domingo, 2 de agosto de 2009

OBRAS-PRIMAS DO CINEMA
Clique na imagem
para verouvir
o trêiler de
As férias do Sr. Hulot
(Jacques Tati, 1953)


BALAIO PORRETA 1986
n° 2739
Natal, 2 de agosto de 2009


"Quanto mais poético, mais verdadeiro" (Novalis): a epígrafe do místico alemão usada pelo cronista Berilo Wanderley para saudar Meu tio (Tati, 1958), quando de sua exibição em Natal, no início dos anos 60, também serve para explicitar, metaforicamente, a obra anterior do cineasta francês. Aqui, nesta comédia irretocável, a poesia se dá nos pequenos gestos, nas pequenas surpresas, nas pequenas ambições. Dá-se igualmente na exploração do som. Um filme para ser visto e revisto várias vezes: As férias do Sr. Hulot, para nós, é uma obra-prima que merece ser guardada e lembrada com todo o carinho do mundo.


POEMA DA MENINA DE MINHA RUA
Berilo Wanderley
[ in Telhado de sonho, 1956; 2ª ed. 2009 ]

Menina de minha rua,
eu namoro com você
e talvez você nem saiba.
(Mas nem precisa saber...)
Menina de minha rua,
pobrezinha que faz dó.
Tem um só vestido, um só,
mas tão cheio de poesia...
Menina da minha rua
tem uns olhinhos miúdos,
por onde a dor nunca entrou...
(Mas ela diz que é mentira:
- Ela entra, sim senhor!...)
Menina de minha rua
tem uns cabelos pretinhos,
onde a noite, certa noite,
se perdeu, se embaraçou...
Menina de minha rua...
Contam que ela, todo o dia,
sofre de melancolia
e canta umas coisas tristes
e chora p'ra se acabar...
Menina de minha rua,
eu namoro com você
e talvez você nem saiba.
(Mas nem precisa saber...!)

ESPIANDO
Bosco Sobreira
[ in A Pedra e a Fala ]

Todas as dores do mundo
cabem
no meu olho esquerdo
Com o direito
expio


CANTARES IV
Jeanne Araújo

Perco folhas expondo ternura.
Pinto cavernas em transe absoluto.
Me percorri extrema e cuidadosa
Pra vir do fundo, esquiva e retalhada.
Há mistério de nudez sagrada
Na estátua branca de ventre exposto.
Desvendei a secreta passagem
Do teu lado esquerdo.
Canto um hino sacro
Em volta do oratório herdado.
Queimo minha língua imerecida
No incenso do teu corpo.
Em amor, me refazendo.


ESPERANÇA PÓSTUMA
Marcelo Novaes
[ in Prosas Poéticas ]

Na cadeira de balanço, a velha segura um segredo e uma esfera de chumbo. Há em torno dela uma teia e uma atmosfera metálica, onde se assentam poeira e falsas memórias. Há névoa e vácuo entre a luz e a senhora. Na sala, na varanda, nos quartos, o odor do veneno e do bolor intactos. Se alguém se aproximar demais, é pego pelo que não aconteceu: pelo horror do que quase-foi, pela luz roubada, pela Arca-da-Aliança, pela mão funesta, pela sobra ou pelo breu. Enfim, pela teia imaginada. Então, o que resta a fazer, é esperar pela chegada de viajantes, de algum lugar suposto, que possam recitar, em jogral, com sílabas alinhadas, a antiga língua ancestral, de antes da Torre de Babel. E o que resta, ainda, é não se fixar à presença da velha quase vista... E nem se lembrar das canções havidas na falecida Atlântida, para não ver tingidas suas crenças e sua herança, pela cor do limo, pela borra do vinho, pela esperança póstuma...

SERIDOÍSMO
Caicó e a Praça da Matriz
(Moacy Cirne)
Uma homenagem à Festa de Santana,
que se encerra hoje

11 comentários:

BAR DO BARDO disse...

Berilo e Jeanne se colocam acima do mediano.

E há só bons textos que verbivocovisualizam a poesia.

A sua Seridó, Moa, só existe em você...

Parabéns!

Francisco Sobreira disse...

Caro Moacy,
Os dois filmes são obras-primas. Mas gosto um pouco mais de Meu Tio. A meu ver , neste a poesia está mais presente do que em As Férias do Sr Hulot, embora este seja um pouco mais engraçado. E em Meu Tio, Tati inicia a crítica à mecanização das coisas que ele ampliaria em Playtime. Mudando, mais um bonito poema do nosso inesquecível BW. Um abraço.

Bosco Sobreira disse...

Meu caro Moacy,
Obrigado, mais uma vez.
Bom estar aqui!
Forte abraço.

Beti Timm disse...

Mestre querido,
que linda a Praça da Matriz, aliás Caicó deve ser mágica, é o que sinto, vista por seus olhos. Adorei o verso do Bosco, pequeno mas que desvenda muito!

Obrigada pelo carinho, sei que não poderás ir,mas seu carinho já basta!

Beijos

Marcelo Novaes disse...

Moacy,




Esta Caicó está muito bonita...! Gosto dos poemas de Jeanne Araújo, e este não é exceção. O "namoro secreto" na versão de Berilo evoca alguma lembrança na maioria de nós. O "diálogo dos olhos" de Bosco faz de um só rosto, ao mesmo tempo, Inferno e Purgatório... Obrigado por me incluir nessa bela postagem!








Abraços,









Marcelo.

Eliene Dantas disse...

o Seridó fica todo em festa quando chega o mês de Santana pois é uma Festa que não pertence mais só a Caicó, o Seridó inteiro adotou Santana.Linda imagem do Arco.

Bj carinhoso e bom início de semana!

Jens disse...

Encantador o Poema da menina da minha rua.

Romário Gomes disse...

Merecida homenagem à Festa de Santana. Merecida homenagem a Caicó. Afinal, Caicó é Caicó é Caicó...

pituleira disse...

Moacy,o Balaio foi fundamental para o sucesso da festa dos 50 anos do Bar de Ferreirinha.Essa foto do Arco do Triunfo é linda.No próximo ano vamos fazer a Feirinha do Bar. O Blog vai continuar, queremos contar com sua valiosa colaboração. Vamos agora promover o Ala Ursa do Poço de Santana.

líria porto disse...

caicó tem arco do triunfo??? esse lugar é mais-que-perfeito, moa!

vou mudar pra caicó, me aguarda!!

pituleira disse...

Alô Liria, seja bem vinda.