sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

O Senhor das Alturas,
em visão gráfico-místico-espiritual,
segundo editores medievais
d'O Livro dos Livros


BALAIO PORRETA 1986
n° 2582
Natal, 27 de fevereiro de 2009

A Bíblia judaica não é a Bíblia dos modernos estudiosos científicos (entre eles, naturalmente, há judeus), mas é a Bíblia como lida, interpretada e adornada na longa tradição judaica. É um trabalho de edificação religiosa que instrui, inspira e eleva aquele que a estuda.
(Samuel SANDMEI. Introdução judaica à Bíblia Sagrada, 1964)


O LIVRO DOS LIVROS
(10)

Texto estabelecido por
Antonninus Pinto Casto e
Annamarianna das Virgens

A luta do Senhor das Alturas
contra Jacó Apenas Jacó(ª)

E luscofusqueante se fazia o anoitecer e frondosa era a oiticica, com seus galhos beijando a brisa da escuridão, ao lado de uma plantação de ervas delirantes(ªª). À distância de 69 metros, um pouco menos, um pouco mais, um pouco mais ou menos, encontravam-se o irmão Esaú de Assis(ªªª) e os teólogos Guimarães Rosa e Glauber Rocha. Os três, tudo observavam. Mesmo que nada vissem, e só ouvissem.

E a hora crepuscular se fez noite, e a noite se fez açoite para melhor percepção do Senhor das Alturas. E a hora anoitecida se fez neblinamento, e o neblinamento se fez alumbramento para melhor compreensão do Homem sobre a Terra. De um lado, o Senhor das Alturas, furioso; do outro, o Homem, temeroso. De um lado, o Senhor das Alturas transfigurou-se em deus e o diabo para melhor combatê-lo; do outro, Jacó Apenas Jacó transfigurou-se em homem e mulher para melhor compreendê-lo.

De um lado, na brusca noite sem qualquer sinal de luz, o Tudo e o Pós-Tudo da linguagem - pura fantasia; do outro, o Nada e o Nonada do grande sertão - pura travessia. O vento deixou de ventar, a estrela deixou de estrelalar, o lobo deixou de uivar. O Senhor das Alturas esbravejava, esperneava, levantava poeira e soltava seus bichos e seus grilos. E o Homem, olhar atento, só olhava sem nada ver, mas ouvia tudo ouvindo. O mundo parou. O silêncio congelou. As nuvens deixaram de ser nuvens. O azul deixou de ser azul.

E no meio de raios que não iluminavam, de trovões que não trovejavam, de pássaros que não cantavam e de onças que, de tão assustadas, não assustavam, o Senhor das Alturas berrou: "Mais fortes são os poderes dos anjos - e da mitologia". E o Homem respondeu-lhe, com voz suave, mas firme: "Mais fortes são os poderes do povo - e da poesia". E o Senhor das Alturas disse: "Nada me deterá". E o Homem sobre a Terra disse: "A minha inteligência o deterá". E o enfrentamento prosseguia.

E prosseguia o enfrentamento. Árvores tremiam de medo. Pássaros paravam no ar. Tudo por tudo, o diabo no meio do redemunho, nas veredas do grande sertão. E uma voz se fez ouvir, vinda das profundas sertanias: "Viver é muito perigoso". E o Homem no meio do nada, olhar perdido no breu mais breu que se possa imaginar. E o Senhor das Alturas, entre ervas e delírios, no meio da Palavra. O embate prosseguia. E prosseguia. E prosseguia. Deus e o diabo na terra em transe. O santo guerreiro contra o dragão da mitologia. E no meio do caminho tinha uma rocha, tinha uma rocha no meio do caminho de Jacó Apenas Jacó.

E a aurora menstruada(ªªªª) anunciou o dia. E o dia foi anunciado pela auro
ra abismada(ªªªªª). Aqui a luta acaba. Aqui, a luta acabada. Aqui, a luta acabou. Como no livro do século XX da Era Comum. Como na lenda de todas as Eras. Como no princípio. Como no fim. E o azul voltou a ser azul. E as nuvens voltaram a ser nuvens.

E o Senhor das Alturas reconheceu que Jacó Apenas Jacó era homem-macho. E o Senhor das Alturas reconheceu que Jacó Apenas Jacó era um grande homem. E o Senhor das Alturas reconheceu que Jacó Apenas Jacó estava pronto para honrar a humanidade que Ele criara. E o Senhor das Alturas deu-se por satisfeito.

