sexta-feira, 12 de março de 2010

Um beijo carnavalesco para os meus
43 anos de Rio de Janeiro, hoje.
Mas, na verdade,
em se tratando de carnaval carioca,
prefiro
os blocos de rua com suas marchinhas.
[ Foto: Escola de Samba no Carnaval/2010,
por Bruno Domingos / Reuters ]


BALAIO PORRETA 1986
n° 2958
Natal/Rio, 12 de março de 2010


RIO QUE TE QUERO RIO

1. O Fluminense
2. O Maracanã
3. O cinema Odeon, no Centro
4. A Sala Cecília Meireles, na Lapa
5. O CCBB, no Centro
6. A livraria Folha Seca, no Centro
7. O Paço Imperial, na Praça XV
8. Laranjeiras, o bairro
9. Vila Isabel, o bairro
10. Catete, o bairro
11. O sebo Berinjela, no Centro
12. O sebo Al-farabi, no Centro
13. A livraria Leonardo, no Centro
14. A Biblioteca Nacional, no Centro
15. O Real Gabinete Português de Leitura,
na Praça Tiradentes
16. A Igreja da Ordem Terceira de São Francisco,
no Largo da Carioca / Centro
17. Os blocos (carnavalescos) de ruas,
sobretudo os de Laranjeiras e os da Zona Norte
18. O Espaço de Cinema,
em Botafogo
19. O Theatro Municipal,
no Centro
20. O Jardim Botânico,
no Jardim Botânico - Zona Sul


SEMPRE
Manoel Cordeiro

palavrivências:
ternuramentos
mulher tecoteco e poesia
(& as dunas natalenses)

verbovivências:
alumbramentos
mulher tudotudo e magia
(& as praias cearenses)

negrovivências:
encantolamentos
mulher luscofusco e utopia
(& os lençóis maranhenses)


"SEDE ASSIM - QUALQUER COISA
SERENA, ISENTA, FIEL"
(para Cecília Meireles)
Ilane Ferreira Cavalcante
[ in Vestígios. Natal, Sebo Vermelho, 2010 ]

Como ser assim?
Serena, isenta, fiel,
se todo o fogo queima
bem dentro de mim?

O que buscar assim?
Serena, isenta, fiel,
se toda a estrada clama
o mistério de seu fim?


BEIJO
Adriana Godoy
[ in Voz ]

entre dentes e línguas
entre a sua boca e a minha
um rio quente de solidão


POEMA
Lourenço Medeiros

pobre realidade!
nela não cabe a paixão
de um homem por uma mulher
na terra das auroras embriagadoras

pobre realidade!
nela não cabe o olhar
de uma mulher por um homem
na terra dos crepúsculos adormecidos

pobre realidade!
nela não cabem o suor
e as lágrimas de um homem
e de uma mulher que se amam
e se amam
e se amam


POEMA
Marize Castro
[ in Poço. Festim. Mosaico, 1996,
via Agenda 2010 - ADURN ]

Somos aparições
ainda no fim do mundo
seremos aparições.
Insanas. Dirão alguns.
E continuaremos
a andar em círculos.
Testemunhas do divino.
Enlouquecidas,
procuraremos penhascos.

Afogadas em invenções, somos ilhas
que choram.


UVA E TRIGO
Henrique Pimenta
[ in Poivre ]

Teus véus, teus arabescos, teu perigo,
Eu quero o teu conjunto sem ciência.
Queremos uma forma de inocência,
Queremos tanto a uva quanto o trigo.

Abraços que se encaixam em abrigo
De gritos, de murmúrios, de indecência
De senso sem sentido, com essência.
Convença a teus silêncios do que digo.

Lencóis desarrumados sobre a cama...
A luz que vem dos olhos de Javé...
Teu colo, minha boca, tua chama,

Meu falo, tuas coxas... E este pé?!
Se queres que eu te seja quem te ama,
Insisto em ser aquele que já é!



