sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Memória 1990
ou
De como me tornei personagem de
quadrinho erótico
em
Nas graças de Beja,
por
Ofeliano d'Almeida
[ in Ele Ela, n° 257. Rio, novembro de 1990, p.110-113 ]

# Clique na imagem para ampliá-la #


BALAIO PORRETA 1986
n° 2787
Rio, 18 de setembro de 2009

nas minhas esquinas
deixo você
morro de prazer
(Lírica)


A UMA PROSTITUTA DESCONHECIDA
João Melo
[ in Angola: Os Poetas ]

dança, soberba e magnífica,
no centro da noite secreta e fulgurante da cidade,
ri, sacode o corpo,
exorciza os terríveis demónios
da solidão,
redescobre a alegria, liberta o prazer
das prescrições de todas as tábuas,
reinventando assim – o que importa
se o sabe ou não sabe? –
a própria criação.

Nota:
João Melo,
nascido em Luanda em 1955,
fez o curso de Jornalismo

na Universidade Federal Fluminense
na segunda metade dos anos 80,
tendo sido aluno nosso.


METÁFORA NOTURNA
William Mendonça
- aluno Jornalismo da UFF, em 1988 -
[ in Balaio n° 93, 20/06/88 ]

Olhei da janela
enquanto a cidade se apagava
e se rendia à noite.
Pássaro após pássaro
o dia caiu no chão do tempo
e foi pisoteado pela urgência
das paixões noturnas.
Na esquina o último grito do inverno
uma sirene indistinta
passos amontoados pelas poças.
A saudade me disse
- Te amo! -
e a Solidão me deu boa noite
na janela da frente.


FIO FÁTUO
Suzana Vargas
[ in Sempre-noiva, 1984 ]

Não me confino mais
às curvas da cozinha
Pois há muito
saí da casca dos tomates

E me cortei sozinha


DO AMANHECER
Lara de Lemos
[ in Adaga lavrada, 1981 ]

A aranha se tece
em teias
e anoitece.

Seu fiar
sem razaão
é um tecer-se

em negrumes
ardis
em que se perde.

O homem desfaz
teias, laços
peias.

O homem se tece
em noites
e amanhece.


LEITURA
Lilia Diniz
[ in Miolo de Pote ]

(poema para minha mãe Alice, que se alfabetizou aos 57 anos de idade)

As letras do meu roçado
agora teimam nascer
com gosto
textura
cor

Florescem as vogais
semeadas entre consoantes
plantadas na peleja diária
de um alfabeto que floreia bonito

Se debulha em colheitas
de manhãs desabrochadas
ao cantar do galo que me desperta
alimentando meu canto de liberdade

Abóbora, arroz, araçá, abacate, açaí...
Banana, batata, babaçu, berinjela, bacuri...
Caju, cacau, coco, cabaça, cajuí...

Nesse novo ABC
aprendo e reaprendo
que o gtrator do algoz
não suporta a ternura
arrebentando
em palavras caminhantes
ocupando o seuio da terra
resistindo com vocábulo do amor
e produzindo lavouras de esperança
na cartilha da vida


Microconto
de José Correia Torres Neto
[ in Potiguarando ]
DE COMO CLEONICE BATISTA CONSEGUIU VIVER UM GRANDE AMOR...

... Apenas juntando, nas poucas tardes de folga, em sua pequena bolsa de mão, os minúsculos amores que se encontravam nas beiras das calçadas altas.

14 comentários:

Adriana Karnal disse...

sou mesmo a primeira a comentar? então vou lá..Moacy:
1) vc personagem de quadrinhos???rs, que maravilha fazer-se de conta!
2) que seleção bacanérrima de poemas
3)Em special o poema para a mãe alfabetizada aos 57 anos..a terra deu cria...uma belezura!
Preciso dizer q esse balaio me en-canta?

BAR DO BARDO disse...

Aqui a gente se vicia fácil, fácil com os craques...

Vou destacar os "versinhos" da Lírica. A menina chegou há pouco e já arrasa...

Abraços a todos!

Lívio Oliveira disse...

Fantástico, Moacy!
Você numa HQ erótica é impagável!
Abs.
Lívio

Mirse Maria disse...

Bom dia Moacy!

Que beleza de quadrinhos! E você sendo o personagem... Ufa!
Poemas super bem selecionados.

Destaco João Melo e Lília Diniz, que me emocionaram por razões inerentes à vida.

Belo Balaio!

Beijos

Mirse

Francisco Sobreira disse...

Velho,
Eu desconhecia que você é personagem de uma história de quadrinhos. Parabéns e um grande abraço.

assis freitas disse...

Ser personagem e ainda com Dona Beja, ulaláá... Taí a aventura impagável. Os poemas falam por si, e bradam alto em belo tom. Mas destaco o microconto: essa realidade concentrada que explode em poucas linhas. Meu abraço.

Carito disse...

camarada moa: fantástica essa história de você numa história em quadrinhos, e ainda mais erótica!!! e com dona beja!!! que seja, o balaio, antolorgia, enquanto espia o mundo!!!

líria porto disse...

tu, belo barbado, e beja! o baile, por certo, no grande hotel de araxá!

emocionei-me com o poema à mãe alfabetizada tardiamente - ler é a maior alegria, desde que me entendo por gente tenho fixação pela palavra escrita!

todo o balaio, como sempre, porreta! ótima seleção!

Dilberto L. Rosa disse...

Muito bom "Leitura" e "Fio Fártuo", mas, melhor ainda, é virar personagem de quadrinho e ainda cair nas graças de Beja... Parabéns! Abração!

Jens disse...

Moacy, o super herói.
Bravo! Bravíssimo!

Bar de Ferreirinha 50 anos, desde 1959 disse...

Oi mestre, isso sim que é um vidão, trepando com uma gata dessa e um bom vinho,melhor só o Senado.Ei cara, muito obrigado pela lembrança.

Mariana Botelho disse...

Moa,

não é a toa que sou sua fã!

Pedrita disse...

me diverti com os quadrinhos. beijos, pedrita

luma carvalho disse...

olá, moacy...

é sempre uma delícia estar por aqui!

beijos na alma
com sabor de "passa lá no meu blog... voltei as postagens"

luciana
luma
lua