sexta-feira, 17 de julho de 2009


Intervenção balaiográfica
sobre foto do
RetroAtelier


BALAIO PORRETA 1986
n° 2725
Rio, 17 de julho de 2009

trago a lembrança de teus pés transportando a rotina do mel
(Mario Cezar, in Coivara, em 14/08/2004)


POEMA
Mariana Botelho
[ in Suave Coisa ]

sua voz
faz cadente
a estrela
de meu corpo


CRENÇA PAGÃ
Anin
[ in Prosopoema ]

se meu amor
é devoção
sexo
é minha oração

com falo, dedo, língua
em qualquer canto do corpo
digo amém
à imaginação


Foto:
Pascal Renoux


IMPACIÊNCIA
Líria Porto
[ in Tanto Mar ]

os nervos retesados do violino
reagem às tentativas do aprendiz
e desafinam

ATENÇÃO:
Será hoje, às 19h, na Livraria Quixote, em Beagá - Emegê, o lançamento do livro
Borboleta desfolhada, de Líria Porto.


POEMA
Cláudio Schuster
[ in Beba Poesia ]

dentro
de mim
dormem
teus dentes
sobre um sol
mordido

( do livro Risco )


CAICÓ
Moacy Cirne
[ in Cinema Pax, 1983 ]

a cidade, de sol a sol,
principia pelo fim
no poço que, sant'ana, a protege

a cidade, de açude em açude,
afoga os minerais
nas pescarias noturnas transparências

a cidade, de sábado a sábado,
completa o sertão
com seus horizontes mágicos cordéis

a cidade, de rua em rua,
transborda de amor
nos becos bêbados botequins

a cidade, de ponte a ponte,
margeia os rios
da memória fluvial seridó

a cidade, de pedra em pedra,
constrói o branco
de seu silêncio limpo fugidio

a cidade, de festa a festa,
recolhe os frutos
da noite que, sant'ana, se faz julho

18 comentários:

Mirse disse...

Belíssimas imagens de Pascal Renoux.

Todos os poemas belos , mas ficou retido em minha mente o seu, principalmente:

"a cidade, de festa a festa,
recolhe os frutos
da noite que, sant'ana, se faz julho"

Um encanto!

Líria, querida, que pena não poder comparecer e estar partindo no dia de seu lançamento. Deixo também aqui, meu abraço e votos de muito sucesso!

Beijos, Moacy!

Mirse

Lívio Oliveira disse...

Beleza! Beleza! Vou transportar, com sua licença, Moacy, seu poema para O TEOREMA DA FEIRA.
Abração!

Anônimo disse...

oi,moacy!
uma poesia-oração (caicó) que deixa mais encantados quem a vive.
abraços,
edjane

líria porto disse...

caicó!! eu devia saber fazer um hino à minha terra - não sei - ou sou ingrata??? araguari - perdoas-me??

homem de deus, estou à flor da pétala - igual u'a mocinha que vai ser desvirginada... ainda bem que amanhã é outro dia!!
besos

líria porto disse...

eu de novo - estou me sentindo nuinha, que nem a moça da foto...

Pedra do Sertão disse...

Olá, Moacy,

Os Sobreiras são um povo só. rsss. Mas quem é parente é a esposa dele que é da mesma cidade que minha mãe: Juazeiro do Norte/CE. Os caminhos e descaminhos me trouxeram a Parnamirim/Natal, onde desejo permanecer por muitos longos anos... Obrigada pela visita e pelo elogio. Já visitei outro blog seu há certo tempo: "O balaio vermelho".

Então, contato feito!
Abraço,

Araceli

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

MOACY, QUE É ISSO?!
QUE FOTO É ESSA RAPAZ?!
TEU POEMA É MUITO BOM, MUITO MESMO. MAS ENTRE A BELEZA DA FOTO E FERNANDO PESSOA, SOU A DA FOTO.

João Quintino disse...

Maravilhoso poema a exalar a estupenda Caicó. Muito bom. Vou postar na minha Sabugilândia, né? Abraço, Moacy!

Meg disse...

Querido Moacy,

Estive ausente... mas não distante.
As máquinas têm destas coisas.
Hoje passei só para te deixar um abraço e
um cheiro

Mariana Botelho disse...

Moa,

bom estar no balaio, como sempre. Teu poema a Caicó é lindíssimo.

beijos

pituleira disse...

Moacy, o poema a Caicó é otimo. As fotos fantasticas.

Ines Motta disse...

Um show de poesia no Balaio, hoje.
Claro que vou puxar a sardinha pra minha brasa, quero dizer, a braza pra minha sardinha e tecer elogios ao poema sobre caicó, de vossa autoria.
Lindo, Moacy!
Beijos

BAR DO BARDO disse...

vou destacar

1. líria - e bom lançamento!
2. moacy e sua caicó...
3. as fotos...

mas tudo aqui é bom
pastel de vento e garapa

Anin disse...

Seu poema é uma fotografia de perfeita plástica e beleza literária.
Continuo meio abestada com a capacidade de síntese da Líria Porto. Que coisa!
Bjs e obrigada por me colocar em tão excelentes companhias.

mario cezar disse...

caríssimo moacy, vi o poema. esta rude maneira. um candeeiro, quase sumido. estas palavras de hálito poeirento. vi o verso, este desígnio de piçarra. de canoa quebrada. um abraço e como sempre, teu caderno é rastro do bairro de caicó. é ribanceira, que nasce dentro do fogo, para além das cangas. para além das tramelas-travanco. abraços

Hercília Fernandes disse...

"a cidade, de pedra em pedra,
constrói o branco
de seu silêncio limpo fugidio"...

Grande poema, Moacy. As imagens desta estrofe em seu "silêncio limpo fugidio", me cativaram. Belíssimo texto-homenagem!

Todo o número está magnífico. O poema das meninas são poeticamente fantásticos e as fotos nem se fala, falam por si.

Parabéns à Líria pelo Borboleta desfolhada. Lançar um livro é uma emoção única, realmente se sente noiva.

Beijos em todos e todas,
H.F.

Sônia Brandão disse...

Moacy,
Como é bom passar por aqui!
Você canta lindamente a sua Caicó.
Bom também ler os belos poemas de Mariana e Líria.
Um abraço.

Ariadna Garibaldi disse...

Muito bom revirar esse balaio! Tá cheio de coisas boas!!

Bom estar aqui! Ótimo fim de semana,

Abços