sábado, 1 de agosto de 2009

FILMES QUE MARCARAM ÉPOCA
NA CAICÓ DOS ANOS 50
Clique na imagem
para verouvir
Ava Gardner
em
O barco das ilusões
(George Sidney, 1951)


BALAIO PORRETA 1986
n° 2738
Natal, 1 de agosto de 2009

Exibido em Caicó por volta de 1955, O barco das ilusões conquistou inúmeros admiradores: seja pela beleza de Ava Gardner, seja pela história (entre o musical e o conflito sócio-racial), seja pelas canções, seja pelo colorido. Ou seja ainda pela mitologia americana que envolve o Rio Mississippi.


IMORTAL
Cláudio Schuster
[ in Beba Poesia ]

se você viesse
num dia de sol
e frio
com este jeito
de bolo
com café
ai que preguiça
de morrer


EROSKAI 5
Isaias Edson Sidney
[ in Lua Quebrada ]

Ó vaginíssima:
beber
teu sumo, depois
morrer!

O HEDONISTA
Maria Paula Alvim
[ in Literal-mente ]

Praticou o kama sutra.
Plantou uma árvore de sonhos.
Teve um filho pródigo.


PERGUNTA PRA CLARICE
Vivi Fernandes
[ in Chalé da Vivi ]

Está certo. A vida é uma aprendizagem.

Mas será que ela não exagera

um pouco

na quantidade de lições?



MÁXIMAS E MÍNIMAS DE MAX NUNES
[ in Uma pulga na balança, org. Ruy Castro ]

Binóculo é aquele instrumento que tem dois olhos numa ponta
e a janela da vizinha na outra.

O difícil de confundir alhos com bugalhos
é que ninguém sabe o que são bugalhos.

Nossos filhos não são problemas.
Problemas são os filhos que dizem que são nossos.

Os homens mentiriam muito menos -
se as mulheres fizessem menos perguntas.

Há certos políticos que são como curinga
em jogo de buraco: servem para tudo.

Houve um tempo em que os animais falavam.
Alguns ainda continuam.


PAGAR O QUÊ?
Hugo MACEDO
[ in Beco Estreito. Natal, 2006 ]

Mané Bonitim [de Parelhas, RN] estava "doido" pra tomar uma de cana na festa de Acari [cidade vizinha, em pleno Seridó]. Mas, como não tinha um tostão no bolso, não contou conversa: com sua astúcia, chegou no bar central da cidade, e pediu ao balconista:

- Bota aí um café, cabra!

O inocente homem atendeu de prontidão, mas, antes mesmo do primeiro gole, Bonitim falou:

- Amigo, você poderia trocar o café por uma chamada de cana? Parece que a festa tá boa, né?

- É, posso. Disse o acariense.

Aproveitando a distração do atendente, Mané Bonitim engoliu a cachaça de uma só vez e foi saindo de fininho sem pagar, quando o dono do bar o abordou já na calçada:

- Ei! Pague a cachaça, rapaz!

- Que cachaça? Eu não troquei pelo café?


OS FILMES PORNÔS MAIS TESUDOS DO CINEMA
Seleção: Prof. Sérgio Villela [IACS/UFF, Niterói]

1. Amor e humor (Joey Silvera, 1985)
2. Atrás da porta verde (J. Mitchell, 1972)
3. Uma aventura sexual (Henri Pachard, 1983)
4. As aventuras de Buttman (J.S., 1990)
5. Bacanal em Malibu (Alex DeRenzi, 1991)
6. Bem no fundo de Vanessa (Alex DeRensi, 1985)
7. Carrossel erótico (Anthony Spinelli, 1984)
8. Dançando na sombra (John Stagliano, 1990)
9. O diabo na carne de Miss Jones, I & II (Gregory Dark, 1972)
10. O diabo na carne de Miss Jones, III (Gregory Dark, 1986)
11. O diabo na carne de Miss Jones, IV (Gregory Dark, 1987)
12. Entre as bochechas (Gregory Dark, 1985)
13. Eróticos clássicos do passado (1914)
14. Os exercícios de Buttman (J.S., 1990)
15. Garganta profunda (Gerard Damiano, 1972)
16. O êxtase das garotas (Robert McCallum, 1980)

[in Balaio n° 514, 14/7/1993]


