domingo, 22 de março de 2009

Foto:
Pascal Renoux


BALAIO PORRETA 1986
n° 2605
Natal, 22 de março de 2009

Sou macho.
Eu também já broxei.
Sou macho.
Eu também já levei porrada.
Sou macho.
Eu também já dancei tango em Caruaru.
(Chico Doido de Caicó)


ESTAÇÕES
Cacaso
[ in Beijo na boca, 1975 ]

Do corpo do meu amor
exala um cheiro bem forte.

Será a primavera nascendo?


BAIÃO DE DOIS
Liria Porto
[ in Putas Resolutas ]

o desejo acabou
e assim - sem fome
a comida fica
insuportável.


CONSELHO
Vivi Fernandes
[ in Chalé da Vivi ]

Não espere muito de mim
porque sou muito pouco
Pouco para o que você sente
Pouco para o que você merece

Não espere nem se apresse
porque, além de ser muito pouco,
sou menos do que imagina
Anjo barroco sem ouro
sujeito a qualquer sina,
baião de Edu Lobo sem rapina,
instrumento que não se afina

Não espere muito de mim
porque sou muito pouco
Não espere muito nem pouco, amor.

(Poema musicado por Leandro Braga)


UM POEMA, O ORIGINAL E UMA TRADUÇÃO

ÉPIGRAMME
La Fontaine

Aimons, foutons, ce sont plaisirs
Qu'il ne faut pas que l'on sépare;
La jouissance et les désirs
Sont ce que l'âme a de plus rare.
D'un vit, d'un con, et de deux coeurs,
Naît un accord plein de douceurs,
Que les dévots blâment sans cause.
Amarillis, pensez-y bien:
Aimer sas foutre est peu de chose
Foutre sans aimer ce n'est rien.

EPIGRAMA
Trad.
José Paulo Paes

Amar, foder: uma união
De prazeres que não separo.
A volúpia e os desejos são
O que a alma possui de mais raro.
Caralho, cona e corações
Juntam-se em doces efusões
Que os crentes censuram, os loucos.
Reflete nisto, oh minha amada.
Amar sem foder é bem pouco,
Foder sem amar não é nada.

[ in Poesia erótica em tradução.
São Paulo : Companhia das Letras, 1990, p. 98-99 ]

10 comentários:

romério rômulo disse...

moacy:
o leandro braga eu conheço.foi o pianista do cd da patrícia caldas
e tem um trabalho da maior qualidade.
romério

Cosmunicando disse...

da foto aos poemas, tudo hoje pra lá de bom!!
adorei o Epigrama =)
beijos

Ines Motta disse...

Adorei os poemas!
Grande beijo!

Mirse disse...

Alée! Moacy! adorei o poema e fiquei preferindo ó últomo verso!
Baião de dois está perfeiro, acho que é algum prato típico,não é?

Como sempre brilhante e de um bom gosto esmerado!

Parabéns, amigo!

Beijos

Mirse

Tania Celidonio disse...

Moacy, obrigadíssima pela visita e grata por me incluir na sua lista. Gostei muito do seu blog e gosto da sua terra, Rio Grande do Norte. Ano passado fiquei quase 3 meses trabalhando por aí. Tenho uma filha que mora em João Pessoa e é sempre bom mudar de ares e sair do sudeste maravilha.
Um abraço pra você!

Francisco Sobreira disse...

Caro Moacy,
Mais uma foto muito bela, em que o erotismo e a delicadeza se unem para formar uma obra de arte. Ainda está em Natal? Um abraço.

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

ESPETACULAR. VOCÊ FOGO!
FICO FELIZ PELA CITAÇÃO DE CARUARU, A ÚNICA CIDADE DO MUNDO QUE NÃO TEM BROCHAS, NEM EFEMINADOS, NEM CORNO.
ABRAÇOS,

WELLINGTON GUIMARÃES

líria porto disse...

todo dia uma surpresa - uai, hoje até eu... risos

besos e obrigada!

sandra camurça disse...

Chico Doido já dançou tango em Caruaru? hahahaha...
Ótimos poemas!
Um beijo.

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

FALTOU FALAR DA FOTO. QUER FOTO!