quinta-feira, 8 de janeiro de 2009


Clique na imagem
para verouvir
Maysa
interpretando
Meu mundo caiu
para a TV japonesa em 1959

(Foto de 1966: autoria não-identificada)


BALAIO PORRETA 1986
n° 2530
Rio, 8 de janeiro de 2009


Outra intérprete importante da época [da bossa nova] foi a MAYSA de Ouça e Meu mundo caiu, mais adiante a primeira a gravar O barquinho, acompanhada do embrionário TAMBA TRIO.
(Tárik de SOUZA, in Brasil musical, 1988)


PREDESTINAÇÃO
Ascenso Ferreira
[ in Xenhenhém, 1951 ]

- Entra pra dentro, Chiquinha!
Entra pra dentro, Chiquinha!
No caminho que você vai
você acaba prostituta!

E ela:
- Deus te ouça, minha mãe...
Deus te ouça...


Memória 2005
13 x 1
com o jornalista AILTON MEDEIROS
[ in Preá, n° 11, Natal, março/abril 2005 ]

Romancista: Gabriel García Márquez
Poeta: Zila Mamede
Livro: Deserto dos tártaros
Filme: Sexo, mentiras e videoteipe
Diretor/cinema: Spike Lee
Ator/atriz: Juliette Binoche
Pintor: Joan Miró
Cantor/cantora: Cazuza
Compositor: Chico Buarque
Música: Todo amor que houver nessa vida
Peça teatral: Vestido de noiva
Intelectual: João Wilson de Mello
Personalidade cultural do RN: Nei Leandro de Castro


Exclusivo para o Balaio
O LIVRO DOS LIVROS (1)
Texto estabelecido por
Fausto Simak da Cunha Azevedo
& Zamagna Borges de Azevedo Bouzon,
com revisão teológica de
Mateus Skrzypczak de Macedo

A origem de tudo

No princípio o Senhor das Alturas criou Caicó e as cidades vizinhas. O rio Seridó estava seco e as trevas cobriam o açude Itans e todo o mundo.

O Senhor das Alturas disse: "Faça-se uma luz da gota serena". E a luz da gota serena se fez. O Senhor das Alturas viu que a luz era boa e Caicó e o mundo se iluminaram, com seus dias e suas noites.

O Senhor das Alturas disse: "Faça-se um firmamento, e se façam a Serra de Mulungu, o açude Gargalheiras, o Poço da Moça, o Poço da Bonita, o Poço de Santana, o sítio Caatinga Grande e a minha Biblioteca de Babel". E assim se fizeram.

E o Senhor das Alturas disse: "Façam-se o sol, a lua, os planetas, a Serra do Doutor, a Serra da Borborema, Natal, Olinda, Martins, Galinhos, Macaíba, Angicos, Santana do Matos, Catolé do Rocha, Recife, Rio de Janeiro, Niterói, São Paulo, Porto Alegre, Ouro Preto, Paris, Lisboa, Luanda e o Fla-Flu". E assim se fez.

E o Senhor das Alturas fez brotar do sertão e das outras terras toda espécie de animais e de árvores com seus frutos atraentes e saborosos: mangas e mangabas, cajus e cajás, pinhas e maçãs, carambolas e maracujás. E o Senhor das Alturas fez mais: criou a canjica, a pamonha, a tapioca, o doce de leite e o pé-de-moleque. E àquele lugar em particular, nas veredas do grande sertão, o Senhor das Alturas deu o nome de Jardim do Seridó. E o Senhor das Alturas gostou do que fez. E o Senhor das Alturas gostou do que por Ele foi criado.

A origem da humanidade

O Senhor das Alturas, sentindo-se depois entediado, formou o Homem da gala da terra e deu-lhe o nome de Severino. E o Senhor das Alturas vendo que o Homem sentia-se solitário e deprimido resolveu criar uma companheira para ele. E do vento das 5 horas da tarde criou a Mulher e deu-lhe o nome de Raimunda. Ambos estavam nus, o homem e a mulher, mas não se envergonhavam.

E o Senhor das Alturas disse: "Vocês tudo podem, só não podem conhecer como funcionam as leis físicas, matemáticas, filosóficas, literárias e biológicas do Universo; ignorem, pois, a minha Biblioteca". Dito isso, foi descansar, depois de almoçar carne-de-sol com macaxeira, feijão de corda, arroz de leite e manteiga do sertão, com direito a três lapadas da cachaça Samanaú.

