quinta-feira, 22 de abril de 2010



BALAIO PORRETA 1986

n° 3000
Rio, 22 de abril de 2010


O MEU PRIMEIRO POEMA PUBLICADO
Moacy Cirne

Contrariando
John Donne,
sou uma ilha deserta.
Será que os sinos dobrarão
por mim?

[ in Folha Estudantil, Jardim do Seridó, 2° sem. 1962]


QUEM É O TERCEIRO?
Michelangelo Antonioni
[ in O fio perigoso das coisas, 1983,
trad. Raffaella de Fillippis, 1990 ]

Sempre preciso fazer um grande esforço quando termino um filme para começar a pensar em outro. Mas é a única coisa que me resta fazer e que sei fazer. Às vezes paro num verso que li, a poesia me estimula muito.

Quem é o terceiro que sempre caminha ao seu lado?

Quando um verso se transforma em sentimento não é difícil colocá-lo num filme. Esse de Eliot tentou-me repetidas vezes. Não me dá sossego aquele terceiro que caminha sempre do nosso lado.


COMUNICADO
Com este número, o Balaio encerra suas atividades,
temporariamente.

A todos àqueles que nos prestigiaram, nos últimos 23 anos
e/ou nos últimos meses, os nossos agradecimentos.

152 comentários:

Mirse Maria disse...

Não acredito!

Sou a primeira do último Balaio?

É brincadeira, não é?

Bem vou sentir saudades. Grata por tudo Mestre Moa. Você é como a voz que por ser justa e certa, destoa!

Beijos

Mirse

Sérgio Vilar disse...

Temporariamente quer dizer quanto tempo na tradução prática das coisas? (rs).

Se ela lacuna ficar aberta, tem quem feche não.

Desconfio que Moacy larga agora o blog pra se dedicar à campanha de Bibica para o governo do Estado.

Abraço!

Paulo Jorge Dumaresq disse...

Mestre, que passa?
É verdade verdadeira?
O mundo aguarda explicação?
Bjs na alma.

Pedrita disse...

adorei o seu poema. beijos, pedrita

Bar de Ferreirinha 50 anos, desde 1959 disse...

Meu irmão, o que houve?Tomara que o Sergio Vilar tenha razão,venha para a campanha de Bibica.Pituleira...

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

PORRA, ISSO É COISA QUE SE FAÇA!?
UM ABRAÇO, UM GRANDE ABRAÇO, POR TER ME MOSTRADO O QUANTO SER DIFERENTE É SER DEMOCRÁTICO, O QUANTO SE DEVE SER SÁBIO. AMIGO E IRMÃO POETA, NÃO PENSE QUE EXAGERO EMOÇÕES, NUNCA FARIA ISSO, MAS TE TENHO COMO UM AMIGO, UM AMIGO DE FATO, UM AMIGO DE FÉ. E COMO DIRIA FHC..., DEIXA, É SÓ BRINCADEIRA, BRINCADEIRA DE AMIGO.

ESTAMOS AI.

Lou Vilela disse...

Moa,

Desejo que esteja tudo bem e que a ausência seja breve!

Beijos, caríssimo!

Anônimo disse...

Agradeço os belos momentos que você me proporcionou.
Espero ainda te enviar as fotos do Poço de Sant'ana que te prometi.
Um grande abraço,
Edjane

Romário Gomes disse...

Fiquei sem saber o que dizer com o comunicado. Pois, afinal, o balaio é o balaio é o balaio... É assim o dobrar dos sinos! Um abraço, Moacy amigo.

Assis Freitas disse...

Vixe, agora danou-se. Espero que este temporariamente seja brevíssimo. O primeiro poema publicado, os sinos dobram sim, dobrado. Abraço mestre.

p.s. à guisa de especulação o balaio está datado como quinta-feira 22 de abril, quem sabe o Mestre quer nos pregar uma peça... torço por isso.

nina rizzi disse...

o meu pai dizia que a gente não deve ser egoísta... e que alguns ciclos precisam ser fechados pra dar início a outros...

espero, profundamente, profundamente... que floreçam esses cactos.

eu rumo à mombaça.
beijos e poesia aí na caminhada.

muirakytan disse...

fico sedento aguardando o retorno.viva zapata, viva bibica, viva moacy.
em breve estaremos juntos pegando o ouro de moscou para a campanha de bibica.
abração fraterno

muirakytan

Carito disse...

...nós que agradecemos. Que seja breve... Poesia sempre! Volte logo! Abraços e saudades!

Adriana Godoy disse...

Vou sentir falta desse Balaio...mas se não tem jeito, fazer o quê? Aguardamos sua volta. Felicidades. Beijo.

José Carlos Brandão disse...

Volte breve.

Marco disse...

Mas... PelamordeDeus! O último Balaio?????? O que está acontecendo com meus amigos blogueiros???? A minha amiga Garota Bossa Nova também fechou a mercearia. Já vi outros seguindo o mesmo caminho. Puxa... Que triste...
Caro mestre Moacy, espero que reconsidere. Agora que acabei o projeto em que estava envolvido e estou voltando a blogar, queria ver meus amigos novamente escrevendo.
Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

Sergio Andrade disse...

Meu caro, como você sabe já tive meu momento de afastamento da blogosfera. Mas como o bichinho do blog teima em não nos abandonar, tenho certeza que logo o teremos de volta. Tudo de bom pra você!

Um abraço.

Anônimo disse...

