sábado, 30 de junho de 2007


Foto: Marcio Machado
[ in Engenhão ]

Vença o Fluminense, vença o Botafogo,
ao que tudo indica teremos hoje,
inaugurando o belo Engenhão,
uma festa inesquecível:
marcarei presença,
naturalmente.



BALAIO PORRETA 1986
nº 2049
Rio, 30 de junho de 2007



MEMÓRIA TRICOLOR
Moacy Cirne
[ in Cinema Pax. Rio/Natal, 1983 ]

nos idos de 54
um suicídio abalava o país
e a criança que eu era
só tinha olhos para
os filmes de carlitos
os gibis do fantasma
e o fluminense de
castilho
píndaro
e pinheiro.

nos idos de 54
um suicídio abalava o país.



A BIBLIOTECA DOS MEUS SONHOS
666 livros inesquecíveis (22a / 111)

O profeta tricolor
, de Nelson Rodrigues. São Paulo: Companhia das Letras, 2002, 236p. [] Coletânea das melhores crônicas do genial dramaturgo voltadas pra uma de suas grandes paixões: o Fluminense. Há crônicas verdadeiramente mágicas: A grande noite do ceguinho, Sejamos docemente barrigudos, A incomparável torcida tricolor, A mais doce vitória da terra, A vitória estava escrita há seis mil anos, Chega de humildade, Momento de eternidade, Duelo de paixões, A volta do profeta. Enfim, um livro maravilhoso. E não só para os tricolores.

Botafogo entre o céu e o inferno, de Sérgio Augusto. Rio de Janeiro, 2004, 256p. [] Obra indispensável para aqueles que amam o alvinegro carioca, mas também para todos aqueles que amam o futebol sem preconceitos clubísticos. Com a marca inconfundível do jornalista Sérgio Augusto, há capítulos brilhantes: Cabeça e coração, Petulâncias alvinegras, Estrela solitária, Gilda!, Um cão e um passarinho. Só não entendemos uma coisa: a bigamia do gaúcho Luís Fernando Veríssimo, ao mesmo tempo apaixonado pelo Internacional e pelo Botafogo.

||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||

Quando o Tricolor parecia uma piada, o bom Haroldo [Barbosa] piscou o olho para o Marcelo Soares de Moura : - 'Este é o ano [1969] do Fluminense!'. E do seu olhar vazava luz". (Nelson Rodrigues, in O profeta tricolor, p.162)

O Botafogo é o clube mais passional, mais siciliano, mais calabrês do futebol brasileiro. (Nelson Rodrigues, citado por Sérgio Augusto, in Botafogo entre o céu e o inferno, p.8)

6 comentários:

Francisco Sobreira disse...

Moacy,
Falando do Tricolor, revi "Um Fio de Esperança", de William Wellmann, que vira na minnha adolescência, creio que em 1956. Mas o que esse filme tem a ver com o Flu, há de perguntar algum visitante deste blogue. Há sim e imagino que você, bem informado do time do seu coração saiba. É que o Telê Santana (na época de exibição do filme, chamado apenas pelo prenome) foi apelidado pelos torcedores de "o fio de esperança", por causa do físico franzino e porque era o jogador mais talentoso de um time que não estava bem. Um abraço.

Moacy Cirne disse...

Claro que eu sei, meu caro Sobreira. Aliás, tenho em minha biblioteca o bom "Fio de Esperança - Biografia de Telê Santana", de André Ribeiro (Rio: Gryphus, 2000, 476p.).

Espartilho de Eme disse...

Oi, Moacy, tem coisa nova no blog! Beijos

sandra camurça disse...

Bacana teu poema, Moacy!

***
Quando eu e minha família morávamos no Rio, meu pai torcia pelo Botafogo e eu seguia sua preferência, quando viemos para Recife ele passou a torcer pelo santa Cruz e eis-me tricolor... Será que eu amo meu pai, hein? ;)

Tô torcendo pelo pelo tricolor carioca, viu?

Beijo Grande.

Marco disse...

Embora como toda humanidade saiba que sou apaixonado pelo Flamengo, a impessoalidade que mais amo nesta vida, reconheço a importância destes dois clubes que se enfrentaram ontem no Engenhão. Parabéns ao alvinegro.
Nelson Rodrigues é patrimônio de todas as torcidas, além da tricolor, é claro.
Carpe Diem.

Moacy disse...

É verdade, Marco, Nelson Rodrigues é patrimônio de todas as torcidas. Um abraço.