quinta-feira, 18 de março de 2010

Menino na cacunda
Foto:
Tonspi
(Angola)


OS OLHOS DO MENINO DE TONSPI
Namibiano Ferreira
[ in Ondjira Sul ]

Hialinos
os olhos
negros
da minha
alma
cravam
beijo
Menha
água
sagrada
no brilho
esperança
azeviche
e missanga
nos olhos
meiguice
do menino
de Tonspi.


BALAIO PORRETA 1986
n° 2964
Natal, 18 de março de 2010


Eu fui louca o suficiente para construir castelos.
E fui santa o bastante para destruí-los.
(
Jeanne Araújo)


PARA UMA BIBLIOTECA PORRETA

( 62 / 66 )

O espectro de Darwin (Rose, 1998)
A teoria da evolução (Smith, 3ª ed. 1975)
Poemas completos (Fernando Pessoa, 1918-35)
Os 30 melhores contos (Machado de Assis)
A formação do espírito científico (Bachelard, 1938)
Arqueologia do saber (Foucault, 1969)
A condição pós-moderna (Lyotard, 1979)
Os Aparelhos Ideológicos de Estado (Althusser, 1970)
O livro de ouro da evolução (Zimmer, 1998)
A evolução da humanidade (Leakey, 1981)

"Diferentemente de nossos ancestrais que se extinguiram, somos um animal capaz de escolha quase ilimitada. O problema que se nos apresenta é nossa inabilidade para reconhecer o fato de que somos capazes de escolher nosso futuro. Muitas pessoas se contentam em deixar o futuro nas mãos de Deus, mas eu acredito que esta é uma filosofia perigosa, pois evita a questão de nossa responsabilidade" (Richard E. LEAKEY, in A evolução da humanidade).


POEMA
Jarbas Martins

raro escrevo. Vivo.
escrever é um verbo
intransitivo.

BEIJO
Bosco Sobreira
[ in A Pedra e a Fala ]

Na boca da noite
estrelas salivam fogo
e
mel


TRÊS ESTADOS AO SUL
RenataMar
[ in Versos Poti ]

Te [a]guardo com a alegria que extrapola o sorriso.


RECOMENDAÇÕES ATEMPORAIS
DO BALAIO

Música:
Clique aqui
para ouvir o 4º movimento do
Quinteto para clarinete, opus 115
(Joahnnes Brahms, 1890)
- o romantismo musical
em sua plenitude sonora.
Para se escutar ao lado da pessoa amada:
magia na magia, sonho no sonho, poesia na poesia.

16 comentários:

Assis Freitas disse...

Interessante a inclusão de Os Aparelhos Ideológicos de Estado (Althusser, 1970)na Biblioteca Porreta. Quando cursei Sociologia no início da década de 80, século passado rs,rs, ele era um dos ícones do pensamento neo-marxista. Este livro então era uma referência no estudo da ideologia. Anos depois, a academia enterrou Althusser em meio a sua crise existencial quando assassinou a própria mulher. Abraço.

P.s. Brahms magnífico

nina rizzi disse...

Aqui dizem que Althusser é matusquela, nesse século, e eu era das únicas a gosta-lo na faculdade...

Brahms eé Brahms, das melhores, hein?! bem como a criança negra, seus olhos guardam todos os meus sonhos.

Os versos de Jarbas me lembraram de Simone Weill, produziu pouquissimo, mas fez um ótimo trabalho de campo nas industrias automobilísticas francesas. Ela diz isso: escrevi pouco porque vivi mais. que coisa mais linda.

Ah, como eu gostei de RenataMar.

Um beijo.

DAMATA disse...

Caro Moa

Brahms,

O sublime. Não saberia escolher o melhor de sua música de Camara. Adoro- o. Os concertos para piano. As sonatas para clarinete, etc


Entre viver e escrever prefiro esquecer.
Engraçado: um dia Jarbas disse que a minha poesia tinha vida.
A vida que pulsava em cada verso.
Será que ele mudou de lado!

Sua poesia mirrada em quantidade e grande em conteúdo.

Canto da Boca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Canto da Boca disse...

O tempo, o cume e o ostracismo, parece que é assim que caminha a História....

Mas Brahms é alimento e unguento para qualquer momento, incluso no trânsito caótico é o mais potente calmante.

A imagem e a poesia de Namibiano, em mim sempre sao impactantes!

Abraço!

Canto da Boca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jarbas Martins disse...

Atenção, Moá, meu antologista preferido do Rio Grande do Norte. Leia
Gustavo de Castro.Desde Sanderson Negreiros ninguém desconstruiu melhor o verso por aqui.Eu disse desconstruir.

Bosco Sobreira disse...

Bom estar mais uma vez no Balaio. Bom estar sempre com o Balaio.
Obrigado, mais uma vez, meu caro Moacy.
Forte abraço.

Mirse Maria disse...

Oi Moa!

Esses olhos negros e lindos dessa criança, dizem muito mais do que apreciamos.

Brahms 'Clarinet Quintet in B Minor,
Uma viagem e tanto. Basta fechar os olhos e sentir ouvindo.


Todos os poetas super bem escolhidos. Jarbas é 10!

Belo Balaio!

Beijos

Mirse

Mme. S. disse...

passando para deixar um cheiro!

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

NOSSA DIFERENÇAS POLÍTICAS.
SÃO SÓ ISSO. MEU AFETO POR VOCÊ É SINCERO.
NÃO ME PRETENDO CERTO, EXPONHO MINHAS OPINIÕES COM VIGOR E SOU AGRESSIVO MESMO.
NOSSO MESTRE, NELSON RODRIGUES, DIZIA QUE SE DEVE CHUPAR UM CHICABON COM PAIXÃO. SIGO ELE.
FORTE ABRAÇO.

líria porto disse...

tudo nesse balaio, TUDO (e olha que não escrevo com maiúsculas)é primoroso - da imagem ao som e aos versos.

ah, farejei o poema de jarbas martins com imenso prazer!

besos

(estou em araxá, esta cidade do interior de minas é uma delícia - terra de dona beja)

*

Jarbas Martins disse...

Ter uma leitora do teu nível, Mirse... Sei não...Beijos.

Iara na Janela disse...

que fotografia liiiinda!!!

o poema do Bosco é O POEMA DO BOSCO.

beijos.

Sônia Brandão disse...

Beleza e inocência nessa fotografia.

bjs

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Obrigado pela foto!
Kandandu