segunda-feira, 13 de julho de 2009

O bom samaritano
(vitral, 1967)
MARC CHAGALL


BALAIO PORRETA 1986
n° 2721
Rio, 13 de julho de 2009

Mateus nos impõe de diversas maneiras os temas de excesso, da tansformação e da autoridade pela qual o excesso é exigido e a transformação obtida. Ele tem de mostrar também que tudo isso é feito em prol da realização; no fim do tempo, o que deve ser visto realizado é a Lei.
(Frank KERMODE, in Guia Literário da Bíblia, 1987)


O LIVRO DOS LIVROS
(ST, 5)

Os Apóstolos

E Maria Maria e Sheyla Madá, que se tornaram amigas, vendo que Jesus, o Senhor da Cruz, profundo estudioso do Primeiro Testamento e mágico brincalhão nas horas vagas(¹), era um ser especial com ideias renovadoras em relação ao mundo e ao Seridó, insistiram que ele as divulgasse com afinco. Que ele as divulgasse com destemor. E bravura.

E Jesus da Cruz, o Cristão, matutou e matutou sobre o caso(²). E concluiu que mudar o mundo(³) não era tarefa para uma só pessoa, por mais especial que ela fosse. E pensou em conversar com os amigos da Taberna de Ferreirinha, mas desistiu: afinal, eles viviam em função de mulheres, anedotas e bebidas. Não, não era o caso. O que fazer, então?

E Jesus pensou em João, Marcos, Lucas e Mateus, mas também desistiu: os quatro cavaleiros do Coral do Seridó eram mais cantores do que pregadores. E Jesus da Cruz pensou ainda em Carlos Marques da Alemanha, Guevara da Argentina, Lenine da Rússia, Abraão dos Estados Unidos, João Paulo da França. Mas todos moravam longe, muito longe.

E Maria Maria lembrou-lhe, perguntando: "E por que não os pescadores do Itans?" E Sheyla Madá acrescentou: "Sim, é verdade, são gente simples, mas você, meu doce amado, precisa de gente modesta para melhor espalhar suas ideias pelos sertões do Seridó, do Ceará e da Paraíba". E Jesus da Cruz concordou. E Jesus da Cruz contente ficou.

E no Itans o Senhor da Cruz reuniu 12 pescadores, que o ouviram com atenção. E os 12 se chamavam Judas das Arábias Endoidecidas, André Bala Choca, Bartolomeu Bartola, Felipe Bibica, Mateus Pituleira, Paulo Priquitim, Simão Radiodifusora do Dr. Abílio, Thiago EmeEme, Thomé Vista Alegre, Pedro Pirarucu, Matias Malaquias e João Evangelista.

E os pescadores ouviram as palavras de Jesus. E por elas se interessaram. E o Senhor da Cruz disse: "Em verdade, em verdade eu vos digo: aos homens de boa vontade tudo será perdoado, os pecados, as cachaçadas, as pequenas mentiraiadas e até mesmo as blasfêmias. Mas quem blasfemar contra o Altíssimo jamais será perdoado. Jamais!"

E disse mais: "Também não será perdoado quem blasfemar contra a Senhora de Sant'Ana, nossa padroeira, e o Seridó, nossa terra. Também não será perdoado aquele que não tratar com o devido carinho a sua companheira, com a devida lealdade o seu amigo e com o devido respeito a gente pobre. Somos todos irmãos - na fé, na dor e na esperança".

E Pedro Pirarucu pediu a palavra: "Tudo bem, meu Senhor, mas... e quando a nossa companheira estiver com o xibiu virado(ª¹)?" E Jesus respondeu: "Não será, antes, por tua culpa? Não será, antes, pela falta de atenção que estarás dando à mãe de teus filhos? Não será, antes, por que estarás sendo pouco amoroso para com a mulher de tua vida?"

E os 12 pescadores - que passaram a ser os Apóstolos da Boa Nova - ficaram impressionados com as suas palavras. E resolveram que o chamariam de Mestre.

Próximo capítulo:
Os milagres

Notas:

(¹) Segundo a tradição oral seridoense, Jesus Cristão da Cruz transformava folhas de ficus em moedas de prata, assim como transformava água em cachaça. Nos dois casos, o resultado da mágica empregada durava apenas alguns minutos, para frustração dos clientes da Taberna de Ferreirinha. Mas há uma pergunta que não pode deixar de ser respondida: como o Senhor da Cruz aprendera magia? Para a teóloga Inês Motta, caicoense, seus conhecimentos de magia foram adquiridos num dos livros proibidos da Biblioteca de Babel, cujas ruínas se encontram no sítio arquelógico situado ao sul de Jardim do Seridó.
(²) Matutar : Pensar, refletir.
(³) Há controvérias sobre esta passagem do Segundo Testamento: desde quando o Senhor da Cruz assumira que seria um renovador? Como o fizera? Qual o significado químico-biológico de tal pensamento. A pesquisadora Eliene Poeta, de São José, recorre ao cientista Leonardo Boff para melhor entender a complexidade de seu alcance epistemológico: "A libertação não foi tanto uma doutrina que [Jesus] anunciou; foi, antes de tudo, uma práxis que inaugurou" (in Teologia do cativeiro e da libertação).
(ª¹) Xibiu virado /ou/ De xibiu virado : Quando a mulher fica irritada, arengando(ª²) por qualquer besteira, "aparentemente" sem motivo algum.
(ª²) Arengar : Brigar.

10 comentários:

Marisete Zanon disse...

Muito divertida a tua estória meu caríssimo amigo, dou boas risadas pela manhã, isso me faz bem!
esmaques pra ti!
Marisete

BAR DO BARDO disse...

Amém!

Lívio Oliveira disse...

Amém, também!

pituleira disse...

Moacy,quero um pouco dessa sua criatividade.Demais cara.

Tahiane disse...

Uma magica eficiente...
hauhauhauha
muito bom moacy =)
bjos

Ines Motta disse...

Olá, Moacy!
Muito porreta ideia de Sheyla Madá em convocar os doze peascadores do Itans, assim como, muito louvável a atitude do Sr. da cruz quanto ao tratamento respeitoso às mulheres, inclusive as de xibiu virado!
E plageando meu amigo jens, pra cima com a viga, enquanto espero "os milagres".
Beijos. É uma honra contribuir com os meus humildes préstimos de Teóloga.

Adriana disse...

Textos criativos, é bom pra terminar um dia...amanhã espero mais...

Fatima disse...

Esse minino Jesus da Cruz sabe das coisas!
Meu marido é seu novo fã. Tá dificil fazer ele sair do computador.
Bjs.

Beti Timm disse...

Mestre, obrigada de coração!

Beijos

Hercília Fernandes disse...

Adorei, Moacy, esta página do Livro dos livros.

Estava com saudade dos causos do Senhor das Alturas...
Sempre muito bons!

Parabéns por sua fortuna criadora.
Beijo :)
H.F.