domingo, 18 de janeiro de 2009


Foto:
Oleg Novojilov
/fragmento/


BALAIO PORRETA 1986
n° 2540
Rio, 18 de janeiro de 2009

"Todas as idéias religiosas, metafísicas e históricas são, em última análise, produtos de grandes vivências do passado - representações delas"
(Wilhelm DILTHEY, 1929, de Passagens, de Walter Benjamin)


TIRO AO ALVO
Adriana Monteiro de Barros
[ in Das Coisas Que Eu Não Sei ]

Cai a janela
abre o pano
atiram flechas
sou o alvo.
Sou a flecha fincada no buraco negro do alvo
sou flecha fincada no peito
sou flecha fincada e mirada no buraco do peito.
Sou flecha. Sou alvo.
Atirem! Atirem, covardes!
Não irei reagir.
Perdi a coragem arqueada do suicídio.
que ele vá pra longe
que ele seja o alvo de outras flechas fincadas no meu corpo.
Sou flecha andarilha.
Sou flecha que atinge o ápice do alfabeto.
Sou linguagem pura e sem dialética
sou palavra tingida
sou arco de palavras, não de flechas.
Mas me disfarço em lingua afiada
e me retiro quando não há mais palavra...

Há um triste que me tinge
de eclipse

Há um triste que me cinge
de escuros

Há um triste que me cala
de réstias

Há um triste que me fala
de frestas

Há um triste que me sela
de sépias

há um triste que me cabe
de ausências

Há um triste que me fere

..................................

de luzes


MÍNIMA
Nydia Bonetti
[ in Longitudes ]

Rímel. Lápis. Blush. Batom
Agenda. Aspirina. Espelho
Chaves. Talão de cheques
Carteira. Calculadora
Cartão de crédito
Lixa de unha. Desodorante
Creme hidratante

Um terço. Uma oração. Medalhas
E uma fita azul da Mãe Aparecida
(Que a casa do Senhor do Bonfim
Ficou distante)
Um canivete artesanal de estimação
Herança de meu pai
3 x 4 daqueles que amo

Lentes de contato. Óculos de sol
Lenços de papel. CIC. RG. CREA SP
Canetas. Cartão de visita. Celular
Escovas. Filtro solar
E a imprescindível folha de papel
Em branco
À espera dos versos

Deus,
Como sou pequena!
Quase tudo que sou e preciso
Cabe dentro da minha bolsa


O RIO DE TODOS
Maria Maria
[ Espartilho de Eme ]

O rio
que abraça
a ponte
que aponta
para o poente
não é o mesmo
rio de Heráclito,
mas o de todos.

O rio me laça
com suas lembranças
cravadas nas pedras
brilhantes do Cruzeiro,
do navio estático,
próximo ao Pereiro
das Galinhas da Angola
(do Seridó).

O rio
é resiliente:
se preserva e se guarda
e se mantém perene
na memória.
Só me falta a chuva
para eu banhar minhas bonecas
às margens desse rio.


CUMAÉQUIÉMESMO?

Um internauta decerto abestado (ou então muito doidão) sapecou a consulta no Google: sonrisal na buceta. E o Google mais doidão do que o próprio internauta indicou o nosso Balaio em 8° lugar entre 216 possíveis blogues que poderiam apontar o caminho das pedras, isto é, da inusitada prática sexual. Sonrisal na buceta? Essa, acredito, nem mesmo o Chico Doido conhecia...

13 comentários:

romério rômulo disse...

moacy:
esse sonrisal é um pouco exagerado.
eu,um desinformado,sequer sabia dessas possibilidades.agora,convenhamos:
com a presença do chico doido aqui,
tudo é possível.até o google dar essas informações.
um abraço.
romério
ps.os poemas publicados estão muito bons.

adrianna coelho disse...


eita, que esse balaio hoje tá mesmo porreta!

poemas de dois dos queridíssimos poetas que nos deram o prazer da companhia ontem (que encontro maravilhoso, né?!), e outros dois poemas lindos.

e pra fechar com chave (hehehe) de ouro, o CUMAÉQUIÉMESMO? ahahahhahahaa

ótimo, moa!
beijos

Adriana Monteiro de Barros disse...

Moacir,
se o Chico Doido existe eu não sei, teria sim enorme prazer em conhece-lo, como foi naquela tarde de ontem...Que prazer ouvir suas histórias...passaria uma madrugada toda me deliciando com elas! Vc é "du caralho"! Obrigada pela postagem do poema. Eu o adoro e agora mais ainda. Tenho certeza que outros eventos virão para que eu humildemente possa me alegrar com a sua presença.
bjs grandes e até breve

ps: coloquei um verso do Fernando Pessoa no blog em homenagem a vcs todos, pessoas queridas e poetas mais que tudo!

Eliene Dantas disse...

olá meu jovem amigo, passei para desejar uma linda semana e claro, pra ver as coisas arretadas desse seu balaio.

Mariana disse...

tô morta de inveeeeeeeeeeeeeeja do tal encontro ...rsrs

minha alminha penada veio dizer que esse balaio hoje tá supimpa!

françois disse...

então, Moacy, se o rol da feira de blogs for uma aplicação "lista de blogs", da blogger, tem opção de configurar com o título da entrada mais recente e um pequeno resumo, para cada blog (como se fosse um leitor de feeds). agora, se for uma aplicação com lista de links, aí não sei como faz, mas vou tentar descobrir. abraço!

Beti Timm disse...

Mestre,

muito honrada ficarei, em ser incluída em tão ilustre Balaio. Poderei até considerar como uma medalha recebida!

Essa aí da Sonrisal na buceta, nem mesmo o Chico Doido, com suas lindas poesias transloucadas imaginaria.
Um detalhe: estou aqui agora tb para catar uma dessas poesias maravilhosas que gosto muito, para enviá-la a uma "amiga" chata que entope meu email de pps, tipo religiosos, querendo me converter(coisa impossível!). Então pra cada pps, vai uma dessa pérolas daqui.

Beijos carinhosos

Maria Maria disse...

Moacy, gratíssima pela postagem!!! Beijos do Seridó

nydia bonetti disse...

Moacy
Fiquei imensamente feliz em ver meu poema aqui, em tão boa companhia, neste espaço que é mesmo "porreta".
Obrigada
beijos

Theo G. Alves disse...

moacy, vim agradecer in loco esta banca na feira de blogues. me sinto honrado.

um grande abraço!!

Sérgio Vilar disse...

Valeu pelo prestígio, Moacy! Passei uns dias sumidos, mas estou de volta. E amanhã mesmo procuro na farmácia, ao lado do puteiro, por esse tal remédio.

Hercília Fernandes disse...

Belíssimo encontro, Moacy.

Cada voz poética tocou-me os sentidos abundantemente.

Obrigada pela leitura e parabéns a "todos" pela riqueza expressiva dos versos.

Abraços,

H.F.


Obs: Obrigada por incluir o link do meu espaço nesse Balaio Porreta! Beijos.

Anônimo disse...

tchiiii!

acidulante, moacy
porreta

giulianoquase.