quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009


Cartão postal dos anos 10 do séc. XX
via
Canta Piriquito Canta


BALAIO PORRETA 1986
n° 2566
Rio, 12 de fevereiro de 2009

Um homem é a grafia de um estrela.
(Ana PELUSO, in La Escena de la Memoria)


Almanaque / Memória
AUTO-RETRATO
DE GRACILIANO RAMOS, AOS 56 ANOS, EM 1948

Nasceu em 1892, em Quebrangulo, Alagoas.
Casado duas vezes, tem sete filhos.
Altura 1,75.
Sapato n.º 41.
Colarinho n.º 39.
Prefere não andar.
Não gosta de vizinhos.
Detesta rádio, telefone e campainhas.
Tem horror às pessoas que falam alto.
Usa óculos. Meio calvo.
Não tem preferência por nenhuma comida.
Não gosta de frutas nem de doces.
Indiferente à música.
Sua leitura predileta: a Bíblia.
Escreveu "Caetés" com 34 anos de idade.
Não dá preferência a nenhum dos seus livros publicados.
Gosta de beber aguardente.
É ateu. Indiferente à Academia.
Odeia a burguesia. Adora crianças.
Romancistas brasileiros que mais lhe agradam: Manoel Antônio de Almeida, Machado de Assis, Jorge Amado, José Lins do Rego e Rachel de Queiroz.
Gosta de palavrões escritos e falados.
Deseja a morte do capitalismo.
Escreveu seus livros pela manhã.
Fuma cigarros "Selma" (três maços por dia).
É inspetor de ensino, trabalha no "Correio do Manhã".
Apesar de o acharem pessimista, discorda de tudo.
Só tem cinco ternos de roupa, estragados.
Refaz seus romances várias vezes.
Esteve preso duas vezes.
É-Ihe indiferente estar preso ou solto.
Escreve à mão.
Seus maiores amigos: Capitão Lobo, Cubano, José Lins do Rego e José Olympio.
Tem poucas dívidas.
Quando prefeito de uma cidade do interior, soltava os presos para construírem estradas.
Espera morrer com 57 anos.


CINCO POEMAS/REFLEXÕES
de MÁRIO QUINTANA

[ in Caderno H, 1973 ]

Parábola?

Os espelhos partidos têm muito mais luas.

Mas seja lá como for

Decifrar palavras cruzadas é uma forma tranquila de desespero.

Dos livros

Há duas espécies de livros: uns que os leitores esgotam, outros que esgotam os leitores.

Da alma

Uma alma sem mistério nem seria alma... Da mesma forma que um Deus compreensível
não seria Deus.

Um epitáfio para Catulo da Paixão Cearense

Catulo não morreu: luarizou-se.


Humor em Campina Grande
MULHERES SUSPEITAS
Armando Negreiros
[ in Viva a Verve!, 2000 ]

Conhecido político paraibano, Raimundo Asfora, era notório pelas farras desmanteladas que fazia. Certa feita, já de meio lastro a queimado, acompanhado por duas gazelas cuja profissão o vulgo, erradamente, chama de "mulher de vida fácil", tentou entrar no clube mais elitista de Campina Grande, segunda maior cidade da Paraíba. O porteiro, respeitosamente, posto que Raimundo era deputado, o advertiu:

- As acompanhantes não podem entrar.
- Qual o motivo?
- São suspeitas.
- Suspeitas? Essas duas? De maneira nenhuma!
Essas duas são putas, as suspeitas estão aí dentro!


CUMAÉQUIÉMESMO?

Um leitor/internauta - com fértil imaginação - sapecou no Google: "champrar dicionário". Claro que o Balaio figurou nos primeiros lugares entre as 58 opções possíveis. Mas a questão é outra - e o nosso Balaio decerto não teria como respondê-la: como é que se fode um dicionário, ou seja, como é que se come sexualmente um livro - e não um livro qualquer, é bom acrescentar, mas um livro com informações filológicas, linguísticas, semânticas etc. e tal, a partir de verbetes catalogados geralmente por ordem alfabética. Afinal champrar, pelo menos no Rio Grande do Norte, e ao que parece na Paraíba também, tem um sentido bíblico-erótico-sexual bastante preciso. A não ser que o leitor tenha pensado no tema em termos puramente metafóricos... Ou, então, que seja um insatisfeito à procura de novas práticas sexuais.