Até breve, meu Amigo.
Minha palavras são as de um "Fragmentos de Um Discurso Amoroso", de Barthes

“ ou ainda: tal, não é o amigo? Aquele que pode se afastar um instante sem que sua imagem d]se destrua? “ Éramos amigos e nos tornamos estranhos um ao outro. Mas é bom que seja assim, e não o procuraremos dissimular sem disfarçar, como de devêssemos ter vergonha disso. Como dois navios que seguem cada um sem rumo e seu próprio objetivo: assim sem duvida poderemos nos encontrar e celebrar festas entre nós como já fizemos antes- e então os bons navios repousavam lado a lado no mesmo porto, sob o sol, tão tranqüilos que se poderia dizer que já tinham chegado ao seu objetivo e tivessem tido a mesma destinação. Mas em seguida o apelo irresistível da nossa missão nos levaria de novo um para longe do outro, cada um sobre mares , rumo a passagens, sob sóis diferentes – talvez para nunca mais nos revermos, talvez para nos revermos uma vez mais, mas sem nos reconhecermos: mares e sós diferentes provavelmente nos fizeram mudar! “

damata

BAR DO BARDO disse...

Boa sorte!

Namastê!

Jarbas Martins disse...

Volta, Velho Moá.

Francisco Sobreira disse...

Moacy,
Suponho que o seu afastamento seja por afastamento de saúde. Então, espero que você se recupere bem e com a possível brevidade. Um abraço.

Francisco Sobreira disse...

Retificando: o seu afastamento seja por questão de saúde.

Bar de Ferreirinha 50 anos, desde 1959 disse...

Moacy,
Tá mais parecendo uma pegadinha do Balaio.
Tomara que seja.
Amanhã eu abro a net e vou direto no Balaio pra ver se é mesmo verdade.
Abraço Moacy,
Roberto

Dilberto L. Rosa disse...

O quê?! Mas... Estava eu já chegando embaixo do arqueduto e cortando o xique-xique para matar um pouco da sede de tua Caicó efervescente e eis que você já picou a mula?! Que coisa: volte logo, meu caro! Abração!

Anônimo disse...

Ainda bem que é temporariamente, meu amigo. Espero que seja por tempo brevíssimo.Fará uma falta enorme. Força sempre, grande Moacy. abs
Tácito Costa

Bosco Sobreira disse...

Meu carissimo Moacy,
Seja qual for a razão que tudo seja resolvido pleno e rapidamente.
Um forte abraço,

Maria Vieira disse...

espero o balaio voltar. pacientemente. boa sorte! beijos.

C.Pinho disse...

grande moacy, bem bolada passagem dos três mil balaios, ainda mais com essa imagem de nossos espinhos ressecados apontado para uma cidade ladeada de açude e pedras e nos fundos as serras cobrindo o horizonte. ou estarei vendo coisas? que seja uma bela comemoração!

Bené Chaves disse...

Moacy: se a sua ausência temporária é por motivo de saúde, desejo-lhe uma franca recuperação.

Um abraço...

Antonio Nahud Júnior disse...

Moacy, o seu blog continua muito bom.
Já tá linkado no meu

www.cinzasdiamantes.blogspot.com

Abração!

Antonio disse...

Sou, dizendo que sou,
sendo o que faço.
Digo o oculto,
revelo-me ao dizer a face
que sou e propriamente
desconheço. Dizer
o oculto é trazer à clareira
o que sou, densificar
que sou.

ANTONIO NAHUD JÚNIOR

Jens disse...

Qualé?, professor Moacy.
Não, não e NÃO!!!
Volta logo, pô!

Um abraço.

líria porto disse...

ah, nemmmmmmmm - logo agora que estou doente???

depois eu falo mais.

besos

Mme. S. disse...

"Temporariamente" já é um alento. Mas você está totalmente intimado a voltar logo para nossos braços, viu?

beijos beijos, S.

Eliene Dantas disse...

O Universo Virtual não será o mesmo... sentirei saudade. Beijo carinhoso

Lívio Oliveira disse...

Caro Moacy,

Apesar de não comentar muito, há anos venho acompanhando o seu "Balaio" diariamente e sempre senti muita falta quando precisou fazer pausas. Agora, essa pausa me causou certa perplexidade e, acredito, não somente a mim. As mensagens aqui colocadas já o dizem. Moacy, você tem sido imprescindível à cultura potiguar e brasileira e é preciso que você dê continuidade a isso, seja lá de que forma for, no blog ou fora dele, para que todos tenhamos o alento e a alma pacificada em virtude de seus constantes ensinamentos, como intelectual importante e como ser humano sensível e digno.
Um grande abraço! E, quando puder, volte!

Pedrita disse...

bela foto. q triste, encerra as atividades, puxa, não acredito. beijos, pedrita

Ricardo disse...

Recupere-se, homi, pois por aqui aguardamos seu retorno, tá me intendeno? rsrs Abs, Ricardo

Vais disse...

Saudações Moacy,
ô moço, que tudo se ajeite com relação aos impedimentos que te afastaram deste Balaio
resta esperar, aguardar,
beijo e tudo de bom

Iara Maria Carvalho disse...

Querido Moacy,

entendo o quanto às vezes é necessário esse afastamento, seja por qual motivo for. Eu mesmo tô afastada da blogosfera há algum tempo.

Desejo que essa lonjura seja pra se energizar de novo e tomar posse novamente desse Balaio onde todos nós nos aconchegamos tão liricamente.

Até a volta!

Um beijo!

dade amorim disse...