10 FOLHETOS DE CORDEL
com títulos curiosos:


[] A menina que morreu em Caicó e depois de 20 horas enviveceu - falou contra o comunismo e o protestantismo,
de José Gomes da Silva
[] A mulher que o diabo surrou ou A espera da vingança,
de Hermes Gomes de Oliveira
[] A discussão da gripe asiática com o atum,
de Cuíca de Sto. Amaro
[] História em versos de um jegue que matou um homem, a porca comeu a criança e a mulher morreu de choque, no Município de Santana de Ipanema, Estado de Alagoas,
de José Honório Oliveira
[] História da menina, ou seja, o Padre Cícero Romão,
de Genário Vieira Barreto
[] A moça que mordeu o travesseiro pensando que fosse Vicente Celestino, de Cuíca de Sto. Amaro
[] O barbeiro que fez a barba do jegue, de Aristeu Guerra Moreira
[] Como Antonio Silvino fez o diabo chocar,
de Leandro Gomes de Barros
[] História do burro que matou seu próprio dono de faca e o homem que matou a vaca e a vaca matou o homem com a mesma faca,
de Moisés Matias de Moura
[] História do casamento do Tigre ou O cavalo do Mestre Coelho,
de Luís da Costa Pinheiro

9 comentários:

BAR DO BARDO disse...

Finalmente uma seleção de filmes que exige apenas um pouquinho de "boa vontade" para "apreciar". Troca-se a massa cinzenta pela masa muscular, né?!

Quanto aos poemas, gosto muito da new generation mimeógrafo, acho que até participo dela de vez em quando. Epigramas e hai-kais bastante ágeis. Fiquei impressionado com o da Maria Paula Alvim, porque ela descontruiu o lugar-comum e se alocou numa absurdidade sem tamanho, que intriga e, por incrível que pareça, convence. Gostei. Encontrou um caminho curto, mas cheio de curvas, encruzilhadas e surpresas a cada passo.

Já o Max, nem precisa de comentários (Barão de Itararé hoje).

A do Bonitim, é sem parelha.

Resumo: tudo bom, até a Ava(ssaladora) do Moa.

Bom dia, "porque hoje é sábado"!

Francisco Sobreira disse...

Caro Moacy,
Vi esse filme há muitos anos pela tevê. Gostei, mas o atrativo maior dele è a presença de Ava, uma das 10 mulheres mais bonitas do cinema. Por sinal, a maioria dos seus filmes era isto: não fosse a presença dela, o filme perderia o interesse, se não total,pelo menos parcial. Adquiri há pouco Pandora, onde ela, como esse aí, estava no auge da beleza. Mas Pandora foi um filme de bom pra ótimo. Um abraço.

Mirse disse...

Lindo ver Ava cantando. Fiquei apaixonada pelo figurino.

IMORTAL - beleza de poema!

Idem para Maria Paula Alvin e Vivi Fernandes.

Para o Max, acho que nunca existiu "mínimas", nem na rotina doméstica.

Destaco o saber o que é "bugalhos!

Hugo Macedo, deu de goleada! Muito Bom!

Infelizmente nunca vi filmes pornôs. Não posso opinar.

No mais, tudo Bótimo!

Excelente sábado!

Beijos

Mirse

Mirse disse...

Oi Moacy

Venho convidá-lo a prestigiar o blog TEOREMA DA FEIRA que publicou um poema meu. Lívio Merece, não eu!


Beijos

Mirse

Cosmunicando disse...

Moa, fiquei encantada com esses títulos de folhetos de cordel... totalmente inusitados e com aquele toque ingênuo típico.

Gostei de todos os poemas e destaco o Claudio Schuster, feliz por ve-lo figurando aqui no Balaio. Da Maria Paula já sou fã desde os tempos do grupo do ning, tenho acompanhado o que ela faz. E o Isais fiquei conhecendo agora, vou visitar seu site.

A sabedoria humorística do Max Nunes não tem paralelo... uma melhor que a outra.

Por fim, diante dessa lista que você publicou, e com o frio da gota serena que está fazendo aqui no sul, só me resta passar na locadora e pegar uns pornôs básicos pra vesperal de sábado... rsrsrsrs

beijos!

Jens disse...

Garganta profunda e O diabo na carne de Miss Jones, I: inesquecíveis!

Maria Paula Alvim disse...

Adorei a seleção de títulos de cordel. Idem para a seleção de letras. * too proud, thanks *

Mulher na Janela disse...

Moacy, eis uma seleção arretada de boa! Quanta coisa massa li por aqui hoje!

Os poemas estão uma delícia, com a pitada de sal certeira e um gosto de ventos que nos leva longe longe...

Qto aos pornôs, estou aceitando emprestado, e mui grata!

Cordel...cordel é sempre uma forma de reencontro. Fantásticos os titulos!

As máximas me levaram ao máximo da leveza...rir é mais que necessário, principalmente qdo o riso nos conduz a essa mordida essencial no cotidiano, como diz Baudelaire: "o homem morde com o riso"

Espero que a sua estadia no Séridó tenha sido maravilhosa, como vejo que foi pelas fotos!

Esse Seridó é apaixonante!

Um grande beijo...

Pedrita disse...

nossa, eu vi barco das ilusões a muitos anos. preciso rever. eu vi uma peça do piollin grupo de teatro da paraíba e comentei no meu blog. beijos, pedrita