sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Redinha, em Natal
Foto de
Pedro Morgan


BALAIO PORRETA 1986
n° 2852
Natal, 27 de novembro de 2o09

A Redinha que encantou Mário de Andrade nos anos 30,
também encantou outros poetas e escritores,
nos anos 40, 50 e 60. Mas a Redinha mudou muito.
E não foi para melhor.


TAKE-OFF
Sebastão Uchoa
[ in Antilogia. Rio, 1979 ]

1.
há quem faça obras
eu apenas
solto as minhas cobras
2.
o futuro? já sei de cor:
só me interessa a metamemória
perdido no cosmos
a minha pátria é o jardim das delícias
3.
que esperam de mim?
não sou ninguém
não me puxem pelo braço
sou revel
a minha consciência é o verme
e eu sou o cria corvos
4.
já vivi duas vezes
e sonho com a terceira vida
visível só como sombra
5.
façam de conta
que fui apenas um sonho
neste pesadelo da história
nem consegui gritar
fui enforcado com baader-meinhoff
ou pendurei-me em praça pública
com gérard de nerval?
6.
quem não se contradiz
não diz
radicalmente sério
só o cemitério


MOTIM
Florisvaldo Matos
[ in Exu, n° 18, Salvador, 1992 ]

Estou morto
Mas não me entrego,
Estou mutilado
Mas nego
Até o fim meu destino
De pássaro cego.

Estou perdido
Mas aperto
Ao peito este mapa
Incerto
Com seus rumos desconexos.

Estou mudo

Mas não sossego
Este grito que carrego,
Como lâmina nos dentes.

Estou cercado, mas resisto.

CADERNO DE ANDARILHO
/ Fragmentos /
Manoel de Barros
[ in Concerto a céu aberto para sócios de ave, 1991 ]

Sapo de noite arregala os olhos pra desmedir a saudade.

Melhor para entardecer é encostar em árvore.

Pessoa que lê água está sujeita à libélula.

Lagartixas piscam para as moscas antes de havê-las.

Cheio de vogais pelas pernas vai o caranguejo soletrando-se.


AH!, ESSA FALSA CULTURA
Millôr Fernandes
[ in O Cruzeiro. Rio, 1961 ]

Cristóvão Colombo era casado com a Rainha Isabel
e teve três filhas: Santa Maria, Pinta e Nina.

Para provar a teoria de Darwin
foi necessário achar um macaco muito inteligente.

A maré baixa é quando todos os peixes
resolvem beber de uma só vez.

O Texas foi descoberto pela Texaco.

Pileque foi um matemático que descobriu que a Terra gira.

A única coisa capaz de acabar com as secas do nordeste
é um sistema de irritação.

14 comentários:

Pedrita disse...

nossa, não sabia q existe uma cidade chamada redinha. beijos, pedrita

Mme. S. disse...

Manoel de Barros e Moacy (de volta) juntos: um dia maravilhoso pela frente. Um beijo e um queijo, meu amigo. S.

Jefferson Bessa disse...

Linda constelação de poemas, Moacy!

Um abraço.

Jefferson.

Lívio Oliveira disse...

Que bom que retornou, Moacy.
Abraço e boa sorte.

Mariana Botelho disse...

Hum! Manoel de Barros e Millôr Fernandes me salvam hoje.

Sérgio Vilar disse...

A Redinha está longe de ser esse palco iluminado, Moacy, como bem frisou. Gosto dela como quem gosta de um menino abandonado.

Assis Freitas disse...

Um balaio de responsa, só fera.

líria porto disse...

oi, moacy - sem o balaio, caio no mar asmo!

bom te ver...

besos

Marcelo Novaes disse...

Moa,



Muito boa a seleção de hoje. Um aperitivo excelente para quem depois quiser apreciar outras "ignorãnças" de Manoel e os afiados aforismos de Millor.



Quanto à "redinha" só quem a viu desde lá detrás para aferir. Mas eu acredito que sim, por constatar,em outras plagas,o tempo corroer paisagens. Inclusive humanas.





Abração,









Marcelo.

nina rizzi disse...

eu me desaconteço me manoelando. dos meus preferidos, é sabido.

da falsa cultura, carrego ainda minha suassuna noite: o cabra dixavou o populacho... rsrsrs...

bem, sou quando, mas resisto.

um beijo.

Meg disse...

Moacy,

Feliz por teu regresso... tinha a esperança que o Balaio agora me aparecesse actualizado, mas nada.
Será porque você não coloca o título do post lá por cima da data?
Não gosto de ver o Balaio cá no fundo da minha lista de blogs.

Vou brigar com o Blogger.

Gostei dos momentos que passei aqui, e lhe desejo um bom fim de semana.

Um cheiro

Francisco Sobreira disse...

Que bom você estar de volta. Espero que esteja bem. E na volta esses belos poemas, principalmente o de Sebastião Uchoa. Um abraço.

Felipe Marques disse...

Eita balaio porreta sô!

Sempre Sensacional

abraço

Carito disse...

Seja bem vindo mestre Moa! Que bom que já voltou, logo, existimos - seus fãs-amigos-discípulos-alunos... Viva o Balaio! Viva Moacy! Viva a poesia todo dia!!! Mundo lúdico, ôba! Sonho, cinema, tudo vale a cena se Moacy nos acena!