Moacy, você faz falta. Mas a gente entende e espera que possa voltar logo. De qualquer jeito, fica aqui um beijo e o desejo de que tudo esteja bem contigo.

Meg disse...

Moacy,

Só espero que a sua ausência não seja por motivos graves.
Um grande abraço, AMIGO!

um cheiro

E volte logo!

Mirse Maria disse...

Os sinos dobram, Moa!
Só a saudade...soa!

Beijos

Mirse

Vivi Fernandes de Lima disse...

Me dê a localização certinha, latitude e longitude, que eu corro pra essa ilha.
Já estou com saudade...
beijos

Mirse Maria disse...

Será que se chegar aos 3000 comentários voce volta, Mestre?


Beijos

Mirse

Maria Muadiê disse...

Esse balaio é muito bacana! Parabéns por ele.
Espero que volte com este ou outro balaio...
abraço,
Martha

Girlane Machado disse...

o "temporariamente" abriu um vazio enorme nos meus dias...

Espero que seja breve seu retorno e porreta como sempre!

Muita luz.

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Recuso-me a acreditar!!!
Com saudades esperamos sua volta.
Kandandu

líria porto disse...

caro moacy
estou desolada - só agora consigo expressar o meu grande pesar pelo encerramento do balaio - uma página de altíssima qualidade capitaneada por ti! espero que seja por pouco tempo e que retornes com todo o ânimo!

gosto muito de ti - obrigada por tudo.
besos

Pablo Capistrano disse...

Sentimentos de vazio e orfandade sem o Balaio.
Espero que o espremedor do tempo encurte essa distância.

um abração mestre Moacy

Cosmunicando disse...

Moa,
o que dizer deste comunicado?
ontem mesmo estava me cobrando a falta de tempo de passar aqui e me fartar de poesia da boa, e das sacações maravilhosas deste balaio... a torcida pra que a tua ausência seja breve é grande.

no mais, meu carinho imenso, junto com toda essa galera acima, e a gratidão.

um beijo!

Maria Maria disse...

Por favor, Moacy, não vá muito longe, não.

Volte logo!Obrigadíssima por tudo!!!!!

Beijos,

Maria Maria

Alex de Souza disse...

Professor, que porra é essa! Sem mais Balaios não dá. Volta aí, vai...

Alexandre disse...

Pô, Moacy! Ainda bem que é "temporariamente"! Faça o favor de voltar logo. Um abração, Alexandre.

Lisbeth Lima disse...

Moacy,
que a a pausa seja breve, que o motivo seja leve.
Um abraço, Lisbeth

betina moraes disse...

está me fazendo falta....

Paulo Patriota disse...

Cheio de graça,Sua Excelência,a Porretanidade,foi ali com seu balaio,mas voltará com um caçuá mais desmedido ainda de generosidade da bexiga lixa.

Moacy esborrota sabedoria pra tudo quanto é lado,arra gota serena. Jamais afolozaria com seus súditos,oxe,"ma minino"!

Virado "num mói" de coentro,azuretado,daqui de Pernambuco o acesso desde as priscas eras para dar gaitadas e ficar matutando com os deslindes de lindeza que ele sempre fincou no seu espaço espaçoso.

No momento,meus olhos não chegam a ficar rasos d'água pela brecha que ele deixou,mas neles flutuam os estilhaços de uma saudade arretada!

Volta,Moa,com teu barco adernado de lembranças...

Inté logo,macho véi!

nina rizzi disse...

que bonito. todo mundo sente falta do teu afeto.

num abraço coletivo, camarada: volta!

líria porto disse...

quando em vez eu volto e te peocuro...
besos

Adriana Karnal disse...

Moacy,
ainda não voltaste???cadê vc?
é um clamor coletivo: volta!!!

C.Pinho disse...

510 anos do descobrimento, 3.000 balaios, e tu inventas de desaparecer deixando para trás um rosário de espinhos ressecados. Malvado. Nem rastros de cangaceiros, quiçá Pilão-deitado no fogo cruzado de pedreiras. Trancou-se o belém; bem-bem; vem-vem; nem, nem; vintém; amém...hem?

Debby disse...

Que seja curta enquanto dure a sua ausência aqui!
O povo clama pelo seu retorno!
Até breve!

Hugs

líria porto disse...

moacyyyyyyyyy...

besos

Vais disse...

Saudações Moacy Cirne,
saudades que dá
a falta
da porretisse deste Balaio
a espera
por um retorno
beijos

Jeanne Araujo disse...

mestre, saudades de ti, aqui, de longe, vendo apenas suas palavras e agora, sentindo falta delas.

Obrigada por td.

Grande bjo e volte logo!

Cláudia Magalhães disse...

Moacy, cadê vc? Eu vim aqui só pra te ler! (rsrsrs) Espero que volte logo com esse Balaio PORRETA! Ele faz uma falta danada, meu rei! Que a tua ausência seja breve!

Fica aqui meu carinho e minha gratidão.

Beijos, amigo.

Cláudia Magalhães disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cláudia Magalhães disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcelo Novaes disse...

Moa,


O primeiro poema já te apresentava com precisão.



Estamos por perto.





Abração.

ORENY JÚNIOR disse...

o balaio é silêncio
sem grito de gol
do fluminense
maraca cheinho
nense
nense
aguardo o segundo tempo
do jogo

Nydia Bonetti disse...

Nós é que temos a agradecer, Moacy. Também acho que o Longitudes precisa de um tempo. Não sei ainda... beijo e luz.

líria porto disse...

não deixarei de vir - eu sei que num dia qualquer te reencontro...
besos

Decio Bettencourt Mateus disse...

