quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009


Foto
de
Kenvin Pinardy


BALAIO PORRETA 1986
n° 2559
Rio, 5 de fevereiro de 2009

Entre a dúvida e a certeza,
procuro outras tangentes.
(Adriana Monteiro de Barros, in Pianos invisíveis, 2008)


PRONTO, FALEI
Julia Duarte
[ in J : D ]

Seus cabelos
abrem portas
e batem pernas

Se apresentam
e representam
um sonho vencido

Do alto
ela me convida
para um passeio

Na sua carne
Deito de olhos
abertos

Descubro
o que ela guarda
embaixo da roupa

Sua pele
segue minha língua
Sem atalhos

Fico horas e horas
sentindo seu corpo
igual ao meu

A água na cabeceira
me faz ter certeza
que ainda sou eu

Por mais um dia.


ALQUIMIA
Hercília Fernandes
[ in HF Diante do Espelho, em 16/12/2007 ]

Dei-te rosas.
Dei-te ventos em procissão.
Dei-te a primavera:
A lâmpada, louca, cega;
Vela de contemplação.

Dei-te o mar.
Dei-te beija-amores.
Dei-te estrelas na tarde.
Dei-te riso, siso, fabuladores...

Dei-te especiarias:
ouro, prata, cristal, pedrarias.
Dei-te cada flor-metal em romaria.
E meu pranto quieto, inquieto,
transmutado em alquimia:

- Deitando-me!...


O INTRUSO
Vivi Fernandes de Lima
[ in Chalé da Vivi ]

O intruso encontra comigo no bar
Beija minha mão, pede mais um
Puxa a cadeira, pede mais um
Come um bolinho, pede mais um
Paga a conta quando vem mais um.
O intruso me deixa em casa
Abre minha porta como se fosse dele
Abre minhas pernas como se fossem dele
O intruso vai embora tarde
Pede desculpas e deixa elogios.
Diz que qualquer dia volta
pra gente tomar mais um.
Mal sabe que amanhã mudo de endereço,
de cidade e de nome.
Mais um.

( Publicado originalmente no blogue No Front do Rio, de Cesar Tartaglia )


AVISO SUICIDA
Celso da Silveira
[ in Tempo de rir, 1984 ]

O locutor da Rádio Rural de Caicó, Nailson, lá pelo ano de 1976,
num programa de utilidade pública:

- Atenção Dantinha, sua mãe avisa que se suicidou,
mas não chegou a morrer.

Outra da Rádio Rural de Caicó

De Edmilson Silva, correspondente da emissora em Açu
[na região central do Estado]:

- Hoje, na Praça do Rosário, nesta cidade, foi encontrado
o cadáver de um homem morto.

11 comentários:

Vivi Fernandes de Lima disse...

Cirne,
Obrigada pela publicação. Como já te disse, é uma honra estar aqui.
Adorei tudo, especialmente o poema da Julia Duarte.
Beijos

marilia disse...

Esses dias, creio que minha alma se suicidou. Mas não chegou a morrer...

abç

Hercília Fernandes disse...

Querido Moacy,

Estou muito sensibilizada com a sua atitude de publicar o texto “Alquimia” no Balaio Porreta entre vozes femininas tão belas. Parabéns pela belíssima edição.

E muitíssimo obrigada, poetíssimo!

Forte abraço,

H.F.

Anônimo disse...

salve salve, moacy
é bom sempre reler os grandes autores. e falo de fato sobre as releituras

te convido a ressucitar o plínio marcos.

giulianoquase.

Jens disse...

Oi Moacy. Voltei! Sabe-se lá até quando. Acho que os Deuses estão de sacanagem comigo, me livro de um pepino e logo surge outro. Se este é um ensaio do que vai ser 2009, o ano bem que podia terminar amanhã. Que venha 2010!
***
Poeta porreta, a Vivi. Gostei do intruso.
Um abraço. Vamô que vamô.

adelaide amorim disse...

Poemas gostosos de ler, Moacy.
Gostei mesmo.
Beijo pra você.

Marco disse...

Caro mestre Moacy,
poemas muito bonitos. Os autores estão de parabéns. Mas eu adorei os causos da Rádio Caicó! estou rindo até agora!
Caro mestre, vim lhe recomendar um blog de um rapaz que me freqüenta. é coisa fina! Imagina um Antigas ternuras só sobre cinema! Pois é. Dê uma chegadinha do blog do Armando, o Feitiço de Cinéfilo (http://fetichedecinefilo.blogspot.com/) e se delicie com as coisas que ele desencavou. Veja os textos mais antigos. Com a minha recomendação. Carpe Diem. Aproveite o dia e a vida.

Marco disse...

Correção: eu escrevi Feitiço, mas é "Fetiche".

Maria Clara Pimenta disse...

Moacy,

não poderia deixar de vir ao Balaio e oferecer-lhe o meu abraço e admiração.

Vc demonstra grande sensibilidade poética e sabedoria na escolha das escritas e autores. Além disso, apresenta os fatos e alegorias da cultura do homem seridoense. Algo que poderia ser deixado de lado ou esquecido por um filho distande de seu ninho, mas isso não acontece com vc, evidentemente!

Os poemas selecionados são todos belíssimos. As autoras são dignas de muitas apreciações. Além dos avisos suícidas que mostram a riqueza genuína do caicoense.

A Hercília ou H.F. como se "autonomeia" já venho acompanhando há longa data. É muito gratificante para mim assistir ao seu crescimento no meio artístico, pois sua escrita é de fato rica e merecedora de destaque. O seu primeiro livro "Retrato de Helena", que tive o privilégio de ler através de uma amiga, é uma obra que deve ser expandida em todo Brasil e levada às salas de aula.

Desejo muito sucesso para todas às poetisas destacadas, e, em especial, a vc por apresentar excelentes conteúdos no Balaio Porreta. Estou linkando para melhor acompanhar.

Abraço forte,
Maria Clara.

Maria Maria disse...

Bonito poema esse de HercíliaI
Tem poema de Luiz Carlos no flores do seridó.
Beijos

adrianna coelho disse...


muito bom quando o balaio vem "feminino" assim...

os poemas da hercília, adriana, vivi e julia são lindos! :)

tbm gosto muito qd vc posta o "tempo de rir" ahahahhaa