Próximo capítulo:
Sete anos de pastor Jacó Apenas Jacó
servia Labão de São João

Notas dos Editores:

(ª) Os modernos estudos sobre O Livro dos Livros consideram que este é um dos capítulos mais surpreendentes do Primeiro Testamento, quer pelo estilo - mais poético, mais neblinoso -, quer pelo conteúdo - mais humanizado, mais aberto. Há muitas conjecturas sobre o seu real signficado. Muitos sustentam que todo o capítulo não passaria de um delírio do Senhor das Alturas, opinião essa sustentada, em épocas diversas, por São Francisco de Assis, São Galileu Galilei, São Nelson Rodrigues, São José Bezerra Gomes e Santa Isadora Duncan. Acrescente-se que só no Segundo Testamento haverá um capítulo com igual in/formação poética: De quando o Senhor da Cruz viu pela primeira vez Shayla Angélica dos Reys.

(ªª) As ervas delirantes aqui anunciadas podem perfeitamente ser as "ervas malditas" dos tempos presentes. Contudo, não há evidências documentais ou medicinais que o provem.

(ªªª) A presença de um irmão de Jacó Apenas Jacó n'O Livro dos Livros, reforçada pela Bíblia dos heréticos, não é aceitável para muitos. Os dois, inclusive, seriam inimigos. Por que só agora seu nome veio à tona? É possível que haja, aqui, um erro de tradução. Em tapuia-seridoense, língua-base de uma boa parte d'O Livro, a palavra "frrathyerpah" tem múltiplos significados: irmão, amigo, companheiro, viajante, louco, santo, abestalhado, aloprado. Mas seja na Bíblia apócrifa, com maior detalhamento, seja n'O Livro, a presença de Esaú de Assis, sobretudo no segundo, continua sendo um mistério para os teólogos.

(ªªªª) A imagem de "aurora menstruada" seria usada séculos depois por um cronista mineiro-carioca, Paulo Mendes Campos assim nomeado.

(ªªªªª) A imagem de "aurora abismada", que já apareceu n'O Livro, seria usada séculos depois por um poeta popular paraibano, Manuel Camilo dos Santos assim nomeado.

7 comentários:

adelaide amorim disse...

Essa bíblia pelo método confuso (ou não confuso, mas apenas de fios mais embaraçados que nos gatos de luz na favela) é extraordinariamente esclarecedora.
Beijo.

Mme. S. disse...

Querido, querido, esse meu verificador de palavras é quase um oráculo! Olhe só, falei com o Carito ontem acerca do nosso encontro. Ele terá ensaio hoje porque fará um show no dia 13 (vamos né?) lá no largo do TAM. Entáo, achou inviável que nos encontrássemos hoje. Vou te ligar para saber quanto tempo vc ainda fica conosco, para que possamos ajustar as agendas. Um cheiro enorme de saudedes, S.

françois disse...

sublime...

nina rizzi disse...

caramba, que mais-puro deja vù...

Maria Maria disse...

Moacy,
Maria José Mamede (irmã de Zila) fez um blog. Gostaria que você o visitasse. O endereço é:
www.mariacabocla.blogspot.com
Beijos

Cosmunicando disse...

ah, esse episódio do Livro dos Livros tá porreta demais... valeria só pra ler isso:
"Mais fortes são os poderes do povo - e da poesia"...
e também: "aurora menstruada" =)

oxe menino moa!
beijos

Marcelo Novaes disse...

Moacy,


Inquestionavelmente texto sacro, ainda que não achado em copta. A divisão do Tudo e Pós-Tudo de um lado, e o Nada e Nonada do outro explicitam o que, no Genesis, estava interdito ou subentendido.Sem hífen. Faltava isso [e era isso que faltava]. A distância aproximada de 69 metros parece oferecer a segurança necessária a tão majestosos e magestáticos teólogos [muito antes dos magos estáticos/estatísticos, carismáticos, sofísticos ou camelôs yuppies de lendas e sortilégios]. Isso sim é que é Escritura (bem tingida e tinta pela menstruação da Aurora). O resto é prosa (a)fiada. Impressionou-me [sobremodo & sobremaneira]a veemência com que a quietude e a satisfação sobrevieram a esse Senhor das Alturas, que pouco se dá a essas pausas. Só depois de muito se extenuar. Considero, então, que esse Dia de Luta com Jacó deva ter sido sobremodo longo [como vestido de noiva em branco tecido...].




Isso sim é Escritura. O resto é prosa ou poesia pura.




Abração,






Marcelo.