HAIKAI
Mirse Maria
[ in Meu Lampejo ]

Sirvo licor de amora
Já dei meu recado
Vou cair fora


Política / Natal
O NOVO AMONTOADO DE SANDICES
DA PREFEITA MICARLA DE SOUZA
Cefas Carvalho
[ in Noticiando ]

Definitivamente, a prefeita de Natal Micarla de Souza não pode ser levada a sério.
Resolveu esbravejar contra os professores, por causa da greve que fazem. Já é um erro político chamar o sindicato da categoria de “mentiroso” e a greve de “política e eleitoreira”, mas fazê-lo na emissora de sua propriedade em “entrevista” a funcionários seus, mostra o grau de cinismo que chegou a administração municipal.
Mas, o que arrancou risos deste blogueiro foi a afirmação de Micarla de que “os poderosos” não engolem o fato de uma mulher “pobre” chegar à Prefeitura de Natal.
Pobre? Micarla é empresária de comunicação e filha de um ex-senador (seu pai, sim, foi pobre; ela, deixou de sê-lo em tenra infância). Há tempos desfruta de prazeres nada baratos como vestir-se de Valentino e grifes igualmente renomadas.
Poderosos? Ora, ela teve apoio explicito na campanha do senador José Agripino (DEM), da senadora Rosalba Ciarlini (DEM) e do presidente da Assembléia Robinson Faria (PMN). Se na cabecinha dela eles não são poderosos, quem os são?


CHEGA DE BABAQUICE
Ailton Medeiros

O ódio da imprensa brasileira (e de alguns bocós) a Lula beira ao rídiculo.

A agência de notícias americana Associated Press deu duas chamadas para a longa entrevista que fez com o presidente: “Silva para de fumar após 50 anos” e “Presidente faz planos para a final da Copa”.

O New York Times repercutiu a entrevista destacando que “Silva diz que sanções ao Irã são perigosas”.

No Brasil…

Bem, no Brasil, a cantiga da perua é uma só: “Greve de fome não é válida para libertar dissidentes, diz Lula”, na manchete do O Estado de S. Paulo.

Na Folha, a declaração rendeu, acreditem, um manifesto cujo título lembra aqueles famosos editoriais do Correio da Manhã às vésperas do golpe de 64: “Passou do limite”.

Quem passou do limite foi o jornal que trata o leitor como imbecil.

Chega! Basta! Fora!

Atualização às 8:40h

MORREU O CARTUNISTA GLAUCO

(O autor do quadrinho Geraldão - o cartunista Glauco Villas Boas, 53 anos - foi assassinado por ladrões em São Paulo. Estamos de luto. Clique aqui para ler a matéria.)

15 comentários:

líria porto disse...

nesta primeira leitura destaco o poema de adriana coelho!


e fico muito puta com a imbecilidade da imprensa (cavernosa) brasileira, que jamais perdoará o operário - ele ousou ser presidente, isso é um precedente ameaçador!

besos

líria porto disse...

adriana godoy!!

as duas são boas poetas, confusão compreensível...

agora vou reler o balaio!!

besos

Henrique Pimenta disse...

Agradeço o mérito, compartilhado com excelentes colaboradores e leitores!

:)

Henrique Pimenta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mirse Maria disse...

Oi Moa!

Parabéns pelo Flu e pelos 43 anos de Rio de Janeiro. Chegamos juntos aqui.

Aos 20 itens do Rio, eu acrescentaria, a Biblioteca Nacional, oMuseu Sacro da Catedral Metropolitana, o novíssimo Museu do Exército no Forte de Copacabana, Posto 6, bem ... tem a feirinha da Praça 15 aos domingos, e TODO Centro do Rio, como os Arcos da Lapa, com a Sala Cecília Meirelles.

Agradeço por estar aqui presente no meu diálogo de HaiquaseKais com Henrique Pimenta.

Destaco todos os poetas, com Louvor à GODOY e Lourenço Medeiros. E claro o Mestre Henrique Pimenta!

O Ódio é sempre ridículo. Principalmente, porque o Presidente eleito, o foi por votos, nulos, válidos e outros. Somos todos responsáveis.

