Glosa". Atualmente sou bolsista de um projeto que pesquisa os poemas publicados em periódicos das déc. de X e XX do séc. passado em Cuiabá. Tenho encontrado construções semelhantes, com motes sugeridos pelas editores dos jornais... será que é esse o caso do Moysés?

Belíssimo poema do Charlier Fernandes. Be-lís-si-mo!

Márcia disse...

Esse "o poeta é a viagem/ mesmo contra a esperança" é um achado. Belo demais.

Beijo daqui.

Carito disse...

"sendo nada tudo alcança"... tudo muito demais!!! ah! moacy, já está tudo ok por lá no blog poelétrico, com bateria recarregada...

sandra camurça disse...

Moacy, quarta-feira não tive tempo de vir a lan house. Ontem passei rapidinho só pra postar - não podia deixar o aniversário de meu pai passar em branco. Só hoje tive tempo pra te visitar.
Olha, Essa postagem me deixou ofegante. A de cima, fumegante, rsrs... E a de hoje tá linda também com aquele cartão postal antigo e ótimos poemas!
Ah sim, tem mais um delírio amoroso no refúgio, nada demais, coisa simples, assim como eu.
Beijos.