quinta-feira, 11 de março de 2010

Imagem:
RetroAtelier


BALAIO PORRETA 1986
n° 2957
Natal, 11 de março de 2010


PEDRAS DE TOQUE
em
Dedos de Moça
Uma antologia das Escritoras Suicidas
por
Florbela de Itamambuca & Silvana Guimarães (orgs.)
São Paulo: Terracota, 2009, 160p.

gosto quando milena fala
dos homens
que comeu durante a noite
...
sem a voz de milena
o café desce amargo
(Cida PEDROSA, in Milena)

a folha faz fumaça e vira ar
a faina é no respeito da tainha
(Florbela de ITAMAMBUCA, in Soneto planta)

o sol se afoga no fim da tarde
(Jane Sprenger BODNAR. in Passeio)

Faz frio nos olhos de Lúcia
( Julya VASCONCELOS, in Liquetude)

despiu-se da alma dos véus e da pele
ficou carne-viva exposta aos abutres
(Líria PORTO, in Difamação)

sua boca em minha boca se detinha
a buscar na umidade que era a minha
os segredos do meu mar sem escafandro
(Márcia MAIA, in En passant)

: um lirismo (gr)ávido de ser,
oito ossos faciais que doem às esquivas,

um poema de aniversário
que entredentes me grita
: avulsa!
(Nina RIZZI, in Dos con-sisos [e com juízos])

mastigo todo o silêncio
e engulo o que me reflete
(in Romina CONTI, in Poderosa)


UMA PEQUENA PROVOCAÇÃO

Se Nísia Floresta é uma autora potiguar,
eu sou um escritor marciano.
Nascido em Júpiter.
(Moacy Cirne)

14 comentários:

Jarbas Martins disse...

Sem dúvida, Moá, uma pequena provocação. Retificaria: suave provocação, fruto de sua alma seridolente.Com seus espinhos´e farpas.Provocaçao pra valer, cheia de preconceitos, é a de Décio Pignatari.Chama Nísia Floresta de puta de Augusto Comte,puta internacional, segundo ele.Diz que o Positivismo (aí ele começa contraditoriamente a elogiar os positivistas e desancar os marxistas brasileiros) entrou no Brasil pela cama de NS.
Valeu contudo, Moá, sua provocação.Sobretudo porque, nestas praias potiguares, não se tem discutido muitas coisas.É só xingamentos.

Jarbas Martins disse...

Nota dez para as pedras de toque
que você catou em Dedos de Moça.Bela antologia.Beijos, Nina Rizzi.Obrigado por esse presente.

Mariana Botelho disse...

Moa, vc selecionou bem as pedras de toque do Dedo de Moça.

beijos

Assis Freitas disse...

Dedos de moça em profusão de versos. Parabéns as escritoras suicidas. E que provocação. Abraço.

líria porto disse...

gosto de saber que os dedos das moças te fazem cócegas! quem ri sou eu...
besos

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

gostei dos dedos das moças e quase os notei aqui perto de mim

Adriana Godoy disse...

Interessante...vou ler de novo. bj

Mirse Maria disse...

Oi Moa!

Gosto de ver a sensualidade como em Dedos de Moça! É bonito, humano e passa muito longe do erotismo chulo!

Parabéns à todas as poetisas.

Sua provocação, não entendi, mas sei que partindo de você, é inteligente e perspicaz. Deves ter acertado o alvo!

Beijos

Mirse

Marcos disse...

Moacy, Jarbas e demais amigos e amigas:

Considero os comentários de Décio Pignaari sobre Nísia Floresta vergonhosos PARA ELE. Qual o problema de Nísia ter ou não ter dado para Comte? Qual o problema de o Positivismo entrar no Brasil e noutras partes do mundo pela cozinha ou pelo cuzinho de qualquer pessoa? Décio se revela um moralista babaca e misógino, decepcionando quem admira sua boa poesia do passado. E também se revela um depreciador de mulheres intelectuais pelo fato de elas terem vagina, negligenciando o conteúdo bom ou mau de sua produção: não basta ter pau para ser importante intelectualmente.
Gosto da provocação de Moacy com um pequeno desvio: o que é ser potiguar? Nísia nasceu na província do RN do século XIX, partiu e fez carreira pelo mundo, sem publicar nem voltar a participar da vida intelectual local (embora se fizesse presente através dos ataques que sofreu de Isabel Gondim, precursora moralista de Décio). Sobrou algo potiguar nela ou a mulher escritora, que Mário de Andrade incluiu no rol dos biografáveis para Cascudo, partiu do zero? Logicamente, Moacy e eu, que partimos de Natal, estamos sempre lá num mundo que inclui avião e internet, muito diferente daquele que Nísia conheceu. Não dá para cobrar dela ser uma cidadã potiguar do fim do século XX ou do século XXI nem dá para cobrar de mim e dele sermos cidadãos potiguares do século XIX.
Mas a provocação de Moacy é ótima também noutro sentido: quem fica no RN é só potiguar ou é do mundo todo? Cascudo, Navarro, Zila e Luís Carlos responderam de forma cosmopolita a essa questão.
Abraços a todos e todas:

Marcos Silva

Jarbas Martins disse...

Concordo com você, nesse ponto, Marcos Silva.Em número, gêneros (seja lá o que isso for) e grau.
Abraços.

nina rizzi disse...

Moacy, obrigada pelos toques em nossa pimenta. É de andar pra cima e pora baixo, né?

Olha, ontem vi no museu do Ceará os antigos nomes das ruas, tinha rua da Aurora, da Algria, das Belas e até o da Nísia. aí, ao ladso tinha uma publicação da Constituição municipal de 1932 que diz que os nomes das ruas têm de dizer mais sobre a cidade; ser mais 'objetivo'. Ora, aurora, belas e alegrias me dizem muito mais. E essa história também me lembra da árvore de vcs aí...

Aproveito e deixo uns trechos da "A Lágrima de um Caeté":

(...) página 21
O bravo selvagem atônito ficou...
- Quem és; lhe pergunta, infernal deidade?
- Uma tal visão de inferno não sou:
Sou cá deste mundo, a realidade.

Volta às selvas tuas, vai lá procurar
Alguns desses bens, que aqui te hão tirado:
Não creias, ó mísero, jamais encontrar
A paz, a ventura que aqui tens gozado.
(...)



(...) página 23

Um movimento fez de impaciência
Da natureza o filho.
Seus braços estendendo à bela Virgem,
Quis ir a seu socorro...
Mas os olhos volvendo à terra vê
Realidade horrível!
- Dissipa as ilusões, filho dos bosques
A meu rosto te afazei;
E verás, que tão feia eu não serei,
Como agora pareço,
Se de ilusões a mísera humanidade
Não amasse nutrir-se,
Horrenda a face minha não seria
A seus olhos depois...
(...)

Ah, sim, não seria Moacy um saturnino?

um cheiro.

nina rizzi disse...

opa, esqueci: "Quem tem medo de Nísia Floresta", é o nome de uma leitura dramática que fiz no museu histórico e de ordem geral de ribeirão preto...

e a foto, hein... êta lêlê.
outro beijo.

Paulo Jorge Dumaresq disse...

Moacy, os Dedos de Moça fizeram cosquinha em mim. Destaco a "carícia" da Cida Pedrosa. E a foto me deixou "babando na gravata". Um escândalo. Inté.

Marcelo Novaes disse...

Moa,


Essas escritoras suicidas mais me parecem daquelas que se atira ao mar, sabendo nadar.



Nísia Floresta veio do seio da Amazônia?!





Abração.