Tenha um excelente dia!

Beijos

Mirse

Pedrita disse...

q bom q o theatro municipal do rj abriu. o de sampa fica fechado para reforma até o ano q vem. fechou na mesma época do rj. serão 2 anos fechado. a grande biblioteca nacional com tantas partituras raras de compositores brasileiros. o belo jardim botânico. o rj continua lindo. amo o ccbb do rj. ah, o espaço do cinema em botafogo, muito charmoso. beijos, pedrita

Assis Freitas disse...

O Rio e as suas peculiaridades de cidade encantada. Poesia e poetas inspirados. E que coisa terrível, a morte do criador de Geraldão. Abraço e parabéns pelos 43 anos na cidade fluminense mais linda do mundo.

DAMATA disse...

Rio de Janeiro. Cidade eternamente bela. Parabéns
Do Rio, o Jd Botanico. Os bares. Os ensaios na Mangueira. Os sambistas. Paulinho da Viola em 1o lugar.


Balaio cheio.

Luto pela morte do Glauco e Dellibes

DAMATA disse...

Delibes, meu Afeto e Adeuses.

“Como Calar tantas formas de violências em nome da Fé”. J. Paulo II, in prefácio ao El Hereje , do Miguel Delibes

Quem de vocês pode ser o tribuno. Quem de nós dois o herege?


“Los ojos desorbitados del bachiller Herrezuelo saltaban de uno a outro com infinito desprecio. No podia escupirles ni abofeartales pero su mirada enloquecida lo decia todo”. “El Hereje”


Mataram meu querido Glauco. Como num turbilhão de agonia desfaleço. O homem é o mesmo. Do século XVI quando se matava por heresia aos dias de hoje onde se mata impunemente.

Quando a palavra já não comunicar tudo voltará à barbárie.

Pelo retorno da grafia e do diálogo, eu imploro.

João. El hereje.

Jarbas Martins disse...

boa amostragem poética. destaco o soneto de henrique pimenta e o hai-kai de mirse maria

Marcelo Novaes disse...

Moa,



Com 43 anos de Rio, vc achou cantos e recantos peculiares. Tenho de visitar esses pontos.


Bom ver Dri Godoy, Henrique e Mirze aqui. Poetas e amigos.



A violência de São Paulo causa muitos lutos, infelizmente. Como vc nem pode orar por Glauco, deixa isso comigo. Também estou de luto.








Abração.

Mai disse...

Belo balaio - Balaio porreta!
abraços

nina rizzi disse...

CARALHO, eu, primeiro, fiquei atordoada com a poesia, mas, puxa, essa nota da morte de Glauco, meu amigo dos tempos de união do vegetal e da EAD... porra, mas que perda...

Bem, Lourenço Medeiros apareceu. Falamo-nos pela manhã. Eu ouvia o segundo movimento da nona de Bethoveen, a mesma que tocava na carruagem de São Saruê. Sabe que sua voz a la Diadorim é muito melhor que op coral da Royal Orchestra de Berlim...

E sempre Manoel Cordeiro, né... sempre é tanto tempo e o tempo não para, mas a saudade nos deixa parados no tempo, disse-nos o Quintana. Que coisa linda, dá vontade de arranjar tudinho nas mãos-concha e engolir...

e tudo o mais, mirsuda, hpimenta, mcastro... eita, dói porque é bom fazer doer.

cheiro, meu bem.

nina rizzi disse...

AH! no próximo jogo do Flu leva o Sobreira: ele nos deu sorte no domingo ;)

beijo.

Adriana Godoy disse...

Moacyr, concordo plenamente com vc em relação ao Lula. Essa imprensa é de f...

A nota triste do balaio é o assassinato de Glauco, um cara danado de bom. Era fã de seu trabalho e o Geraldão era meu preferido. Imagine: pai e filho. Triste demais.


A nota feliz é de estar entre esses poetas tão porretas, nesse Balaio Porreta. Mais uma vez, agradeço.
Beijo.