segunda-feira, 2 de novembro de 2009


Clique na imagem
para verouvir o trêiler de

Suplício de uma saudade

(Henry King, 1955)
Exibido nas principais cidades nordestinas já em 1956-57, o correto dramalhão Love is a many splendored thing fez o maior sucesso de público: tratava-se, ou melhor, trata-se de um verdadeiro representante do "cinema americano de lágrimas", com a morte do mocinho (William Holden) no fim. Em Natal, a partir de 1960, invariavelmente no Rio Grande, passou a ser reapresentado pelo menos uma vez por ano - e sempre no dia 2 de novembro. Explicação singela do sr. Oldemar, gerente da sala exibidora: "Hoje não é o Dia de Finados? De manhã, o pessoal vai chorar nos cemitérios; à tarde, ou à noite, aproveitando o embalo, vem chorar no cinema".


BALAIO PORRETA 1986
n° 2830
Natal, 2 de novembro de 2009

o pássaro afoito foi parar entre as patas (traseiras) da gata.
a gata ansiosa engoliu o pássaro afoito
: com pena e tudo.
(Mariza Lourenço, in Gatas, II)


POEMA
Nina Rizzi
[ in Ellenismos ]


podia cantar um parabéns ao contrário.
rejuvenescer o dia ido,
assoprar balões,
recolher e recolocar anéis.


não deixava a vela cair e acabar com a festa.

até olhava cordial menino lambuzar minha boca

com seu dedo de creme branco.


e como nada me deixasse feliz,

fosse qual o tempo verbal,


pego uma mochila de políticas pra mulheres,
uns sacos de vestidos, papéis, canetas
e vou dançar em caicó!


DOIS POEMAS de
Mercedes Lorenzo
[ in Cosmunicando ]

Memória

extrela
a luz
ainda viaja
inexorável.


Litterae

sacio
poemas
in éditos
em noites
impublicáveis.


TRÊS POEMAS de
Marco Justo

Me lambe amor.
Me lambe inteiro
em tua boca:
até não restar
nada mais
que um Homem.

***

É uma devassa
tua palavra quando queima
em minha língua.

***

Todos os
silêncios
são gatos.

[ in Opus. Rio, 1993 ]

ALMANAQUE

Raimundo Nonato, em Figuras e tradições do Nordeste (1958, p.18), em carta para o natalense Veríssimo de Melo, relaciona alguns remédios caseiros que merecem ser lembrados, seja por simples curiosidade, seja porque são frutos da mais pura sabedoria popular, como, por exemplo:


[]
Chá de lagartixa, para dor de garganta;
[]
Banha de urubu, para erisipela;
[]
Água de chocalho, para menino aprender a falar;
[]
Mistura de vinagre, cachaça e goma, para dor de barriga;
[]
Garapa de açúcar preto, para estancar o sangue;
[]
Pó de caroço de pião, para dor de cabeça;
[]
Café com pimenta malagueta, contra gripe;
[]
Chá de grilo, para menino ficar falador.

LANÇAMENTO NOTA MIL

Segundo as primeiras notícias do dia, o lançamento do livro sobre o Bar de Ferreirinha, ontem em Caicó, em plena Festa do Rosário, foi um sucesso total e absoluto.

16 comentários:

Bené Chaves disse...

'Suplício de uma saudade' foi exibido aqui em Natal - pela primeira vez - em março de 1957 no cine Rio Grande. Eu o assisti precisamente no dia 22. Na época não gostei, mesmo na pré-adolescência. Acho que o revi depois e voltei a não gostar.

Um abraço...

nina rizzi disse...

moacy,

minha mãe era doida por essa canção esplendorosa e ainda faz o maior sucesso!

delícia ver a gata da mariza aqui, fazendo esse ballet esquisito à lá buarque. ai, e que gatos e línguas de marco justo. caramba! que letras são essas?! muito justas, justinhas na palma da minha mão, na minha língua. e mê, mui publicável pra nosso deleite.