Esperar que o nosso Moacy esteja bem. Depois aguardá-lo neste ou noutro formato.
Por aqui aprendi muita poesia e coisa nova e pessoas. E muita diversidade e amizade. Por aqui percebe-se um grande coração. Agradecimentos verdadeiros.

Kandadu amigo.

LisbethLima disse...

Moacy,
saudades de ti!
Um abraço, Lisbeth

Assis Freitas disse...

Valeu Flu!

Marcos disse...

Amigos e amigas:

E se a gente virasse posseiro deste blog via espaço dos comentários? Todo dia a gente manda mensagens, poemas etc. Em homenagem ao Moacy e a nós mesmos.
Abraços para todos e todas?

Marcos Silva

nina rizzi disse...

boa marcos. lá vai:

outro estudo pra o silêncio
nina rizzi

a perene lembrança do teu nome desagua, diáfana,
nas nascentes do meu rio mais comprido.
*

Marcos disse...

Nina e demais amigos:

Segue uma versão minha para a canção norte-americana clássica "Georgia on my mind":

NATAIS DE MEUS AIS.
(Georgia on my mind)

Texto original, em inglês, de Stuart Gorrell.
Música de Hoagy Carmichael.
Versão em português de Marcos Silva.

Natal, Natais,
De mim não sais.
Doce canção te traz,
Natais de meus ais.

Natal, Natais,
Tua canção.
Luar nos coqueirais,
E o sabor do verão.

Mil abraços por aqui,
Doce olhar carícias sorri,
Mas a paz do sonho em si
Sempre vai p’ra ti.

Natal, Natais,
Não tenho paz.
Doce canção te traz,
Natais de meus ais.

Mil abraços por aqui,
Doce olhar carícias sorri,
Mas a paz do sonho em si
Sempre vai p’ra ti.

Natal, Natais,
Não tenho paz.
Doce canção te traz,
Natais de meus ais.

Abraços para todos e todas:

Marcos Silva

Jarbas Martins disse...

Valeu, Marcos.Natal é blues como, aliás, você já fez referência em uma bela exposição aqui.É fado como Eduardo Medeiros e Othoniel Menezes assinalaram. Cantemos a melancolia como gosta de dizer Franklin Jorge.

Anônimo disse...

Amigo, amigo velho
Chamo-te assim pq nao saberia dizer diferente. Voce que uniu Caicó ao mundo. Voce que é o maior antologista da poesia norte-riograndense, receba meu abraço nesse final de maio.
Amigo, caro amigo.
Não vou mentir e dizer que gosto de voce calado. Embora respeite todos os silencios. Eles tb são eloquentes.
Moa moa Moacy
Natal, Caicó , Mossoró
O Brasil inteiro chama por Ti

damata

Marcos disse...

Amigos e amigas:

Relendo a Ilíada (Homero), logo na abertura do Canto I - Ménis, a ira de Aquiles, fiquei novamente fascinado com os versos:
"A Ira, Deusa, celebra do Peleio Aquiles / o irado desvario, que aos aqueus tantas penas / trouxe , e incontáveis almas arrojou no Hades / de valentes, de heróis, espólio para os cães." (tradução de Haroldo de Campos)
Impressiona-me especialmente a imagem "espólio para os cães": literalmente, carne humana comida pelos animais; figuradamente, o que sobrou para os vencedores, que ficam com o espólio - um monte de cadáveres.
Nestes tempos de outros guerras, em andamento ou anunciadas, assombra ver quanto a Poesia vê longe.
Abraços a todos e todas:

Marcos Silva

Anônimo disse...

"Vem, amado meu,
embriaguemo-nos de seridolências,
embriaguemo-nos de crepúsculos,
embriaguemo-nos de anoitecências
e gozemos das carícias desejadas
até que surja a aurora abismada" Moacy Cirne

Abraços,
Edjane

nina rizzi disse...

poema impossível, dionises variegada
nina rizzi

lançar meu corpo ao cimo
e alcançar teu nome, abismo.
*

Marcos disse...

Amigos e amigas:

Uma das mais belas canções do disco "Tropicália ou Panis et circensis" (1968) é "Lindonéia", de Caetano Veloso e Gilberto Gil. Aquela gravação original foi obra de Nara Leão, com arranjo de Rogério Duprat. Há poucos anos, a canção foi regravada por Fernanda Takai, num cd em homenagem ao repertório de Nara. A letra de "Lindonéia", feita a partir de pedido de Nara, inspirada em obra visual de Rubens Guerchman, tem afinidades poéticas com "Carolina", de Chico Buarque, e "Eleanor Rigby", de Lennonn e MacCartney:

Na frente do espelho
Sem que ninguém a visse
Miss
Linda, feia
Lindonéia desaparecida

Despedaçados, atropelados
Cachorros mortos nas ruas
Policiais vigiando
O sol batendo nas frutas
Sangrando
Ai, meu amor
A solidão vai me matar de dor

Lindonéia, cor parda
Fruta na feira
Lindonéia solteira
Lindonéia, domingo, segunda-feira
Lindonéia desaparecida
Na igreja, no andor
Lindonéia desaparecida
Na preguiça, no progresso
Lindonéia desaparecida
Nas paradas de sucesso
Ai, meu amor
A solidão vai me matar de dor

No avesso do espelho
Mas desaparecida
Ela aparece na fotografia
Do outro lado da vida

xxx

Abraços para todos e todas:

Marcos Silva

Mirze Souza disse...

