terça-feira, 10 de novembro de 2009

Cidades do Mundo que eu gostaria de conhecer (7)
Luanda - Angola
[ Foto: Marko Serbia ]
Refundada pelos portugueses em 1576,

com o nome de São Paulo da Assunção de Loanda,

sua população atual atinge 4.500.000 habitantes



BALAIO PORRETA 1986
n° 2838
Natal, 10 de novembro de 2009

Nada é impossível se ousamos com ousadia.
(in Balaio, n° 347, 11 fevereiro 1992)


POEMA PARA A MINHA AMADA
Namibiano Ferreira
[ in Ondjira Sul ]

Como se fosse uma geografia
quântica
o teu corpo é o porto
tempo onde floresço
açucenas
loiras acetinadas brandas
no templo da raiz dos teus lábios
carne
desejo carmim a sorrir.


FUNDO DO MAR
António Cardoso
[ in Angola: os Poetas ]

deitei-me ao teu olhar
e logo fui ao fundo...
é no fundo do mar
que o embalo é mais profundo...

andam gaivotas no ar,
tontas de luz e espaço,
e eu no fundo do mar
não sinto nem cansaço...

... nem quero salvação:
deixai-me naufragar
nessa doce prisão
do mar do teu olhar...


E OS HOMENS DA TERRA...
Décio Bettencourt Mateus
[ in Mulembeira ]

E os homens da terra
Sentaram-se! Frutos silvestres
Emprestaram sabedoria e sombra
Poeiras campestres
Abençoaram papeladas
E acordos nos matos das picadas!

Um vento a soprar agreste
As terras do leste
Falou-me d’homens sentados
Em troncos e pedras
A falarem acordos e palavras
E obuses de canhões silenciados!

A taça do sangue das armas
Entornou-se! Batuques e lágrimas
Das gentes magricelas
A espreitar homens da terra
Sentados, a falarem paz em palavra
E sonhos e acordos d’estrelas!

A tumba dos homens apagados
Em camuflados e botas
Aplaudiram palmas
Kazumbis e almas
Dançaram alegria nas matas
E homens sentaram pedras d’acordos!

E as patentes da terra
Conversaram! Calaram-se ruídos
E fuzis d’homens fardados
A barulhar palavras e guerras
Conversam os homens nas pedras
E nos troncos dos acordos!

E os homens da terra conversaram!


SIMILARES DAS MARGENS
Romério Rômulo

éramos dois. cada um no seu cada.
rio de rio que lhe se desfaz. amplos
de mundo, tudo. alargado coração em corpo.


POEMA
Amanda Bigonha Salomão
[ in Fotografias, poesias e um tantinho de prosa ]

Já tentei croché
Já tentei tricô
Já fiz pão e teatro.
Entrei pra esquerda,
cutuquei o partido.
Fiz bolo e artesanato.
Tentei de tudo, tentei de nada.
Fui Zé Ninguém e dona-de-casa.
Já dormi sonhando reis
Já dormi sonhando putas,
amantes de Sol, amantes de Lua.
Mas não me encaixei em nada
E fui ser coringa no meio da rua.


AMANHECENDO
Ana de Santana
[ in Em nome da pele, 2008 ]

Não conto o tempo quando demoro
os dedos sobre teus cardeais
Tudo que preciso amanhece no teu corpo
Criado pela infância das almas
Tudo é minguado
Se não sou vizinha do teu rosto
Se não sou eu mesma a manhã
Que te desperta o afã
de morar em mim


DRÁCULA
Mauro Gama
[ in Zoozona, 2008 ]

Abre. Retira as trancas as réstias de
alho ou de luz os olhos a cruz e
abre abre-te toda a mim e ao mundo
da noite. Quero-te a polpa bem nua
trago-te os lírios da lua e os dentes os
meus carentes caninos : sou o vampiro - já
sabes - moro na gruta do luto vôo em
meu manto de encanto e chego cego de
amor. Ou dor? Estou morto há séculos e
séculos só do teu sangue ainda vivo
teu doce sangue de seda teu
sangue que hoje me seda no
negro vôo no crivo da minha
sede noturna. Tens de só ser para
mim na força que ora te enfurna
nas minhas ganas nas minhas
membranas na minha urna sem
nada teu que não seja entrega
sem nada em troca exigir : só
prazer meu do teu deus que só em
ouvir tem seu rumo que só em
ferir tem seu sumo. Mas isso não por
favor : não te assumas Ah! Não amor
desamor por que me atacas assim? Não
tens piedade ou preceito? Que fazes com
a claridade? E com essa estaca em meu peito?