Severino e Raimunda, vendo que o Senhor das Alturas fora descansar longe dos dois, na Serra de São Bernardo, resolveram, em noite de luar às margens do rio Seridó, se aprofundar em seus contatos físicos, ao som da flauta de Carlos Zens. E viram que era bom. E viram que um e outro podiam se encaixar várias e várias vezes. E viram que era ótimo. E quiseram mais: quiseram conhecer como funcionavam as leis do Universo.

E o Senhor das Alturas, depois de uma soneca que durou mais de 13 anos, não gostou do que viu: Severino, Raimunda e seus dois filhos discutiam as teorias e contrateorias de Platão, Aristóteles, santo Agostinho, Ibn Khaldun, Spinoza, Kant, Marx, Nietzsche, Freud, Einstein, Sartre, Foucault e Chico Doido de Caicó. E outras coisas discutiam. E outras coisas faziam.

E o Senhor das Alturas disse: "Quem domina o conhecimento, domina a essência das coisas. Só eu poderia fazê-lo". E o Senhor das Alturas, raivoso, expulsou-os do Jardim do Seridó, para cultivarem o solo seco do sertão. E o Senhor das Alturas disse: "A partir de hoje não poderão mais consultar a minha Biblioteca de Babel". E o Senhor das Alturas colocou diante do Jardim os seus coronéis do interior, para que o mesmo não fosse invadido pelos sem-terra e sem-moradia, representados por Severino, Raimunda e os dois filhos.

(Continua na próxima semana)

12 comentários:

Jens disse...

Oi Moacy.
Simplesmente deliciosa a origem de tudo a partir de Caicó. Ansioso, aguardo a continuação.(Apesar de que há quem diga que Deus é gaúcho, chimango e maragato (claro, como Deus, não temn partido) e tudo começou aqui, nos pampas.
Um abraço.

Anônimo disse...

Adorei o 1° capítulo do Livro dos Livros. Como vs. sabem, de Gênesia eu entendo. Perguntem a São Gabriel, o arcanjo, ou a Peter Gabriel, o roqueiro. Um maravilhoso 2009 para todos.

Sinval Itacarambi,
revista Imprensa.

romério rômulo disse...

moacy:
bom recordar o ascenso.há um poema em que ele fala do gaúcho em louca cavalgada(pra quê?para nada.),que o paulo autran gostava de declamar.
é uma obra prima.
romério

Francisco Sobreira disse...

Não sei o que houve, Moacy. Não consegui ouvir (só ver) Maysa cantando. Uma pena, principalmente porque desde que foi lançada, nunca mais ouvi "Meu Mundo Caiu". O texto de Ascenso já conhecia. Um abraço.

romério rômulo disse...

moacy:
desconfio que em algum momento o
senhor das alturas terá dito:"faça-se um homem mal humorado".e daí
surgiu o tião nunes.
romério

Sandra Leite disse...

Essa Maysa é tudo!

Marcos disse...

Moacy:

Maysa é uma das maiores entre as maiores. O seriado da Globo se fixa em bebedeiras e namorados, deixando de lado a trabalheira que ela certamente enfrentou para atingir uma voz magnífica como aquela (emissão, expressão) e também uma escrita inteligente, antenada com o ato de ser mulher nos anos 50 e depois.
Abraços:

Marcos Silva

Marcos disse...

Moacy:

Esqueci de dizer: quando gravava outros compositores, Maysa fazia escolhas brilhantes, no nível de "Demais"; e interpretava em francês como poucas e poucos (é possível que o "Ne me quitte pas" dela seja o melhor jamais gravado).
Penso que ela e Nora Ney são figuras magníficas para entender muito do que vem depois no canto feminino brasileiro (e mundial), como Maria Bethânia e Cássia Eller.
Mais abraços:

Marcos Silva

Sandra Porteous disse...

Moa,
Estou gostando muito do Livro dos Livros. Vamos ver o que Severino, Raimunda e os filhos vão fazer depois de expusos do Jardim do Seridó com toda a sabedoria que adquiriram na biblioteca proibida. Sandra

Maria Maria disse...

Oi, Moacy, adorei a imagem de Maísa e essa conversa de marido e mulher é show!
Obrigada pela visita!
Beijos e um poético 2009

Romário Gomes disse...

Mais do que tudo neste Balaio do dia 08 gostei do Livro dos Livros. Parabéns pela proeza de trazer à tona texto ainda tão desconhecido.

Pavitra disse...


demorei a chegar, mas tô aqui, esperando a continuação de "o livro dos livros".

e chiquinha predestinada, rsrsrs
ela vai gostar de ler isso.