Moacy


Sei que talvez nem leia, mas quero passar minha alegria, a alegria que senti por você, ao ver flamejando a bandeira do seu FLUZÃO!

Gritarias nas ruas, e "VERT, BLANC ET ROUGE"


Parabéns, cara!

Beijos

Mirze

nina rizzi disse...

noturno da rua da glória
nina rizzi

há centenas de esquinas esperando,
prontas pra ouvir - te amo.

mas ele, não mais, nunca mais
me diz - puta.
*

Anônimo disse...

Literatura
Moacy cirne
1. Dom Quixote (Cervantes)
2. As aventuras de Tom Jones (Fielding)
3. O vermelho e o negro (Stendhal)
4. Grande sertão: veredas (Guimarães Rosa)
5. Moby Dick (Melville)
6. A educação sentimental (Flaubert)
7. Os demônios (Dostoiévski)
8. O pai Goriot (Balzac)
9. Tristram Shandy (Sterne)
10. Ulisses (Joyce)

Por Edjane

orlando pinhº d-silva disse...

volte logo!

grande abraço!!!

nina rizzi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
nina rizzi disse...

ces't lavi-nia
nina rizzi

ô, guita, ô:
foi de tlêis, foi de tlêis
que o fulü ganhô!
*

Anônimo disse...

No Balaio

Por João da Mata

saudades de Moa


Entre um Balaio e o outro o Nexo.
O Sexo O Sexo O sexo
Sem Nexo Sem Nexo Sem Nexo.

No Balaio
Versos
Dispersos
Procuro
Entre a vida
e a morte
O nexo
O sexo
Nex
Nex
Nex

Comente8 de junho

líria porto disse...

volto re-volto - e o cacto da foto me espinha os olhos...
besos

Marcos disse...

Líria:

Cactos têm espinhos e flores. Bonitas flores.
Abraços:

Marcos Silva

nina rizzi disse...

PRIMEIROS ENCONTROS
Arsênyi Aleksándrovitch Tarkóvski (pai do cineasta Andrêi Tarkóvski, 1907-1989)

Celebramos cada momento
De nossos encontros como epifanias.
Só nós dois, neste mundo inteiro.
Mais ousada e leve do que a asa de um pássaro,
Desceste, velozmente,
Pela escada abaixo, levando-me,
Através da tua néboa de violetas, para os teus domínios
Por trás do espelho.
Quando a noite caiu, a graça me foi concedida,
Os portões do santuário se abriram;
Brilhando na escurião,
A tua nudez inclinou-se lentamente para mim.
Ao despertar, eu disse:
"Deus te abençoe!", sabendo
Estar sendo ousado: tu dormias,
As violetas inclinavam-se para ti da mesinha de cabeceira,
Para tocar tuas pálpebras com seu azul universal;
E as tuas pálpebras, que o azul roçava apenas,
Estavam em paz, e estava quente a tua mão.
E no cristal eu vi os rios pulsando,
Colinas coroadas de neblina e mares resplandescentes.
Segurando na mão essa esfera de cristal,
Era num trono que dormias
E - Deus seja louvado! - tu me pertencias.
Despertando, modificaste
O dicionário das enfadonhas palavras humanas,
Até que o discurso tivesse nova plenitude e, por toda parte,
Ressoasse com força nova; e a palavra "tu"
Revelasse o seu significado novo: queria dizer "rei".
Todas as coisas no mundo ficaram diferentes,
Até mesmo as mais simples - a bilha, a bacia -
Quando a água estratificada e sólida
Ergueu-se entre nós, como uma guardiã.
Fomos levados para só Deus sabe onde.
Diante de nós, descortinava-se, como uma miragem,
Cidades feitas de maravilha.
Folhas de hortelã espalhavam-se a nossos pés,
Pássaros vinham acompanhar-nos em nossa jornada,
Peixes salatavam do rio para nos saudar,
E o céu desenrolava-se, acima de nós, como um tapete...
Enquanto isso, atrás de nós, o tempo transformava-se em destino,
Como um louco brandindo uma navalha.
*

Anônimo disse...

Entre o fim e o começo há o encontro. Lindo resgate, Nina. Mereceu o filho que teve.


|P|O|E|M|A|
Moacy Cirne


no poço da bonita

-venturas acauãs -

sonhemos o poema

e o inventário dos amanheceres


no poço da moça

-linguagens seridolãs -

construamos o poema

e a alegria das palavras


no poço de santana

-lembranças tananãs -

sonhemos o poema

e a catedral dos entardeceres

Ines Mota disse...

Eu também já me despedi e retornei.Voltei a despedir-me e quem sabe, ainda volte.

Esperarei.Por mim e por você.
Beijos.

Marcos disse...

Amigos e amigas:

Antonio Maria foi famoso cronista e também autor de belas letras de canções. Reproduzo uma das mais bonitas, parceria com Ismael Neto, gravações arrasadoras de Dolores Duran e Sylvia Telles (a mãe):

Canção da volta

Nunca mais vou fazer
O que o meu coração pedir.
Nunca mais vou ouvir
O que o meu coração mandar.
O coração fala muito
E não sabe ajudar.
Sem refletir
Qualquer um vai errar, penar.

Eu fiz mal em fugir,
Eu fiz mal em sair
Do que eu tinha em você
E errei em dizer
Que não voltava mais,
Nunca mais.

Hoje eu volto vencida
A pedir pra ficar aqui.
Meu lugar é aqui:
Faz de conta que eu não saí.