POEMA
de Moacy Cirne

o cheiro suculento da pinha
infância que se memória
abre-se para o canto das pedras
sob as chuvas de fevereiro e caicó.
fruticorpo orgasmo,
a pinha
se oferece à boca lenta e atenta
com seu aroma raro
seu aroma claro
e um branco de auroras arrependidas,
assim: a pinha.

[ in Balaio Incomun, n° 1178,
7 agosto 1999 ]

POEMA
de Hildeberto Barbosa Filho

Odisséia

Só um poeta
é capaz de atravessar
desertos
em busca de um oásis
de palavras.

[ in Eros no Aquário. João Pessoa, 2002 ]

18 comentários:

Henrique Pimenta disse...

Namibiano e Moacy, que coisa!

Lívio Oliveira disse...

Moacy, tem umas pinhas suculentas para você, lá n'O TEOREMA DA FEIRA.

Abração.

Marcelo F. Carvalho disse...

"Infância que se memória"
Putz, professor, assim nasce o cosmos!

Assis Freitas disse...

Um Balaio intensamente poético, versos à mão cheia.

Pedrita disse...

gostei muito do poema do décio. beijos, pedrita

Paulo Jorge Dumaresq disse...

Seu poema belíssimo, mestre.

líria porto disse...

tu, os poetas de angola, a foto, o romério, os poemas todos (drácula, poema(s)...) - hoje o balaio está do balacobaco!!! obrigada!

moa - vi tua foto, és boniiiiiiiiiito! risos

besos

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Moacy, meu amigo, mais uma vez obrigado pela divulgacao da poesia angolana. Como estou tao bem acompanhado, hoje, neste maravilhoso Balaio... maravilhoso todos os dias! Bem hajas!!
Vou pegar emprestado um dos poemas desta edicao para publicar em Cores & Palavras,

Kandandu e amizade, meu kamba (amigo).

Romário Gomes disse...

Fiquei surpreso e enaltecido pela republicação do meu poema no última dia sete. Um abraço, Moacy amigo.

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Moacy, hoje é meu dia para deixar-lhe um presente em Cores & Palavras,
http://coresepalavras.blogspot.com/
Kandandu e obrigado

romério rômulo disse...

moacy:
preciso do seu endereço postal aí.
um abraço.
romerioromulo@hotmail.com

nina rizzi disse...

moacy,

disse lá no teorema da feira e repito aqui, seu poema é pra ser degustado vaga, rosa, (pelos)mente. dá vontade de morder deitada nas terras mulembeiras.

eu seria capaz de uam odisseia pra não bifurcar-rio.

um suspiro, um cheiro.

Marcelo Novaes disse...

Moa,


Pinha bem apanhada esta. Belo poema!






Abração,








Marcelo.

nina rizzi disse...

ô, devia falar, né... eu não só queria conhecer luanda, eu queria ser luanda. lu-anda. lu.lu.luz.anda.an.da.luanda'aixo d'equador...

Mme. S. disse...

poema da ana aqui... maravilha!!!!!

Mirse Maria disse...

Oi Moacy!

Angola sempre fascina!

Todos os poemas de uma beleza incrível.

Romério e Moacy.... arrasaram!


Beiojos

mirse

Decio Bettencourt Mateus disse...

Moacy amigo. Seu poema está agravelmente bem conseguido. Parabéns. Obrigado pelo Balaio. Obrigado por ser um espaço em que a poesia africana (angolana) tem lugar previlegiado.

Kandandu.

Meg disse...

Moacy,

Tanto de mim aqui!
Angola, a minha Luanda, a minha baía, o Nami, o Décio aqui nos comentários, o meu Poeta - o RR - você, poeta também, e mais as suas escolhas... estou de alma cheia de gratidão por você.
Queria te abraçar, desde aqui.

Posso pegar um poema seu para publicar?

Hoje tenho uma amiga com as garras de fora... que a coisa está feia por aqui.

Um cheiro procê