quinta-feira, 17 de setembro de 2009

A beleza da mulher mukubal
Namibe, Angola
in
Namibiano Ferreira


BALAIO PORRETA 1986
n° 2786
Rio, 17 de setembro de 2009

É preciso buscar uma só coisa, para encontrar muitas.
(Cesare PAVESE. Ofício de viver, 1952)


METADE PÁSSARO
Murilo Mendes
[ in O visionário, 1933 ]

A mulher do fim do mundo
Dá de comer às roseiras,
Dá de beber às estátuas,
Dá de sonhar aos poetas.

A mulher do fim do mundo
Chama a luz com um assobio,
Faz a virgem virar pedra,
Cura a tempestade,
Desvia o curso dos sonhos,
Escreve cartas ao rio,
Me puxa do sonho eterno
Para os seus braços que cantam.



POEMA
Mariana Botelho
[ in Suave Coisa ]

de novo
dia

alma de hortelã
e névoa

o silêncio perdoa
meu corpo
magro
perdoa o homem
que se foi

é setembro

basta uma oração
e é manhã de novo


DO AMOR E OUTRAS QUIMERAS
Sheyla Azevedo
[ in Bicho Esquisito, em 18 de agosto de 2008 ]

Os poetas que eu amei me deixaram gosto de palavra na boca e um coração em formato de baú, onde eu guardo principalmente lembranças de versos inacabados.

Os poetas que eu amei me deixaram sandálias de pedra e rastros de outras Marias, Joanas e fulanas que eu nunca poderia ter sido.

Os poetas que eu amei deixaram frases tempestuosas, que causaram enxurradas, relâmpagos e trovões no meu céu de agosto, que tem gosto de sálvia e alecrim.

Os poetas que eu amei quando descobriram meus olhos tristes e minhas mãos mancas, deram risada do meu jardim pisoteado pelos meus gatos e pelas joaninhas que se escondem por entre as folhas.

Os poetas que eu amei deixaram gosto de relva nos meus cabelos e meia dúzia de canções na vitrola (que eu não ouço mais).


O AMOR
Safo
de Lesbos (séc. VII aC)
Trad. Péricles Eugênio da Silva Ramos
[ in Poesia grega e latina, 1964 ]

O amor agita meu espírito
como se fosse um vendaval
a desabar sobre os carvalhos.


DIREITOS UNIVERSAIS DAS MULHERES
Ilma Fontes
[ in O Capital, n° 77, Aracaju, jan/2000,
republicado in Balaio n° 1225, de 01/fev/2000 ]

Toda mulher tem o direito de pensar por si mesma
e não precisar concordar com tudo que já foi dito.
Toda mulher tem o direito
pleno e absoluto do seu corpo,
podendo inclusive envelhecer
com ou sem cirurgias plásticas.
Toda mulher tem direito a menstruar em paz,
sem precisar dar explicações a ninguém.
Toda mulher tem o direito
de ser alguém, com nome próprio,
ideias originais e dona do seu destino.
Toda mulher tem o direito de dizer bobagens
e cometer erros sucessivos, até acertar,
na poesia ou na vida.
Toda mulher tem o direito
de comer o pão que o diabo amassou
desde que seja por amor.
Toda mulher tem o direito de ser querida
pelo menos uma vez na vida.
Toda mulher tem o direito
de sonhar e realizar, querer e fazer,
casar e descasar, experimentar e ousar.
Toda mulher tem o direito de decidir se tem ou não tem
um filho, principalmente antes de fazê-lo.
Toda mulher tem direito aos seus cabelos brancos,
mesmo que os pinte.
Toda mulher tem direito a ter medo
de cobra, aranha, barata e rato.
Toda mulher tem direito ao silêncio e ao recato
de não precisar expor os seus segredos.
Toda mulher tem direito a dizer não.
Toda mulher tem direito a um caso de amor,
seja lá com que for.
Toda mulher tem direito a gostar
de seda e cetim, vodka e gim.
Toda mulher tem direito
a uns quilinhos a mais nos quadris.
Toda mulher tem direito a "fechar" o trânsito,
desde que seja funcionária do Detran.
Toda mulher tem direito a gastar mais do que pode
pelo menos uma vez por ano.
Toda mulher tem direito a férias de si mesma
para o seu próprio bem e dos outros também.
Toda mulher tem direito a dizer o que pensa,
o que sabe, o que viu, ouviu ou intuiu, sem mentir.
Toda mulher tem direito a uma cama limpa e macia,
em boa companhia, seja noite ou seja dia.
Toda mulher tem o direito de reclamar.
Toda mulher tem o direito de ser única.


11 comentários:

assis freitas disse...

No meu trajeto de buscas tenho encontrado grandes desertos e muitos silêncios, para contrariar o Pavese. Mas que belo Balaio, este. Não basta amar as mulheres é preciso aprender a amar o amor que elas têm. Abraços.

Mme. S. disse...

que bonito o que o assis escreveu! fiquei até sem jeito de comentar qualquer outra coisa. e concordo plenamente com ele. Moacy, até breve! beijos, beijos, S.

Euza disse...

Na trilha do querido Assis, complemento: é preciso amar o Amor!
Dei uma mergulhada na página e redescobri velhos amigos aqui, em poemas! Que maravilha. Assim como é bom reencontrar o Balaio!
Beijo, moço!

BAR DO BARDO disse...

que covardia, mestre moa...

colocar no seu balaio murilo mendes - um de meus diletos - e safo...

tu quer me matar...

sem contar os outros colaboradores duca...

Jens disse...

Oi Moacy.
De minha parte, todo poder às mulheres. Me submeto docemente.

Um abraço.

Dilberto L. Rosa disse...

Esse teu "crepusculescer" é mesmo de endoidecer! Tal qual essa bela negra da foto! Ou como as belezas da Ilma Fontes e da Sheyla Azevedo... Enfim, parabéns! Abração!

Mariana Botelho disse...

Caramba! Estou em ótima companhia!

Paulo Jorge Dumaresq disse...

Mestre, excelentes os poemas de Murilo Mendes e Mariana Botelho. De arrepiar. Balaio cada vez melhor. Felicidades.

Marcelo Novaes disse...

Moa,


O lírico surrealismo de Murilo Mendes dispensa comentários. Bons temperos, o alecrim e sálvia de Sheyla e o hortelã de Mariana. Esta última, além de tudo, ora quando escreve.








Abraços,








Marcelo.

betina moraes disse...

mestre,

"Os poetas que eu amei deixaram frases tempestuosas, que causaram enxurradas, relâmpagos e trovões no meu céu de agosto, que tem gosto de sálvia e alecrim."

destaco por perceber que poderiam ser sobre os poetas que (eu) amei!

e murilo mendes é um dos poetas que amei-amo-amarei.

um beijo!

Mirse Maria disse...

Que show dá o Murilo Mendes! Nossa!

Todos os demais são bons, pois sua colheita é sempre boa.

Quanto aos direitos da mulher, acrescentaria mais trinta! Mas está perfeito!

Beijos

Mirse