quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Cristo negro
[ autoria não-identificada ]


BALAIO PORRETA 1986
n° 2879
Natal, 24 de dezembro de 2009

Mais algumas dicas de presentes:
Uma aurora renascentista
Uma viagem à Pasárgada
Um mergulho nos crepúsculos do Potengi
Um sonho grávido de chocolates
Um olhar marcado pela ternura e pela poesia
Uma máquina de filmar surpresas
Uma estrela do céu de São Saruê
Opções possíveis:
O estrangeiro (Camus)
Sonatas (Scarlatti)
Ficções (Borges)
K-Ximbinho - Duetos (Paulo Moura)
Diário íntimo da palavra (Nei Leandro de Castro)


LITERATURA POTIGUAR 2009

O ano que ora termina foi especialmente bom para a literatura do Rio Grande do Norte. Por ordem alfabética, destacamos os seguintes títulos:

Augusto dos Anjos dos anjos e dos deuses (Francisco Ivan)
Bele époque na esquina (Tarcísio Gurgel)
Cenas brasileiras (Marcos Silva & Bené Chaves, orgs.)
Fala proibida do povo, A (Geraldo Queiroz), reedição
Fortaleza dos vencidos, A (Nei Leandro de Castro)
Jorge Fernandes, o viajante do tempo modernista
(Maria Lúcia de Amorim Garcia)
Lábios-espelho (Marize Castro)
Novas cartas dos sertões do Seridó (Paulo Bezerra)
Remanso da Piracema (François Silvestre)
Resina (Diva Cunha)
Simples filosofia (Pablo Capistrano)
Talhe rupestre (Paulo de Tarso Corrêa de Melo)



POEMA DE NATAL
Carlos Pena Filho
[ in Livro geral, 1959 ]

- Sino, claro sino, tocas para quem?
- Para o Deus menino que de longe vem.

- Pois se o encontrares, traze-o ao meu amor.
- E o que lhe ofereces, velho pecador?

- Minha fé cansada, meu vinho, meu pão,
Meu silêncio limpo, minha solidão.


VOCABULÁRIO POTIGUAR DOS ANOS 30 (1)
[ in Geringonça do Nordeste,
cf. A fala proibida do povo ]

Abacular : Adular
Abancar-se : Sentar-se
Aboletar-se : Hospedar-se
Aboticado : Esbugalhado
Abusado : Impertinente
Acatitar os olhos : Arregalar os olhos
Acatruzar : Apoquentar
Afetado : Tuberculoso
Afobado : Precipitado
Alesado : Abobalhado
Amarrar o bode : Amuar-se
Amocambado : Escondido
Amunhecar : Esmorecer e cair
Apaideguado : Agigantado
Aparar os peidos : Bajular
Apragatar : Achatar
Arrasta-pé : Dança
Arrochar : Apertar muito
Arrumação : Coisa complicada
Arte : Travessura


DO QUE PASSOU
Lara de Lemos
[ in Dividendos do tempo.
Porto Alegre, 1995 ]

Não me tragam memórias
de velhos tempos idos.

Deixem-me a sós comigo.

Cada poema tem o seu motivo,
cada gota de vinho tem seu travo
que não se repete noutro copo.

É preciso degustá-lo
sem agravos
e esquecer o que não foi bebido.


ESTAÇÕES
Antonio Carlos de Brito / Cacaso
[ in Beijo na boca. Rio, 1975 ]

Do corpo de meu amor
exala um cheiro bem forte.

Será a primavera nascendo?



À LUTA, À LUTA
Moacy Cirne (RN/RJ, 1980)
[ Republicado in Balaio, n° 158, de 23/05/1989 ]

à luta, à luta,
companheiro,
que a hora é de lutar e sonhar,
de sonhar e lutar.

à luta, à luta,
doce amiga,
que a hora é de lutar e amar,
de amar e lutar.

à luta, à luta,
trabalhador,
que a hora é de lutar e avançar,
de avançar e lutar.

à luta, à luta,
caro poeta,
que a hora é de
que a hora é de
que a hora é de construir
e trans/formar.

12 comentários:

Mirse Maria disse...

Bom dia, Moacy!

Belíssimo Cristo Negro!

Belíssimo seu poema!


Feliz Natal, com muita PAZ, SAÚDE e HARMONIA!

Beijos

Mirse

Romário Gomes disse...

Bonito Poema de Natal de Carlos Pena Filho! Dos presentes eu escolheria uma viagem à Pasárgada. Ou um olhar marcado pela ternura e pela poesia. Ou uma estrela do céu de São Saruê... A você, Moacy amigo, um Natal feliz ao som de um poema bem gelado. Com as bênçãos de Deus.

Mme. S. disse...

As sugestões de presentes são bem à altura de sua delicadeza e inteligência, meu caro.
Feliz Natal, meu menino, ho ho ho!
S.

Pedrita disse...

um ótimo natal pra vc e sua família. denise sarraceni é sobrinha do paulo césar sarraceni. beijos, pedrita

Soninha disse...

Olá, Moacy!

Feliz Natal pra você e pra sua família.
Oxalá 2010 chegue recheado de esperanças, com oportunidades infinitas de trabalho.
Mas, que nunca nos falte sonhos para lutarmos. Que não nos falte projetos para realizarmos. Que nunca deixemos de aprender e que sempre tenhamos um lugar para onde irmos.
Boas Festas! Muita paz! Beijossssssss

nina rizzi disse...

Moacy, eu aceitarei cada um desses presentes como meus. se pudesse, guardava-os numa caixinha de cristal. mas não... que o vento espalhe a arte por aí, aqui, acolá...

adorei o Cacaso, já sentido, e vivendo...

é isso aí, à luta transformar todos os dias em natais. um cheiro dessa praia salgada.

Henrique Pimenta disse...

Bom TUDOS pra Moacy & colaboradores!!!!

líria porto disse...

moa - todo dia é dia, toda hora é hora - e isso não fui eu quem disse, embora pense assim...

então todos os dias te desejo alegria, saúde, poesia!

besos

líria porto disse...

esse cristo negro me lembro um poema que republiquei não faz muito tempo:

ite missa est
líria porto

a missa é omissa
exclui a massa do ofício
amassa a raça com os pés
o vinho bento do cálice
é privilégio sagrado
do santo senhor vigário

nossa sina é o sacrifício
o pobre cristo sou eu
fui condenado sem culpa
a carregar a pobreza
a transportar a miséria
debaixo da pele preta

*

besos

MINI-MAIS disse...

que blog bom. tô engatinhando ainda por entre os blogs
conheci esse seu blog e achei grande barato
parabéns
vou seguir seu blog

Marco disse...

Caro mestre Moacy,
gostei das dicas de presentes...
Um feliz natal e um Ano Novo surpreendente como um filme de Fellini ou de Almodóvar.
carpe diem. Aproveite o dia e a vida. Sempre.

Luiza M. Nogueira disse...

Belo poema! Feliz Natal pra ti! TUdo de bom!