ó: sabe como eu fico feliz quando abro sua página e me vejo aqui? é melhor que tá em livro, camarada. por falar nisso, abimael me passou a sua "cinemateca imaginária", que eu já conhecia de capa, lá do dragão do mar, mas agora vou me descobrir nos folheios.

pense, moacy, eu sai de campinas, vizinha a pirassununga pra chegar em caicó e beber, pasme, 51! e como eu já sou nordestina, não digo nunca mais eu vou beber, digo: pense numa cachaça ruim da peste (nos falta a culpa que move os sudestinos?). então agora eu vou tentar arranjar um pó de caroço de pião.

beijo e da próxima beijo :)

Assis Freitas disse...

A canção do filme é igual a visgo, a gente fica com a melodia no ouvido sem conseguir se libertar. Feriado para refletir.

Francisco Sobreira disse...

Sabia dessa justificativa do Tenente Oldemar para a exibição de "Suplício de Uma Saudade" a cada ano no Dia dos Mortos". Quanto ao filme, é correto, como você bem diz. Perde para muitos outros melodramas, mas dá pra se ver com algum interesse. Os dois atores estão bem e a música é muito bonitaa, bem adequada ao tema do filme. Um abraço.

Marcelo Novaes disse...

Moa,





Muito boa a tentativa de reversão do parabéns que desemboca em dança caicoense, apresentada pela Nina.




Abração,








Marcelo.

Clara Bianca disse...

Enacatanda com este espaço, embalaiado de belas coisas, aqui tudo flui.
Beijos de poeira de tempo, quue eterniza palavras sempre.

Clarinha!

Cosmunicando disse...

carácoles duplos, Moa!
a Nina disse tudo: estar aqui é muito melhor do que num livro :)
Aliás que inveja da Nina curtindo a festa do Ferreirinha em caicó... benza deus.
O Marco Justo arrasou com esses três poemaços, deve ter tomado muito chá de grelo, digo, grilo.

beijo e bom feriado!

Mirse Maria disse...

Boa tarde Moacy!

Esse filme é lindo mesmo, e a canção mais linda ainda! Mas não dá é para chorar.

Os poemas que destaco: Nina e Mercedes com excelência!

Beijos

Mirse

Canto da Boca disse...

Moacy,

Ficamos feito crianças diante de brinquedos fantásticos!

Abração!

Jens disse...

Moacy, hoje vim apenas apresentar meu agradecimento ao mestre CDC: através da tulipa roxa conheci o paraíso.
Hosana nas alturas!

Um abraço.

Mirse Maria disse...

Oi Moacy!

Voltei para dizer que o único filme que me fez chorar, foi "Imitação do Vida".

Beijos

Mirse

Bar de Ferreirinha 50 anos, desde 1959 disse...

Moacy, o lançamento só não foi mais espetacular por causa da sua justificada falta. Mas reunimos muitos amigos do Comendador Ferreirinha, e a presença da Nina Rizzi foi encantadora pra nós. Imagine que alguns amigos bêbados já estavam premeditando um novo livro, pra registrar o lançamento de ontem. Pode?
Abraço forte, obrigado por tudo e boa recuperação.
Roberto Fontes

João Quintino disse...

Moacy, falando desses remédios deliciosos, lembrei-me de que o meu pai, que não está mais entre nós, tomou chá de bosta de cachorro para sarampo e ficou, depois, abafado num quarto para suar e expulsar a moléstia. Abraço serido-sabugiense!

Bar de Ferreirinha 50 anos, desde 1959 disse...

Moacy, meu irmão só faltou vc.Um abraço em todos.Nina foi a rainha da festa.Jens nós estamos muito agradecidos por vc nos levar ao Bar do Alemão...Liria vc está escalada pro próximo ano.Pituleira.Em tempo:Estou escrevendo totalmente bebado.Hoje fui de "Tulipa Rôxa", Jens e CDC tem razâo, é otimo.

Jota Effe Esse disse...

Embora tenha alergia respiratória a pimenta, se ainda vier a pegar uma gripe vou tomar esse chá de café com pimenta malagueta. Às vezes o averso do averso é o que acaba dando certo. Meu abraço.

BAR DO BARDO disse...

GG - joinha, joinha!