Abraços para todos e todas:

Marcos Silva

Lisbeth Lima disse...

Moacy,
cansar de vir não vou.
Venha!
Um abraço, Lisbeth

PS. Para Moacy:

FITA
Vejo aqui cinema,
vejo você!

nina rizzi disse...

antipoema
nina rizzi

pra porra c'o lirismo:
poesia concreta
é teu pau ereto por entre
minhas gretas e becos.
*

Marcos disse...

Nina:

Se o pau entre gretas e becos for anti-poema, o que é poema?

Marcos Silva

putas resolutas disse...

entro saio - continuo em teu raio de ação - besos

nina rizzi disse...

cirandinha

h.g. wells com sua "ilha do doutor moreau inspirou
adolfo bioy casares, na sua "invenção de morel"
que inspirou alain resnais em seu "ano passado marienbad.

e michel houellebecq, inspirado inspira:


La possibilité d'une île
Michel Houellebecq

Ma vie ma vie ma très ancienne
Mon remier voeu mal refermé
Mon premer amour infirmé,
Il a fallu que tu reviennes.

II a fallu que je connaisse
Ce que la vie a de meilleur,
Quand deux corps jouent de leur bonheur
Et sans fin s'unissent et renaissent.

Entrée en dépendance entière.
Je sais le tremblement de l'être
L'hésitation à disparaître,
Le soleil qui frappe en lisière

Et I'amour où tout est facile,
Où tout est donné dans l'instant;
II existe au milleu du temps
La possibilité d'une île.
*

A Possibilidade de Uma Ilha
Minha vida, minha vida, meu velho,
Meu primeiro voto mal fechado
Meu primeiro amor invalidado,
É necessário que você volte.

É necessário que eu saiba
O que vida tem de melhor,
Quando dois corpos jogam sua felicidade
E sem fim se unem e renascem.

Entrando em dependência inteira.
Eu sei o tremor de ser
A hesitação para desaparecer,
O sol que bate na janela

E no amor onde tudo é fácil,
Onde tudo é determinado no momento;
Existe ao meio do tempo
A possibilidade de uma ilha.
*

Jens disse...

Pô, este temporário tá demorando muito. Estou em crise de abstinência. VOLTA!!!

Marcos A. Felipe disse...

Moacy
Espero que esteja tudo bem com você. Fiquei triste, depois de tanto tempo, quando entrei e vi a mensagem de afastamento. Aguardamos o retorno.
Abraço

Marcos disse...

Amigos e amigas:

O Balaio dos posseiros está crescendo. Não vamos deixar a peteca cair.
Abraços em todos e todas:

Marcos Silva

nina rizzi disse...

E A MORTE NÃO TERÁ NENHUM DOMÍNIO
Dylan Thomas; trad. Ivan Junqueira

E a morte não terá nenhum domínio.
Nus, os mortos irão se confundir
Com o homem no vento e a lua do poente;
Quando seus alvos ossos descarnados se tornarem pó,
Haverão de brilhar as estrelas em seus pés e cotovelos;
Ainda que enlouqueçam, permanecerão lúcidos,
Ainda que submersos pelo mar, haverão de ressurgir;
Ainda que os amantes se percam, o amor persistirá;
E a morte não terá nenhum domínio.

E a morte não terá nenhum domínio.
Aqueles que há muito repousam sob as dobras do mar
Não morrerão com a chegada do vento;
Contorcendo-se em martírios quando romperem os tendões,
Acorrentados à roda da tortura, jamais se partirão;
Em suas mãos, a fé irá fender-se em duas,
E as maldades do unicórnio os atravessarão;
Espedaçados por completo, eles não se quebrarão.
E a morte não terá nenhum domínio.

E a morte não terá nenhum domínio.
Não mais irão gritar as gaivotas aos seus ouvidos
Nem se quebrar com fragor as ondas nas areias;
Onde uma flor desabrochou não poderá nenhuma outra
Erguer sua corola para as rajadas da chuva;
Ainda que estejam mortas e loucas, suas cabeças
Haverão de enterrar-se como pregos através das margaridas,
Irrompendo no sol até que o sol se ponha.
E a morte não terá nenhum domínio.
*

Jarbas Martins disse...

Estou aqui como um posseiro também, Marcos.Pode contar comigo.

Anônimo disse...

CANTO PARA UM AUTO ANUNCIADO
Moacy Cirne
para Paulo Jorge Dumaresq,
Ricardo Canela
e o elenco do Auto de Natal 2005

um gesto
dois gestos três gestos mil gestações
olhares e olhares
movimentos que se deslumbram cenografias
acácias, cajus e estrelalãs
prenunciando a noitedezembro
de nossas emoções
amanhecências sobre potengis menstruados
um som
dois sons três sons mil sonhos bocas e bocas
vogais que se encantam geografias
bogaris, graviolas e planetários
anunciando a noitedezembro
de nossas paixões
amanhecências sobre potengis incendiados

Por Edjane

WELLINGTON GUIMARÃES disse...

SAUDADES DE TU VÉIO.

Marcos disse...

Amigos e amigas:

Segue uma versão minha para "Something", de George Harrisson:

Algo nesse ser.

(versão de Marcos Silva para "Something", de George Harrisson).

Algo nesse ser, amor:
Ela me atrai, não sei por quê.
Algo nesse jeito, amor.

Não quero perdê-la já,
Eu creio no amor p'ra já.

Algo em seu riso, amor:
Não quero outra e sei porque.
Algo em seu modo, amor.

