sexta-feira, 13 de julho de 2007


Será a Eternidade tranqüila como uma foto
de Tomás Kaspar
in Light Harmony?
É possível pensar na Eternidade
como uma rebuscada fantasia barroca
grávida de anoiteceres e azulências?
Ou, para todo o sempre,
existirá apenas através das obras de
Bach, Monteverdi, Charpentier,
Beethoven, Pixinguinha,
Luiz Gonzaga, Dante,
Cervantes, Camões,
Shakespeare,
Van Gogh,
Bosch, Gaudí,
Antonioni, Welles, Godard,
Eisner, Moebius, McCay,
Coltrane, Davis, Parker?


BALAIO PORRETA 1986
nº 2061
Rio, 13 de junho de 2007


"DESENCANTO"
de
Iracema Macedo (RN)
[ in
Lance de dardos, 2000 ]
a Manuel Bandeira

Sou uma mulher vulgar
e faço versos como quem fode
sentindo prazer e dores
Eu faço versos como quem cospe
no bicho morto no meio-fio
sentindo nojo sentindo encanto
Eu rezo terços
e chupo lâminas
E faço versos como quem goza
e gozo como quem glosa


SEBO VERMELHO / CARTACAPITAL

Não é segredo para ninguém: consideramos a CartaCapital a melhor revista semanal brasileira. Pois bem, com indesculpável atraso, informamos com alegria que o número que (ainda) se encontra nas bancas, com data de 11 de julho, tem uma ampla matéria de duas páginas inteiras com Abimael Silva, o editor e sebista natalense do Sebo Vermelho. Um livreiro aventuroso (p.52-53) é o título da matéria.

|||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||

Desejamos ser compreendidos, porque desejamos ser amados, e desejamos ser amados porque amamos. (Marcel PROUST. Em busca do tempo perdido: A fugitiva. Trad. Carlos Drummond de Andrade)

4 comentários:

Guto Melo disse...

Eternamente nu... para poder se vestir de toda monstruosidade.

sandra camurça disse...

Excelente citação. Beijos.

Francisco Sobreira. disse...

Caro Moacy,
As fotos que você está "expondo" em seu blogue estão cada vez melhores. Cada uma rivalizando com a outra em beleza, em arte, em expressividade. Ohe, recebi, há pouco, de Gilberto o DVD de A Regra do Jogo. Um abraço.

Jens disse...

Moacy: estou passando pra desejar um bom findi e, principalmente, para curtir os excelentes e provocantes poemas que publicas frequentemente, como o da Iracema Macedo. Confesso que fico agradavelmente surpreendido com a alta qualidade da poesia que se faz nesse país afora, em especial o pessoal do teu RN, cujos versos vens divulgando.
Deveria ter dito antes, mas digo agora: parabéns pelo excelente trabalho que realizas, que permite que tenhamos contato estes bons poetas - até então desconhecidos para mim, que seguramente nunca os conheceria se tu não os publicasses aqui no Balaio. A poesia agradece.
Um abraço.