segunda-feira, 21 de janeiro de 2008


Poema de
Paulo de Toledo
in
Poesia e outras bobagens


BALAIO PORRETA 1986
n° 2211
Rio, 21 de janeiro de 2008



OLHO NAS PRATELEIRAS
de Carito
[ in Os Poetas Elétricos ]

Aparelho de barbear para peles sensíveis, pasta de dentes para dentes frágeis e gengivas delicadas...

Mas não há nada para corações sensíveis, frágeis, delicados...

Supermercado reeira.


REFLETIR
de Eliene Dantas
[ in ACCAS na Net ]

esquecer
para não esquecer
de me esquecer
o que esquecer
no meu esquecer


A BIBLIOTECA DOS MEUS SONHOS

Poesias completas
, de Joaquim Cardozo. Rio de Janeiro : Civilização Brasileira, 1971, 210p. [] Ainda há leitores para o poeta (pernambucano) de Signo estrelado, de 1960, Trivium, de 1970, e Mundos paralelos, igualmente de 1970. Eu sou um deles. Com seus eventuais grafismos paraconcretos, o que importa mesmo, no poeta-engenheiro Joaquim Cardozo, é a precisão lírica de seus versos. Alguns exemplos:
Sob o caminho de muitas luas
O teu corpo floresceu.
(Menina, p.25)
Cavalos ligeiros
De eriçadas crinas
Por que sobre as ondas
Passais sem parar?
(Espumas do mar, p.37)
Luzia, dos teus cabelos
Farei o vento da noite;
Farei as ondas serenas
De um mar por onde me afoite
Em busca da luz polar;
De tuas graças morenas,
Luzia, por que a ventura
A mim me queres negar?
(Fragmentos de uma conjectura dramática, p.83).
Veja-se, ainda, o lirismo erótico-amoroso que explode neste belo
Poema do amor sem exagero (p.26):
Eu não te quero aqui por muitos anos
Nem por muitos meses ou semanas,
Nem mesmo desejo que passes no meu leito
As horas extensas de uma noite.
Para que tanto Corpo!
Mas ficaria contente se me desses
Por instantes apenas e bastantes
A nudez longínqua e de
pérola
Do teu corpo de nuvem.

7 comentários:

Pedrita disse...

adorei o primeiro poema, permite várias leituras, incrível. beijos, pedrita

Francisco Sobreira disse...

Caro Moacy,
Muita oportuna a divulgação da poesia de Joaquim Cardozo. E vc escolheu versos inspirados. E bastante interessante esse poema de Paulo de Toledo. Abraço.

Carito disse...

Caro Moacy: estou num grato sem cachorro - sem saber como agradecer mais uma vez seu engrandecer os meus divã'neios ao (a)postá-los no Balaio...

Vieira Calado disse...

Achei muito interessante o experimentalismo do Paulo Toledo. Acontece que também pratico a modalidade.

Jens disse...

Putz, edição coxuda do Balaio. Belos poemas.

Marco disse...

Caro mestre Moacy,
voc~e tem extremo bom gosto para escolher poemas. Carpe Diem.

Marcelo F. Carvalho disse...

Paulo Toledo cometeu um poema fantástico!