Não quero perdê-la já,
Eu creio no amor p'ra já.

E esse amor só crescerá?
Não sei não, não sei não.
E quem ficar então verá?
Não sei não, não sei não.

Algo em seu jeito, amor:
Quero pensar mais nesse ser.
Algo em seu modo, amor.

Não quero perdê-la já,
Eu creio no amor p'ra já.

nina rizzi disse...

execelente, marcos. aproveitei para ler um comentário seu sobre a tradução, feito no bar papo furado e reproduzido aqui no balaio. e me inspiro:

L’ ETOILE A PLEURE ROSE...
Arthur Rimbaud

L’ étoile a pleuré rose au couer de tes oreilles,
L’ infini roulé blanc de ta nuque à tes reins :
La mer a perlé rousse à tes mammes vermeilles
Et l’Homme saigné noir à ton flanc souverain.
*

A ESTRELA CHOROU ROSA...
trad. Nina Rizzi

A estrela chorou rosa ao coração sensível de suas orelhas,
O infinito rolou branco do seu pescoço para o seu lombo:
O mar tem seus mamilos roxos em vermilhidão
E o Homem sangrou negro ao seu lado real.
*

beijos.

líria porto disse...

é o que nos cabe neste latifúndio...

saudades, moa! saudades jarbas!
besos

Jarbas Martins disse...

saudades líria porto, saudades moá...

Marcos disse...

TROCA TROCA COM NINA

A estrela chorou rosa...

Poema de Arthur Rimbaud.
Tradução de Marcos Silva

A estrela chorou rosa no cor de tuas orelhas,
O infinito rolou branco da nuca ao teu rim;
O mar perolou rubro tuas mamas vermelhas
E o homem sangrou breu teu flanco mandarim.

Domingos da Mota disse...

Caro Moacy Cirne,

Belo o seu primeiro poema.
E, como vê, contrariando o poeta, a ilha transformou-se num continente de muitas vozes (e de sinos), não a dobrar, mas a tocar a rebate, querendo a continuação do seu Balaio.
Deste lado do oceano, estou-lhe grato pelo muito que aprendi neste seu espaço, sobre o Brasil e a sua riquíssima cultura.
Um até breve, espero.

Vais disse...

Saudações Moacy Cirne,
mas, moço, que distância arretada é essa?
Mando prati esta belíssima composição com a querência de que você retorne
grande abraço

O TRENZINHO DO CAIPIRA
(Heitor Villa-Lobos e Ferreira Goulart)
Lá vai o trem com o menino,
Lá vai a vida a rodar
Lá vai ciranda e destino,
Cidade e noite a girar
Lá vai o trem sem destino,
Pro dia novo encontrar
Correndo vai pela terra,
Vai pela serra,
Vai pelo mar ...
Cantando pela serra do luar ...
Correndo entre as estrelas a voar...

nina rizzi disse...

bandeiriana, pensando em cecília m.c.
nina rizzi

te chamasse irmã, irmão, que sabia eu
além da palavra encardida, a primeva verdade?

te chamasse irmão, irmã, saberia aquém
o eu te amo como um pássaro morto?

te chamasse e aceitasse, amor,
tudo ia e vinha, belobelo, água forte.

uma rua de auroras, união
de todas as verdades. belas, ásperas. in-findas.
*

Anônimo disse...

"Com a madrugada, emigram os ventos,levando-te à janela as harmonias de cantos secretos. Delicias-te em sono e não percebes ou ouves a voz dos ventos. Quando busco o impossível me transformo. Desperta e entende a voz dos ventos."
Auto de Natal/2005 - Moacy Cirne

Por Edjane

Anônimo disse...

This will astonish you!
It`s in the interest of as all!

ZEITGEIST: ADDENDUM

Money as debt


Technological breakthrough


HydrogenCar

Magnetic energy

Electrolyzed water

Soladey eco

Bio washball

Solar Air Conditioning

AMAZING!!

OZONATED WATER: CURE ANYTHING!

http://www.stoptherobbery.com/

Cancer is a fungus

ultraviolet light

Projecto Alexandra Solnado

Conversations with God website

Conversations with God

Project Camelot

Monatomic Gold

Dangerous to your health!

EXITOTOXINS

Monosodium glutamate (MSG)
Aluninum
Aspartame
Mercury


IMPORTANT TO WATCH

Flouride in water
Flouride Alert

Osmosis
Housetron

sandra camurça disse...

Saudades, Menino, saudades...

Mme. S. disse...

ô saudade matadeira!

nina rizzi disse...

ária pra contralto em mi bemol
nina rizzi

o fogo que me escorre do lábio, senhor?

a tua mão.
a que me tira o boldo e o gengibre.
*

líria porto disse...

donde andarás, camarada?
besos

dia 23 estarei na tua caicó...

nina rizzi disse...

de quinamuiú
nina rizzi

trici, são águas ou paralelepípedos
às tuas margens que me serram?
*

líria porto disse...

se eu sumir num potiguar
líria porto

voar
asas de metal
ir a natal ver
o mar

depois ser_tão
caicó festa de sant'ana
pituleira ferreirinha bibica
chico doido (nina rizzi lavínia)
itans seridó
serra de borborema
ruas e calçadas
de moacy cirne

ter cactus n'alma
saudades
desconhecidas

*

Anônimo disse...