14 comentários:

Ines Motta disse...

Bom dia, meu caro Moacy!
Pois é, mas o Graciliano era escritor e não profeta. Assim, ainda viveu três anos além do que pretendia e provavelmente acrescentou algo a sua obra, boa parte dela só publicada postumanente.
Dou preferência a três dos seus livros: São Bernardo, Memórias do Cárcere e Vidas Secas.
Ah, Já imaginou um Brasil, onde todos os seus presos constroem estradas?
Beijos.

Mariana disse...

Moacy! me ausentei e já tava com saudade!

bem, vamos por partes. Estou adorando essas imagens lindas que você tem achado (retroatelier e canta piriquito...rs)

Adoro o Vidas Secas, do Graciliano.

Caderno H é meu livro preferido do Quintana (há quem me chame de doida por isso), mas adoro a acidez sutilíssima dele nas máximas...

e esse cumaéquiémermo.... aiai... rsrsrs

romério rômulo disse...

moacy:
vou te mandar um breve poema sobre
o graciliano.
romério

Ines Motta disse...

Ah, Moacy, perguntou-me se conheço o Carlos Zéfiro. Conheço sim.Conheço ainda o Julinho de Adelaide e outros que se destacaram usando pseudônimos, heterônimos... Até um sujeito chamado Chico Doido de Caicó... Aposto que já ouviu falar dele, heheh
Bjo.

Ana disse...

Obrigada por me dar participação! Adorei as curiosidades sobre o Graciliano! E tudo mais por aqui!
Muito bom!
bjs

Francisco Sobreira disse...

Esse era o velho Mestre Graça. Curioso é que ele errou por dois a três anos a sua morte. E como sempre que bom ler Quintana. Um abraço.

Mulher na Janela disse...

Moacy,
venho sempre curiosa aqui no Balaio, vasculhar coisas boas...
Encontrar Graciliano e Quintana numa mesma postagem é se balançar numa rede com o peso dos séculos bem trilhados de poesia e paixão.

Ah... tô com saudade de uma espiadinha sua lá na minha Janela, viu?! Aparece pra fofocar!

Beijos do Seridó quente e confuso.

adrianna coelho disse...


ah, moa!

vc não decepciona nunca, nem uma vezinha! mas que coisa! rsrsrs

eu adoro o blog da ana peluso.

graciliano e quintana!

"luarizou-se" é lindo!

as mulheres suspeitas... ahahaha
concordo!

e champrar "tem um sentido bíblico-erótico-sexual bastante preciso." ahahahahaa

só vc, viu!

beijos, meu querido

Karina Meireles disse...

Não conheço essa revista (infelizmente) mais conheço os quadrinhos do Laerte, que são muito bons
=]
..

Foi lendo Mario Quintana que aprendi a amar a poesia e a entender a necessidade de minhas utopias.. é sempre uma boa leitura/reflexão.

O humor nestas bandas é sempre surreal hahahaha
putas mesmo, hahahaha
dessa eu não sabia
muito boa!

Nemastê

Lisbeth Lima disse...

É verdade, Moacy! Atesto como paraibana, que champrar é algo bem específico... risos... estão inventando moda por aí... mas "questão de gosto, não se discute!"
Um abraço, saudade, Lisbeth

Maria Maria disse...

Adoro Mário Quintana!!!!
Gostei muito desse postal dos anos 10 do século XX, realmente um achado! Beijos

líria porto disse...

quando lá em porto alegre vi o quarto de quintana, tive vontade de chorar, chorar igual criança! amá-lo é pouco!

nirvana
líria porto

quintana e drummond
estavam lá na rua
quando a lua veio

então carlos falou
que bacana senta-te aqui
no colo de quintana

e a lua se sentou

*
besos

nydia bonetti disse...

Moacy

Não conhecia este "auto-retrato" de Graciliano. Achei bárbaro. E Quintana, ah... Quintana: "Um espelho quebrado tem muitas luas" é demais.
E que imagens lindas!
Bjs.
Nydia

Ane Brasil disse...

Champrar? conhecia essa não, meu bruxo....
Agora, deputado porreta esse tal de Raimundo, hein?
Sorte e saúde pra todos!