sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Serra da Bicuda, em Cruzeta, no Seridó potiguar
Foto de
Hugo Macedo



BALAIO PORRETA 1986
n° 2813
Natal, 16 de outubro de 2009

Todo escuro e sombrio, "Anticristo" não alisa, não acaricia, não pisca o olho para o espectador. E cada porrada - visual e no roteiro muito bem construído e pensado -, acreditem,não é, não são, nem um pouco gratuitas. (...) "Anticristo" é abissal - e basta. Um "Coração nas trevas" íntimo e perverso.
(Mario Ivo CAVALCANTI, in O antitudo. Embrulhando o Peixe)



POEMA DE PAUSA
Flávio Corrêa de Mello
[ in Rio Movediço ]

São quatro horas,
quatro dias
e quatro vezes
que me sento
para espantar
o devaneio
deste poema
e o cérebro,
essa metralhadora
contínua não rói
o osso por inteiro.

EM LUA ARADA
Iara Maria Carvalho
[ in Mulher na Janela ]

gosto de cheiros
trincados
dentro da boca

apavoram-me
engolir desejos
aquietar doiduras

pendula o barco
por todas as proas
até transborde a lua

grãos de mel
sementeiam
escrevendo estrelas
pelas ruas


NOVALIANA
Adrianna Coelho
[ in Metamorfraseando ]

para Marcelo Novaes


a cor do verso:
verso e cor
iluminam meus
olhos

escolhas brancas
[versos brancos]
respiram claridade
[toda cor em verso]

Verdadeamor
[coragem de
bem tingir o
verbo]



POEMA
de Carlos Pena Filho (PE)
[ in Livro geral, 1959 ]

Senhora de muito espanto,
vestindo coisas longínquas
e alguns farrapos de sono,

eu vim para te dizer
que inutilmente contemplo
na planície de teus olhos
o incêndio do meu orgulho.

Senhora de muito espanto,
sentada além do crepúsculo
e perfeitamente alheia
a realejos e manhãs.

Eu vim, para te mostrar
que se inaugurou um abismo
vertical e indefinido
que vai do meu lábio arguto
ao chumbo do teu vestido.

Senhora de muito espanto
e alguns farrapos de sono,
onde o céu é coisa gasta
que ao meu gesto se confunde.

Um dia perdi teu corpo
nas cores do mapa-mundi.


UM POUCO DO GLOSSÁRIO NORDESTINO
[ in Dicionário do Nordeste, de Fred Navarro ]

Biloura (RN, PB) : Síncope, ataque
Caxarenga (AL, SE) : Faca velha
Corno de biqueira (PB) : Corno manso
Fianga (CE) : Rede velha [e rasgada]
Funhenha (PI) : Tesão/arrepio
Homeopatia (PE) : Cachaça
Ispilicute (CE) : Dondoca, perua, ricaça
Jegue-manso (BA) : Amante discreto, come-quieto
Labrocheira (CE) : Mulher sem requinte ou desclassificada
Mal-de-amores (CE) : Doenças venéreas, em geral
Mangangão (BA) : Poderoso, ricaço, "autoridade"
Mangá (RN & outros Estados) : Zombar
Manicaca (RN) : Sujeito que só faz o que a mulher permite
Rabichola (PB) : Bunda, nádegas, rabo, traseiro
Torar (RN & outros Estados) : Decepar, cortar
Xiringada (RN, AL) : O mesmo que esguichada, jato d'água


LEMBRANÇAS DE GAVETA
Beth Almeida
[ in Ponto Gê ]

para sempre o cheiro
do seu perfume
o veludo do toque
e algumas palavras vãs

- que eu mal uso
nessas tardes frias


OFERENDA
Laura Amélia Damous
[ in A poesia maranhense no século XX, de Assis Brasil ]

Venho te oferecer meu coração
como o cansaço se oferece aos amantes
o suor aos corpos exaustos
depois de definitivo abraço
Venho te oferecer meu coração
como a lua se oferece à noite
e o vento à tempestade
Venho te oferecer meu coração
como o peixe se oferece à captura
no engano do anzol


Natal
MICARLA, A PREFEITA DOS FACTÓIDES

Allison Almeida
[ in Embolando Palavras ]

A administração da prefeita Micarla de Sousa (PV), desde o início, tem se notabilizado pelo desgoverno, pela falta de planejamento e pelos factóides.

Micarla prometeu fazer um “choque de gestão” na cidade, mas, na verdade, limitou-se a uma ”reforma administrativa” que mudou o nome de algumas secretarias e criou cargos inúteis para abrigar aspones incompetentes.

[ Clique aqui para ler o texto na íntegra ]

9 comentários:

assis freitas disse...

Um balaio recheado de ótimos poetas e poemas, destaco o belíssimo Poema de Carlos Pena Filho. Fim de semana começando.

Mme. S. disse...

A crítica do Embrulhando o Peixe ficou muito legal. Reflete (e traduz) o que eu senti sobre o filme. Um beijo querido, S.

BAR DO BARDO disse...

a mulher na janela, esssa, não fica esperan... cadê?!

adrianna absorve marcelo e escreve...

bem-bem.

Cosmunicando disse...

que foto espetacular, Moa!
e os poemas, são de dar uma funhenha na gente :))
depois desse balaio só tomando uma boa homeopatia lá no Ferreirinha.

beijo

Pedrita disse...

adorei o poema do flávio correa de mello. beijos, pedrita

Jens disse...

O POEMA de Carlos Pena Filho e a OFERENDA Laura Amélia Damous tornaram afetuoso este meio de tarde.
***
"Choque de gestão"? Hummm, sei como é que é. Será que dona Micarla está pagando direitos autorais para o tucanato?

Um abraço.

Iara na Janela disse...

Querido Moacy, gosto de trincar dentes e poemas aqui no seu Balaio de doiduras múltiplas. E fico honrada, muito muito.

Os poemas de Beth Almeida e Flávio Corrêa de Mello me colocaram pasmas diante de tanta beleza!

Beijos...

pituleira disse...

Moacy,essa tal de Micarla é um factóide.Foi inventada pelos politicos incopetentes do nosso estado.E, ao que parece já está enrolada com a justiça.Também com os aspones que tem.Um abraço.O Balaio como sempre, porreta...

Adrianna Coelho disse...


Estar aqui me pegou de surpresa, sabe... Estava viajando e quando volto me vejo (meu poema) no meio desses poetas porretas... O da Iara está demais da conta de lindo.

Obrigada, Moa.

beijos