CAICÓ
Moacy Cirne


a cidade, de sol a sol,
principia pelo fim
no poço que, sant'ana, a protege

a cidade, de açude em açude,
afoga os minerais
nas pescarias noturnas transparências

a cidade, de sábado a sábado,
completa o sertão
com seus horizontes mágicos cordéis

a cidade, de rua em rua,
transborda de amor
nos becos bêbados botequins

a cidade, de ponte a ponte,
margeia os rios
da memória fluvial seridó

a cidade, de pedra em pedra,
constrói o branco
de seu silêncio limpo fugidio

a cidade, de festa a festa,
recolhe os frutos
da noite que, sant'ana, se faz julho

Por Edjane

Cássio Amaral disse...

Mestre Moa,

Vim aqui porque estou com saudade sua.

Abração.

luma carvalho disse...

pena estar de partida...

beijos com sabor de "saudades e quando voltar, venha porreta!"

luciana
luma
lua

Marcos disse...

Amigos e amigas:

Apresentarei no dia 27 de julho, terça-feira, 16 horas, junto com Joel Carvalho, o espetáculo musical "Da nação potiguar", com músicas que compusemos juntos desde o fim dos anos 60. Quem estiver em Natal, apareça na Praça da Reitoria (Campus da UFRN).
Abraços:

Marcos Silva

Anônimo disse...

im running ios 4.3e and have bootmii dvdx and loads of other homebrews install but the homebrew channel doesnt show up (as a channel)
ive tried reinstalling but it still doesnt show how do i fix

4.3 erases homebrewchannel at startup so you need to install Priiloader and enable the hack that says "Enable: Block Disk Update, Block Online Update, No-Delete HAXX,JODI,DVDX,DISC,DISK,RZDx"

C.Pinho disse...

CARAMBA!!!

Marcos disse...

Amigos e amigas:

Um daqueles antigos seriados japoneses televisivos de ficção em branco e preto incluía personagens incas venusianos. Acho que aquele anônimo é do mesmo planeta - não confundir com anônimo veneziano.
Abraços:

Marcos Silva

líria porto disse...

agora sim, estive em caicó!
besos

Flávio Corrêa de Mello disse...

Olá Moacy,

agora que voltei.. você saiu?

Bem, espero seu retorno!

nina rizzi disse...

contrassamba pra cartola em ritmo de caymmi
nina rizzi

digo sim
esse teu nome
que me acorda
tristeza sem fim

mas eu não vou me magoar
te dou o ar
'inda que fosse de yemanjá

adeus amor
volto pra casa
vou pro paraíso
fazer minha caminha de noiva

nu mar
*

Anônimo disse...

O PAI MORTO
Moacy Cirne

O que fazer diante do pai morto?
Chorar
pelo sertão derramado de suas lembranças
mais íntimas?

O que fazer diante do pai morto?
Chorar
Pelos licores e mulheres que sempre
o encantaram?

O que fazer diante do pai morto?
Chorar
pelas pescarias noturnas que o marcaram
e não voltam mais?

O que fazer diante do pai morto?
Chorar,
simplesmente chorar.
E renascer através da memória
de seus gestos
de seus silêncios
de seus afetos

Por Edjane

3331988 disse...

grande Moacy.

nina rizzi disse...

eu gostava
nina rizzi

de ter os cabelos em fogaréu
pra merecer mais que fantasias
- todos os poemas, amanhãs.

líria porto disse...

vez por outra tenho notícias tuas - e morro de saudades do balaio!
besos

betina moraes disse...

...saudades...

nina rizzi disse...

é hoje, né? 24 anos. faz pena esse silêncio pascalino. vida longa ao balaio.

um beijo, viu?!

nina rizzi disse...

"tum tum tum se eu caio eu caio dentro do balaio..."

http://www.youtube.com/watch?v=MYfuBOoFBTI

beijos.

líria porto disse...

donde tu, hombre de díos - só hombre, eu sei, mas a sonoridade é boa.

besos

nina rizzi disse...

"é preciso ser docemente experimental"

uma arte experimental, requer uma vida tal&qual.

http://www.youtube.com/watch?v=7EhyhtB4oXo

nina rizzi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ane Brasil disse...

??????????? como assim vai acabar o balaio?????
E eu chego aqui cheia de saudade, de expectativa e recebo esse balde de água fria?
E o que vai ser agora? cesto? mala? sacola?
Alguma coisa porreta tem que pintar, Moacy!
Sorte e saúde pra todos!

putas resolutas disse...

'dia, moa - pra deixar um cheiro...
besos

Anônimo disse...

You are mistaken. I suggest it to discuss. Write to me in PM, we will talk.

C.Pinho disse...

Balaio Porreta 1986 3000 chega à casa dos 180 contados desde os 22 do 04. Lógico, numerológico.

AL-Chaer disse...

Grande Moacy Cirne !!!

Vamos ficando ALqui, ALguardando.

AL-Braços
AL-Chaer

Fanzine Episódio Cultural disse...

O Fanzine Episódio Cultural é uma jornal bimestral (Machado-MG/Brasil) sem fins lucrativos distribuído gratuitamente em várias instituições culturais, entre elas: Casa das Rosas (SP/SP), Inst. Moreira Salles (Poços de Caldas-MG) e Cia Bella de Artes (Poços de Caldas-MG). De acordo com o editor e poeta mineiro Carlos Roberto de Souza (Agamenon Troyan), “o objetivo é enfocar assuntos relacionados à cultura, e oferecer um espaço gratuito para que escritores, poetas, atores, dramaturgos, artistas plásticos, músicos, jornalistas... possam divulgar suas expressões artísticas”.

Adrianna Coelho disse...

como sinto saudade!!